Bombardeio de Hiroshima: 12 fatos marcantes

Detalhes importantes e pouco conhecidos de um momento fundamental e trágico da história moderna

Hiroshima após o bombardeio, em foto com texto manuscrito de Paul Tibbets, piloto do avião Enola Gay, que despejou a bomba. Crédito: U.S. Navy Public Affairs Resources Website

Em 6 de agosto de 1945, o bombardeiro B-29 americano Enola Gay lançou uma bomba atômica na cidade japonesa de Hiroshima. Foi a primeira vez que uma arma nuclear foi usada em guerra. A bomba matou imediatamente 80 mil pessoas, e outras dezenas de milhares morreriam depois de expostas à radiação.

Três dias depois, outra bomba atômica foi lançada em Nagasaki, matando instantaneamente mais de 40 mil pessoas. Mais uma vez, com o tempo, o número de fatalidades aumentou consideravelmente, conforme os efeitos devastadores de uma precipitação nuclear se manifestavam.

Acredita-se que os atentados tenham desempenhado um papel decisivo em convencer o Japão a se render e a pôr fim à Segunda Guerra Mundial. Mas hoje em dia existem historiadores que dizem que o Japão já estava perto de depor as armas naquele momento.

Confira a seguir 12 fatos pouco conhecidos sobre esses momentos amargos da história humana, selecionados pelo jornal “The New York Times” e pelo site Historyhit.com.

LEIA TAMBÉM: Hiroshima: primeiro ataque com bomba atômica completa 75 anos

1) Os cinco alvos iniciais

Cinco cidades japonesas estavam na lista de ataque dos EUA: Kokura, Hiroshima, Yokohama, Niigata e Kyoto. Diz-se que Kyoto foi poupada porque o então secretário de Guerra dos EUA, Henry Stimson, gostava da antiga capital japonesa, que visitara durante sua lua de mel, décadas antes. Nagasaki tomou seu lugar.

2) As bombas de Hiroshima e Nagasaki tinham projetos bem diferentes

A bomba “Little Boy” lançada em Hiroshima foi feita de urânio altamente enriquecido-235. Já a bomba “Fat Man” lançada em Nagasaki era feita de plutônio. A bomba de Nagasaki foi considerada o projeto mais complexo.

3) O codinome de pelo menos uma das bombas foi retirado do filme O Falcão Maltês

Os codinomes das bombas, Little Boy e Fat Man, foram escolhidos por seu criador, Robert Serber, que aparentemente se inspirou no filme O Falcão Maltês, de 1941. Dirigido por John Huston, ele era estrelado por Humphrey Bogart.

No filme, Fat Man é o apelido do personagem de Sydney Greenstreet, Kasper Gutman, enquanto o nome Little Boy deriva do epíteto que o personagem de Humphrey Bogart, Sam Spade, usa para outro personagem chamado Wilmer. No entanto, isso foi desacreditado – Spade só chama Wilmer de “menino”, nunca de “menininho”.

4) O ataque mais destrutivo contra o Japão não foi em Hiroshima nem em Nagasaki

O bombardeio de Tóquio feito pelos EUA em 9 de março de 1945 (Operação Meetinghouse) é considerada o ataque mais mortal da história. Na ocasião, 334 bombardeiros B-29 despejaram napalm sobre a capital japonesa. O ataque matou mais de 100 mil pessoas e deixou centenas de milhares de feridos.

Pessoas gravemente feridas após a detonação. Crédito: yamahata, yosuke/Wikimedia
5) Antes dos ataques atômicos, a Força Aérea dos EUA lançou panfletos no Japão

Às vezes, argumenta-se que isso constituía um aviso para o povo japonês. Na verdade, os panfletos não alertavam especificamente para um ataque nuclear iminente em Hiroshima ou Nagasaki. Em vez disso, eles apenas prometiam “destruição imediata e total” e exortavam os civis a fugir das cidades.

6) As sombras assustadoras no solo de Hiroshima

A explosão da bomba em Hiroshima foi tão intensa que queimou permanentemente as sombras de pessoas e objetos no chão. Estes ficaram conhecidos como “sombras de Hiroshima”.

7) Os efeitos trágicos da radiação

Muitas pessoas expostas à radiação liberada pelas bombas desenvolveram sintomas como vômito e queda de cabelo. A maioria das pessoas com sintomas graves de radiação morreu entre três e seis semanas depois. Outros que viveram além disso desenvolveram problemas de saúde relacionados a queimaduras, cânceres induzidos por radiação e outras doenças. Os sobreviventes têm maior risco de desenvolver catarata e câncer.

8) As bombas não terminaram a Segunda Guerra Mundial

Estudos recentes, baseados nas atas das reuniões entre funcionários do governo japonês antes da rendição, sugerem que a entrada inesperada da União Soviética na guerra contra o Japão teve um papel mais decisivo.

9) Os ataques a Hiroshima e Nagasaki levaram à morte entre 150 mil e 246 mil pessoas

Estima-se que entre 90 mil e 166 mil pessoas tenham morrido como resultado do ataque de Hiroshima. Já a bomba de Nagasaki causou a morte de 60 mil a 80 mil pessoas.

10) O oleandro é a flor oficial de Hiroshima

O título surgiu porque o oleandro foi a primeira planta a florescer novamente após a explosão da bomba atômica.

Panorâmica do Parque Memorial da Paz de Hiroshima, com a Ponte Aioi à esquerda, Memorial da Paz de Hiroshima no centro e a Ponte Motoyasu à direita. Crédito: Dean S. Pemberton/Wikimedia
11) Os guindastes de origami

Guindastes de origami (dobraduras de papel) podem ser vistos por toda Hiroshima. Eles se tornaram um símbolo de paz por causa de um sobrevivente da bomba de 12 anos de idade, Sadako Sasaki, que, enquanto lutava contra a leucemia, dobrou guindastes de papel usando embalagens de remédios depois de ouvir uma velha história japonesa de que aqueles que dobram mil guindastes recebem um desejo. Sadako desenvolveu leucemia 10 anos após sua exposição à radiação, aos 2 anos de idade, e morreu três meses depois de iniciar o projeto.

O ex-presidente dos EUA, Barack Obama, trouxe quatro guindastes de papel que dobrou quando visitou Hiroshima em maio de 2016. Foi o primeiro líder americano a visitar a cidade. Os guindastes de Obama agora são exibidos no Museu Memorial da Paz de Hiroshima.

12) Uma chama queima continuamente no Parque Memorial da Paz de Hiroshima

Acesa em 1964, a “chama da paz” permanecerá assim até que todas as bombas nucleares da Terra sejam destruídas e o planeta esteja livre da ameaça de destruição nuclear.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança