• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Featured27/04/2022

Causas do câncer são identificadas em estudo

Crédito: CC0 Public Domain

27/04/22 - 12h27min

Uma equipe de pesquisadores da Universidade Yale (EUA) agora pode quantificar os fatores que causam mudanças no DNA que mais contribuem para o crescimento do câncer na maioria dos principais tipos de tumor. Em artigo publicado na revista Molecular Biology and Evolution, eles escrevem que sua nova abordagem de análise molecular traz clareza a um debate de longa data sobre quanto controle os humanos têm sobre o desenvolvimento de câncer ao longo do tempo.

Observar os casos de mutações genéticas específicas pode revelar até que ponto as exposições evitáveis, como a luz ultravioleta, causaram o crescimento do tumor em 24 cânceres, disse o dr. Jeffrey Townsend, professor do Departamento de Bioestatística da Escola de Saúde Pública da Universidade Yale e coautor do estudo. “Agora podemos responder à pergunta – até onde sabemos – ‘Qual é a fonte subjacente das principais mutações que transformaram essas células em câncer em vez de tecido normal restante?’”, disse ele.

Alguns dos cânceres mais prevalentes nos Estados Unidos são conhecidos por serem altamente evitáveis ​​por decisões humanas. Os cânceres de pele como o melanoma surgem em grande parte devido à exposição prolongada à luz ultravioleta, e os cânceres de pulmão muitas vezes podem ser rastreados até o uso do tabaco. Mas os cientistas há muito lutam para avaliar o quanto o tumor de qualquer indivíduo se desenvolveu como resultado de ações evitáveis ​​em comparação com o envelhecimento ou “acaso”.

Porcentagem específica

Anteriormente, os cientistas haviam demonstrado que podem prever com segurança como certos fatores causam mutações específicas que alteram o genoma nos tecidos. Ao combinarem esse conhecimento com seu método que quantifica a contribuição de cada mutação para o câncer, Townsend e seus colegas – Jeffrey Mandell, doutorando no Departamento de Informática Computacional e Biologia de Yale, e Vincent Cannataro, professor assistente de biologia no Emmanuel College de Yale e primeiro autor do artigo – mostraram a porcentagem específica de culpa a ser atribuída a fatores conhecidos e desconhecidos, mas identificados no surgimento do câncer.

“Isso nos dá a última peça do quebra-cabeça para conectar o que aconteceu com o seu genoma com o câncer”, explicou Townsend. “Isso é realmente direto: examinamos seu tumor e vemos o sinal escrito em seu tumor do que causou esse câncer”.

Eles escrevem em seu relatório que alguns cânceres são mais controláveis ​​do que outros. Por exemplo, fatores evitáveis ​​são responsáveis ​​por grande parte da formação de tumores da bexiga e da pele. No entanto, eles descobriram que os cânceres de próstata e gliomas são em grande parte atribuíveis devido a processos internos associados à idade.

Populações locais ou profissões que sofrem de níveis excessivamente altos de câncer também podem usar as descobertas para encontrar casos de exposição a substâncias cancerígenas, sugeriu Townsend. A ideia parece promissora, disse ele, porque capturar a proporção de fatores poderia expor as causas subjacentes que levaram ao crescimento do tumor.

“Contabilidade incompleta”

“Pode ser útil em termos de dar um retorno às pessoas que lhes permite saber quais são as causas de seu câncer”, disse ele. “Nem todo mundo pode querer saber. Mas em um nível pessoal, pode ser útil para as pessoas atribuir o câncer à sua causa.”

Nem todas as alterações genéticas que levam a tumores são incorporadas à abordagem atual, de modo que mais pesquisas são necessárias para entender completamente as alterações genéticas complexas, como genes ou cromossomos duplicados. Os cientistas continuam a descobrir novos fatores que também levam ao crescimento do tumor. Por isso, Townsend advertiu que as abordagens atuais não fornecem uma “contabilidade completa”. E o método de sua equipe ainda não foi testado em muitos cânceres menos frequentes que o grupo ainda não estudou.

Ainda assim, as descobertas podem ajudar as autoridades de saúde pública a reconhecer rapidamente as fontes de câncer antes que elas levem a mais tumores, salvando vidas.

“A intervenção de saúde pública destinada a minimizar a exposição a essas assinaturas evitáveis ​​mitigaria a gravidade da doença, evitando o acúmulo de mutações que contribuem diretamente para o fenótipo do câncer”, escreveram os pesquisadores no estudo.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

câncer