Cérebro de roedores pode encolher se é preciso poupar energia

Fenômeno ilustra como os sistemas neurais são plásticos e se adaptam a condições extremas

Musaranho-pigmeu: córtex diminuiu 10% no inverno na comparação com o verão. Crédito: Wikimedia Commons

Em condições adversas como o inverno, quando a comida é escassa, o cérebro de alguns roedores diminui de tamanho, ajudando a poupar energia. O órgão volta ao normal em condições favoráveis.

Para entender o impacto do fenômeno, o chamado efeito Dehnel, na estrutura cerebral e na atividade neuronal, o neurobiólogo Saikat Ray, do Instituto de Ciência Weizmann, em Israel, e colaboradores da Alemanha e da China analisaram o cérebro do menor mamífero terrestre: o musaranho-pigmeu (Suncus etruscus), de metabolismo elevado e baixas reservas de energia.

Exames de imagens mostraram que o córtex do roedor (foto) encolheu 10% no inverno em relação ao verão (“PNAS”, 15 de dezembro). A área que mais diminuiu de tamanho (28%) foi o córtex somatossensorial, ligado ao tato e à capacidade de capturar presas.

Para os autores, o estudo ilustra como os sistemas neurais são plásticos e se adaptam às condições extremas.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago