• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Arqueologia09/06/2022

‘Canivete suíço’ pré-histórico indica que primeiros humanos se comunicavam

Ferramentas de quartzo da caverna Sibudu, África do Sul: modelo semelhante. Crédito: drª Paloma de la Peña

09/06/22 - 12h20min

Arqueólogos descobriram que uma ferramenta, apelidada de “canivete suíço de pedra” da pré-história, foi feita para parecer a mesma em alto número em grandes distâncias e vários biomas no sul da África. Isso indica que os primeiros humanos estavam compartilhando informações e se comunicando uns com os outros.

Pela primeira vez no mundo, uma equipe de cientistas internacionais, liderada pela drª Amy Way, arqueóloga da Universidade de Sydney (Austrália), e pelo Museu Australiano, revelou que os primeiros humanos do sul da África fizeram um tipo específico de ferramenta de pedra – uma lâmina usada para muitos propósitos, incluindo tecnologia de caça (como farpas em lanças e possivelmente arco e flechas), corte de madeira, plantas, ossos, pele, penas e carne – na mesma forma. Os pesquisadores relataram que isso significa que as populações devem ter estado em contato umas com as outras.

Conhecidas como o “canivete suíço de pedra” da pré-história, as lâminas do período Howiesons Poort (entre 65.800 e 59.500 anos atrás) foram feitas em um modelo semelhante em grandes distâncias e vários biomas. O estudo, publicado na revista Scientific Reports, descobriu que os artefatos produzidos em grande número na África Austral há cerca de 65 mil anos foram feitos de forma semelhante.

Informações compartilhadas

Autora principal do estudo, a drª Way, do Departamento de Arqueologia da Universidade de Sydney e do Museu Australiano, explicou que essas ferramentas foram feitas em muitas formas diferentes em todo o mundo, mas as pessoas do sul da África produziram ferramentas que parecem iguais, indicando que deviam estar compartilhando informações uns com os outros — elas eram socialmente conectadas.

“As pessoas saíram da África por centenas de milhares de anos, e temos evidências dos primeiros Homo sapiens na Grécia e no Levante de cerca de 200 mil anos atrás. Mas essas saídas anteriores foram sobrepostas pela grande saída de cerca de 60 mil anos atrás, que envolveu os ancestrais de todas as pessoas modernas que vivem fora da África hoje”, disse Way.

“Por que esse êxodo foi tão bem-sucedido onde as excursões anteriores não foram? A teoria principal é que as redes sociais eram mais fortes na época. Esta análise mostra pela primeira vez que essas conexões sociais existiam no sul da África pouco antes do grande êxodo”, acrescentou Way.

A drª Paloma de la Peña, que estuda o comportamento cultural dos primeiros Homo sapiens na Universidade de Cambridge (Reino Unido), disse que as ferramentas têm sido associadas a muitas atividades domésticas diferentes, como cortar e raspar.

“Embora a fabricação da ferramenta de pedra não fosse particularmente difícil, o manuseio da pedra ao cabo com o uso de cola e adesivos era, o que destaca que eles estavam compartilhando e comunicando informações complexas entre si”, explicou a drª de la Peña. “O que também foi surpreendente foi que a abundância de ferramentas feitas com o mesmo formato coincidiu com grandes mudanças nas condições climáticas. Acreditamos que esta é uma resposta social às mudanças ambientais na África Austral.”

Rede social

O professor Kristofer Helgen, cientista-chefe do Museu Australiano, disse que, como nós, os primeiros humanos dependiam da cooperação e das redes sociais, e esta pesquisa fornece algumas das primeiras observações datadas desse comportamento.

“Examinar por que as primeiras populações humanas foram bem-sucedidas é fundamental para entender nosso caminho evolutivo. Esta pesquisa fornece novos conhecimentos sobre nossa compreensão dessas redes sociais e como elas contribuíram para a expansão dos humanos modernos em toda a Eurásia”, disse o professor Helgen.

A drª Way disse que outro fato fascinante sobre essa ferramenta em particular é que ela foi feita de forma independente por muitos grupos diferentes de pessoas em todo o mundo em diversas épocas, inclusive na Austrália. “Comparei algumas das formas australianas de 5 mil anos atrás com as formas africanas de 65 mil anos atrás (já que elas não podem ser relacionadas), para mostrar que a semelhança observada nas ferramentas da África Austral é culturalmente significativa”, disse ela.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

África