Cartas

UFOs estão de volta

Finalmente a direção da revista resolve brindar seus leitores com uma reportagem sobre um tema clássico da antiga PLANETA: os discos voadores (edição nº 427, abril de 2008). Os fãs dos UFOs, como eu, agradecem. A matéria a respeito da abertura dos arquivos secretos britânicos sobre aparições de UFOs é curta, mas bem informativa. Que tal se interessar mais pelos velhos temas da revista, como esoterismo, parapsicologia, ufologia e medicinas diferentes? Nada contra a atual linha da revista, dinâmica e informativa, abordando temas importantes da atualidade. Mas o moderno que não se assenta na tradição acaba desmoronando. Pensem nisso.

Pedro Paulo Lessa, Sorocaba, SP.

Nossa origem africana

Embora seja a hipótese mais provável, a teoria de uma origem única do homem moderno, na África, ainda briga com uma outra teoria, segundo a qual esse homem surgiu em diversos outros lugares e praticamente ao mesmo tempo. Como antropóloga, me interessei recentemente pelo tema. Constatei que temos, de um lado, o modelo “out of Africa”, que afirma que o Homo sapiens surgiu num ponto único do continente africano e a partir daí colonizou os outros continentes. De outro, temos o modelo segundo o qual a evolução do Homo erectus a Homo sapiens aconteceu em vários pontos do globo, de maneira independente. Até o presente, como explica a reportagem de PLANETA nº 427, os estudos genéticos testemunham a favor de uma origem africana comum, mas as análises de ossadas dão resultados variados.

O cientista Andrea Manica (Universidade de Cambridge, Reino Unido) e seus colegas desenvolveram um estudo sobre a diversidade genética das populações pelo mundo, e compararam as medidas de mais de seis mil crânios para conseguir a prova da origem africana do homem. Demonstraram, dessa forma, que quanto mais as populações se distanciam geograficamente da África, mais a diversidade genética diminui, o que reflete, em linguagem mais técnica, uma perda da variedade fenotípica (de características físicas). Para verificar a validade de suas descobertas, os cientistas ingleses tentaram utilizar os seus dados para encontrar alguma origem não-africana dos homens modernos. Todos os esforços, contudo, foram inúteis. Parece assim que a hipótese da origem africana do homem moderno caminha para a total confirmação.

Maria Alice Soares Trinca, Porto Alegre, RS, por e-mail.

Importante e de longo alcance a matéria de capa da PLANETA nº 427, de abril. Quer dizer que somos todos originariamente africanos? Quanto a mim, não existe a menor dúvida. Tenho mesmo um “pé na senzala”, como se costuma dizer, e me orgulho disso. Minha avó materna era negra da Bahia. Mas, se a ciência comprova que viemos todos da África, significa que na origem tínhamos todos a pele negra. Que dirão agora os criacionistas? Reconhecerão que, se o homem foi mesmo fabricado pela varinha de condão de Deus, isso significa logicamente que Adão era negão, e Eva devia ser uma negona de arrasar? E os brancos, que apareceram bem depois, são simplesmente negros que desbotaram? Confesso que gostei da idéia.

Adriano Ducassis, Rio de Janeiro, RJ, por e-mail.

Parabenizo a revista pela excelente matéria “Viemos todos da África”. Do ponto de vista científico, ela está quase corretíssima. Peço autorização para utilizá- la em minha página pessoal na internet.

José Pires de Carvalho Neto, email: enlil20@hotmail.com

Nota da redação: Autorização concedida, José Pires. Desde que sua página não tenha interesses comerciais e a reprodução da matéria se destine exclusivamente a fins culturais.

COMPARTILHAR