Calor não é capaz de travar pandemia de covid-19, mostra estudo

Trabalho de pesquisadores espanhóis revela que temperatura elevada e umidade têm influência na transmissão da doença, mas não a ponto de afetar fortemente a propagação

Espanhola na rua com máscara, durante o período de confinamento: estudo de pesquisadores do país indica que temperatura e umidade interferem na propagação do vírus, mas não a impedem. Crédito: César/Wikimedia

Um estudo desenvolvido por cientistas espanhóis encontrou uma relação entre altas temperaturas e menor propagação do novo coronavírus. No entanto, à semelhança de outros estudos já existentes, os especialistas afirmam que, apesar dessa relação, a aproximação do verão no hemisfério norte não será suficiente para travar a pandemia.

No momento em que são desconhecidas muitas das características do novo coronavírus, uma das esperanças para conseguir abrandar a sua propagação era o calor. Especulava-se que a aproximação do verão e o aumento da temperatura fosse capaz de diminuir a resistência do vírus e travar a sua propagação.

Fernando Belda, da Organização Meteorológica Mundial e porta-voz da Agência Estatal de Meteorologia de Espanha (Aemet), em conjunto com a sua equipe, diz ter encontrado os “primeiros indícios de correlação” entre o frio e a propagação da doença na Espanha.

LEIA TAMBÉM: O que sabemos de fato sobre dose infecciosa e carga viral da covid-19

“Estamos observando um padrão: quanto menor a temperatura, maior o dano”, afirmou Belda ao jornal espanhol “El País”.

No entanto, tendo em conta os antecedentes históricos e o que está ocorrendo no resto do mundo, os investigadores defendem que o verão não será suficiente para travar a pandemia.

Padrão repetido

Cientistas espanhóis da Agência Estatal de Meteorologia e do Instituto de Saúde Carlos III analisaram a temperatura média de cada comunidade autônoma espanhola durante 14 dias e o número de novas infecções diárias para cada 100 mil habitantes ao longo desse período. Belda disse que o padrão se repete ao longo do período estudado, desde o início do confinamento até agora.

Além disso, o estudo também indicou que a umidade do ar pode igualmente influenciar a transmissão da doença. “Altas temperaturas e a elevada umidade reduzem significativamente a transmissão da covid-19”, revela a pesquisa.

A epidemiologista Cristina Linares, uma das autoras do trabalho, alerta que “é preciso ter muito cuidado, porque as condições de umidade e temperatura variam muito de uma área geográfica para outra e, é claro, existem muitos outros fatores que influenciam a transmissão e disseminação do novo vírus”.

“Há uma correlação estatística”, admite a epidemiologista ao “El País”, acrescentando que poderá ser apenas uma ilusão.

“São resultados preliminares. Outros fatores que influenciam a possível sazonalidade da propagação devem ser levados em consideração, além das condições ambientais. A atividade humana, medidas de contenção, densidade populacional, entre outros, exercem influência decisiva”.

Outros estudos

Ao longo das últimas semanas foram publicados na Espanha outros estudos que chegaram à mesma conclusão: o verão não irá abrandar a pandemia.

No último dia 8, a Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos aconselhou a Casa Branca a não dar como garantida a capacidade de o calor travar a pandemia: “Existem evidências que sugerem que o vírus da covid-19 pode ser transmitido menos eficientemente em ambientes com temperatura e umidade mais altas. No entanto, dada a falta de imunidade ao vírus em todo o mundo, essa redução na eficiência da transmissão pode não levar a uma queda significativa na propagação da doença sem a adoção simultânea de intervenções na saúde pública”.

Para sustentar essa observação, o estudo menciona os casos da Austrália e do Irã, dois países que estão atualmente na época do verão e enfrentam uma rápida disseminação do vírus. “Além disso, os outros coronavírus que causam doenças humanas potencialmente graves, como SARS e MERS, não mostraram nenhum comportamento sazonal”, argumenta ainda o estudo.

“Não há provas até agora de que o novo coronavírus poderá mostrar uma sazonalidade de inverno”, anunciou o Centro Europeu para o Controle de Doenças no fim de março.

Inconsistência

No início da pandemia, um estudo na China sugeriu que, para cada aumento de um grau na temperatura, o número diário de casos confirmados caía entre 36% e 57%, desde que a umidade relativa se mantivesse em cerca de 75%. Os próprios autores desse estudo reconheceram que essa correlação entre o vírus, a temperatura e a umidade não era consistente em diferentes províncias.

Diante das conclusões que reduzem a esperança de a aproximação do verão conter a pandemia, os estudos dão ênfase à importância das medidas de contenção e isolamento social.

Em todo o mundo, a covid-19 já fez mais de 133 mil mortos e infectou mais de 2 milhões de pessoas.

* A RTP (Rádio e Televisão de Portugal) é a emissora pública de televisão de Portugal

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança