Cannabis em microcápsulas pode ajudar a tratar doenças neurológicas

Novo método melhorou significativamente a eficiência com a qual os medicamentos à base de canabinoides podem ser administrados ao cérebro em testes com animais

A novidade ajudou a melhorar a distribuição de canabidiol pelo cérebro em 40 vezes em modelos animais. Crédito: Universidade Curtin

Uma equipe de pesquisadores australianos e neozelandeses liderada pela Universidade Curtin (Austrália) descobriu uma nova maneira de melhorar a taxa de absorção da cannabis medicinal quando tomada por via oral. A novidade poderia ser usada para tratar distúrbios neurológicos como a doença de Alzheimer, esclerose múltipla e lesões cerebrais traumáticas no futuro. O estudo a esse respeito, financiado pela farmacêutica Zelira Therapeutics, foi publicado na revista PLOS ONE.

Os pesquisadores criaram minúsculas cápsulas contendo canabinoides. Quando tomadas por via oral, elas foram absorvidas pelo corpo mais rapidamente e penetraram no cérebro em maior velocidade, em modelos de camundongos com doenças neurológicas, do que quando foram administradas na forma líquida.

Segundo o pesquisador principal, professor associado Ryu Takechi, do Curtin Health Innovation Research Institute (Chiri) e da Escola de Saúde da População da Universidade Curtin, tem havido um interesse crescente no uso de canabidiol para tratar várias doenças neurológicas. Mas existem limitações para isso, devido a má absorção e sensibilidade à luz e ao ácido do estômago da substância quando consumida por via oral.

Distribuição melhorada

“O canabidiol é encontrado na cannabis medicinal e é um remédio natural popular para pessoas que vivem com doenças neurológicas e metabólicas. Devido às limitações de absorção, pretendemos projetar e testar um novo método de administração de drogas”, disse Takechi.

“Nossa equipe conseguiu melhorar significativamente a absorção e entrega cerebral de canabidiol, administrando-o em uma nova forma de microcápsula, em combinação com um ácido biliar de ocorrência natural”, acrescentou o professor. “Com essa nova forma encapsulada, conseguimos melhorar a distribuição de canabidiol pelo cérebro em 40 vezes em modelos animais e também protegemos a droga da oxidação e degradação pela luz, o que ajuda a estender a vida útil do produto.”

De acordo com Takechi, as descobertas podem ser úteis no apoio ao uso clínico da cannabis medicinal no tratamento de distúrbios neurológicos.

Resultados promissores

“Neste estudo, conseguimos mostrar pela primeira vez que um ácido biliar realmente aumentou a absorção e retenção de canabidiol dentro do cérebro. Isso mostra que os ácidos biliares podem ser usados ​​para aumentar a entrega de canabidiol quando tomado por via oral, particularmente no tratamento de distúrbios neurológicos”, disse ele. “Mais pesquisas são necessárias para testar se esse tipo de método de administração de drogas pode ter sucesso em estudos em humanos. Mas nossos resultados são muito promissores.”

O CEO da Zelira, dr. Oludare Odumosu, disse estar muito satisfeito com o resultado da colaboração com Takechi e sua equipe. “A nova tecnologia de encapsulamento parece melhorar significativamente a eficiência com a qual os medicamentos à base de canabinoides podem ser administrados ao cérebro. Isso poderia levar a melhorias na eficácia das terapias com canabinoides para tratar distúrbios neurológicos, reduzindo custos e aumentando a segurança”, disse ele.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago