Cérebro da lula é praticamente tão complexo quanto o dos cães

Cientistas australianos completaram o primeiro mapeamento baseado em ressonância magnética do cérebro de lula em 50 anos para desenvolver um atlas de conexões neurais

A lula Sepioteuthis lessoniana: cérebro mapeado. Crédito: Universidade de Queensland

Pesquisadores da Universidade de Queensland (Austrália) deram um grande passo no sentido de entender a incrível capacidade da lula de se camuflar instantaneamente. O estudo, que envolveu o uso de técnicas como ressonância magnética no cérebro da lula Sepioteuthis lessoniana, foi publicado na revista “iScience”.

Wen-Sung Chung e Justin Marshall, do Queensland Brain Institute da Universidade de Queensland (UQ), concluíram o primeiro mapeamento do cérebro de lula baseado em ressonância magnética em 50 anos para desenvolver um atlas de conexões neurais.

“Essa foi a primeira vez que a tecnologia moderna foi usada para explorar o cérebro desse animal incrível, e propusemos 145 novas conexões e caminhos, dos quais mais de 60% estão ligados aos sistemas de visão e motores”, disse Chung.

Ele acrescentou: “Os cefalópodes modernos, um grupo que inclui polvos, chocos e lulas, têm cérebros famosos e complexos, aproximando-se dos de um cachorro e superando camundongos e ratos, pelo menos em número neuronal.

LEIA TAMBÉM: Revelado genoma da lendária e misteriosa lula-gigante 

“Por exemplo, alguns cefalópodes têm mais de 500 milhões de neurônios, em comparação com 200 milhões para um rato e 20 mil para um molusco normal.

Alguns exemplos de comportamento complexo de cefalópodes incluem a capacidade de se camuflar, apesar de serem daltônicos, contar, reconhecer padrões, resolver problemas e se comunicar usando uma variedade de sinais.

Camuflagem e comunicação visual

“Podemos ver que muitos circuitos neurais são dedicados à camuflagem e à comunicação visual. Eles dão à lula uma capacidade única de fugir de predadores, caçar e se comunicar de maneira específica com mudanças dinâmicas de cores .”

Segundo Chung, o estudo também apoia hipóteses emergentes sobre evolução convergente – quando organismos desenvolvem independentemente características semelhantes – de sistemas nervosos cefalópodes com partes do sistema nervoso central de vertebrados.

“A semelhança com o mais bem estudado sistema nervoso dos vertebrados nos permite fazer novas previsões sobre o sistema nervoso dos cefalópodes no nível comportamental”, disse ele.

“Por exemplo, este estudo propõe várias novas redes de neurônios responsáveis ​​por comportamentos guiados visualmente, como locomoção e camuflagem de contrassombreamento – quando as lulas exibem cores diferentes na parte superior e inferior do corpo para se misturar ao fundo, quer estejam sendo vistas de acima ou por baixo.”

O projeto em andamento da equipe envolve a compreensão de por que diferentes espécies de cefalópodes desenvolveram diferentes subdivisões do cérebro.

“Esperamos que nossas descobertas forneçam evidências para nos ajudar a entender por que essas criaturas fascinantes exibem comportamentos tão diversos e interações muito diferentes.”