Bolha espacial

Esfera na constelação de Órion resulta da perda de material de uma estrela envelhecida – um processo que deverá ocorrer com o nosso Sol

Esfera gasosa na constelação de Órion: momento de vida pelo qual o nosso Sol também vai passar. Foto: ESA/Hubble & Nasa, R. Wade

Uma alga? Uma água-viva? O protagonista desta foto, capturada pelo Telescópio Espacial Hubble e divulgada pela Agência Espacial Europeia (ESA), não é nada disso. Trata-se de um enorme objeto esférico de gás, denominado NGC 2022 e localizado na constelação de Órion. O NGC 2022 foi expelido para o espaço por uma estrela envelhecida. É ela que aparece no centro da “bolha”, brilhando em meio aos gases que anteriormente a mantinham durante a maior parte de sua vida.

Quando estrelas como o Sol chegam a uma idade avançada, expandem-se e brilham em vermelho. Essas supostas gigantes vermelhas começam então a perder suas camadas externas de material para o espaço. Mais da metade da massa de uma dessas estrelas pode ser derramada dessa maneira, formando uma camada de gás circundante. Ao mesmo tempo, o núcleo da estrela encolhe e fica mais quente, emitindo luz ultravioleta que faz os gases expelidos brilharem.

LEIA TAMBÉM: Hubble encontra novo e misterioso buraco negro

Esse tipo de objeto é chamado de nebulosa planetária, embora não tenha nada a ver com planetas. O nome deriva da aparência arredondada e planetária desses objetos nos primeiros telescópios.