Cães são usados para detectar covid-19 em aeroporto na Finlândia

Segundo pesquisadora finlandesa, animais detectam doença cinco dias antes de pessoas apresentarem sintomas; eficiência dos cães ainda não foi comprovada cientificamente

Cão farejador: esses animais estão sendo treinados na Finlândia para detectar casos de covid-19 ainda não diagnosticados. Crédito: NZDF

Cães treinados para detectar o novo coronavírus começaram a farejar alguns passageiros no aeroporto de Helsinque-Vanda (Finlândia) nesta semana, em um projeto piloto utilizado conjuntamente com exames convencionais.

A eficiência dos cães não foi comprovada em estudos científicos comparativos. Por isso, os passageiros que se oferecem para ser testados e são suspeitos de portar o vírus são instruídos a também fazer um exame de coleta para confirmar o resultado.

Uma equipe de 15 cães e dez instrutores está sendo treinada para o trabalho na Finlândia por voluntários patrocinados por uma clínica veterinária particular. Entre eles está Kossi, um cão de resgate espanhol que foi treinado como cão farejador no país e que já trabalhou na detecção de câncer.

LEIA TAMBÉM: Compostos anti-inflamatórios aceleram recuperação da covid-19

“O que vimos em nossa pesquisa é que os cães encontram a doença cinco dias antes de os pacientes terem quaisquer sintomas clínicos”, disse Anna Hielm-Bjorkman, professora adjunta da Universidade de Helsinque, especializada em pesquisa clínica de animais acompanhantes.

“Eles são muito bons nisso. Chegamos perto de uma sensibilidade de 100%”, disse ela, referindo-se à capacidade dos cães para detectar casos do novo coronavírus.

No exame canino, um passageiro passa uma gaze no pescoço e a coloca em uma lata. Esta depois é entregue em outra sala para que um cão a fareje e ofereça um resultado imediato.

Alguns meses atrás, autoridades dos Emirados Árabes Unidos adotaram um exame canino semelhante no Aeroporto Internacional de Dubai, usando cães policiais.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança