• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Featured29/04/2022

Cerveja e destilados são mais prejudiciais à saúde do que vinho

Crédito: Mattias Diesel/Unsplash

29/04/22 - 11h52min

A grande ideia

Beber cerveja e destilados está ligado a níveis elevados de gordura visceral – o tipo prejudicial de gordura que está associado a um risco aumentado de doenças cardiovasculares, síndrome metabólica e outras complicações de saúde –, enquanto beber vinho não mostra essa associação com os níveis dessa gordura prejudicial e pode até proteger contra ela, dependendo do tipo de vinho consumido. De fato, descobrimos que beber vinho tinto está associado a níveis mais baixos de gordura visceral. Estas são algumas das principais conclusões de um novo estudo que meus colegas e eu publicamos recentemente na revista Obesity Science & Practice.

Embora o consumo de vinho branco não tenha influenciado os níveis de gordura visceral, nosso estudo mostrou que beber vinho branco com moderação pode oferecer seu próprio benefício único para a saúde de adultos mais velhos: ossos mais densos. Encontramos maior densidade mineral óssea entre os idosos que bebiam vinho branco com moderação em nosso estudo. E não encontramos essa mesma ligação entre o consumo de cerveja ou vinho tinto e a densidade mineral óssea.

Nosso estudo se baseou em um banco de dados longitudinal de grande escala chamado UK Biobank. Avaliamos 1.869 adultos brancos com idades entre 40 e 79 anos que relataram fatores demográficos, álcool, dieta e estilo de vida por meio de um questionário na tela. Em seguida, coletamos amostras de altura, peso e sangue de cada participante e obtivemos informações de composição corporal usando uma medida direta da composição corporal chamada absorciometria de raios X de dupla energia. Em seguida, utilizamos um programa estatístico para examinar as relações entre os tipos de bebidas alcoólicas e a composição corporal.

Por que isso importa

O envelhecimento é muitas vezes acompanhado por um aumento da gordura problemática que pode levar ao aumento do risco de doenças cardiovasculares, bem como por uma redução na densidade mineral óssea. Isso tem implicações importantes para a saúde, uma vez que quase 75% dos adultos nos EUA são considerados com sobrepeso ou obesos. Apresentar níveis mais altos de gordura corporal tem sido consistentemente associado a um risco aumentado de adquirir muitas doenças diferentes, incluindo doenças cardiovasculares, certos tipos de câncer e um risco maior de morte. E vale a pena notar que os custos nacionais de assistência médica associados ao tratamento de doenças relacionadas à obesidade totalizam mais de US$ 260,6 bilhões anualmente.

Considerando essas tendências, é vital que pesquisadores como nós examinem todos os possíveis fatores contribuintes para o ganho de peso, a fim de que possamos determinar como combater o problema. O álcool tem sido considerado um possível fator determinante para a epidemia de obesidade. No entanto, o público muitas vezes ouve informações conflitantes sobre os potenciais riscos e benefícios do álcool. Portanto, esperávamos ajudar a desvendar alguns desses fatores por meio de nossa pesquisa.

O que ainda não se sabe

Existem muitos fatores biológicos e ambientais que contribuem para o excesso de peso ou obesidade. O consumo de álcool pode ser um fator, embora existam outros estudos que não encontraram ligações claras entre ganho de peso e consumo de álcool.

Uma razão para as inconsistências na literatura pode ser o fato de que grande parte da pesquisa anterior tradicionalmente tratou o álcool como uma entidade única, em vez de medir separadamente os efeitos da cerveja, cidra, vinho tinto, vinho branco, champanhe e destilados. No entanto, mesmo quando dividida dessa maneira, a pesquisa produz mensagens contraditórias.

Por exemplo, um estudo sugeriu que beber mais cerveja contribui para uma maior relação cintura-quadril, enquanto outro estudo concluiu que, após um mês bebendo níveis moderados de cerveja, adultos saudáveis ​​​​não experimentaram nenhum ganho de peso significativo.

Como resultado, pretendemos desvendar ainda mais os riscos e benefícios exclusivos associados a cada tipo de álcool. Nossos próximos passos serão examinar como a dieta – incluindo o consumo de álcool – pode influenciar doenças do cérebro e cognição em idosos com comprometimento cognitivo leve.

* Brittany Larsen é doutoranda em neurociência e assistente de pós-graduação na Universidade Estadual de Iowa (EUA).

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

álcool