• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Ciência08/02/2022

Chimpanzés aplicam insetos em feridas para curá-las, revela estudo

As chimpanzés Suzee, Sassandra e Olive vivem no Parque Nacional de Loango, no Gabão. O Ozouga Chimpanzee Project, liderado pela bióloga cognitiva Simone Pika, da Universidade de Osnabrück, observou ali, pela primeira vez, como os chimpanzés aplicam insetos em suas feridas. Crédito: (c) Tobias Deschner/Ozouga Chimpanzee Project

08/02/22 - 11h41min

Pesquisadores da Universidade de Osnabrück e do Ozouga Chimpanzee Project (ambos da Alemanha) observaram, pela primeira vez, chimpanzés aplicando insetos em suas próprias feridas e nas feridas de seus coespecíficos. As novas descobertas foram publicadas em artigo na revista Current Biology.

Os chimpanzés são encontrados em toda a África equatorial, incluindo o Parque Nacional de Loango, no Gabão, que abriga o Ozouga Chimpanzee Project, liderado pelo primatologista dr. Tobias Deschner e pela bióloga cognitiva profª drª Simone Pika, da Universidade de Osnabrück. Em Loango, os pesquisadores investigam o comportamento de uma comunidade de cerca de 45 chimpanzés com foco especial em suas relações sociais, interações e disputas com outros grupos, seu comportamento de caça, uso de ferramentas e suas habilidades cognitivas e comunicativas.

“A automedicação – em que os indivíduos usam partes de plantas ou substâncias não nutritivas para combater patógenos ou parasitas – foi observada em várias espécies animais, incluindo insetos, répteis, pássaros e mamíferos”, disse Pika. “Por exemplo, nossos dois parentes vivos mais próximos, chimpanzés e bonobos, engolem folhas de plantas com propriedades anti-helmínticas e mastigam folhas amargas que têm propriedades químicas para matar parasitas intestinais.”

No entanto, apesar da pesquisa de décadas em outros locais de campo de longo prazo no oeste e leste da África, a aplicação externa de matéria animal em feridas abertas nunca havia sido documentada. “Nossas observações fornecem a primeira evidência de que os chimpanzés capturam insetos regularmente e os aplicam em feridas abertas. Agora pretendemos investigar as potenciais consequências benéficas de um comportamento tão surpreendente”, disse Tobias Deschner.

A chimpanzé Suzee inspeciona um ferimento no pé de seu filho adolescente, Sia, depois pega um inseto no ar, coloca-o em sua boca, pressiona-o entre os lábios e aplica-o no ferimento enquanto sua filha, Sassandra, a observa. Crédito: Alessandra Mascaro

Comportamento replicado

Alessandra Mascaro, na época voluntária do projeto, lembra sua primeira observação: “Em 2019, eu estava seguindo uma chimpanzé fêmea chamada Suzee e observei enquanto ela cuidava do pé machucado de seu filho adolescente, Sia. Percebi que ela parecia ter algo entre os lábios que ela então aplicou no ferimento no pé de Sia. Mais tarde naquela noite, assisti a meus vídeos novamente e vi que Suzee tinha primeiramente estendido a mão para pegar algo que ela colocou entre os lábios e depois diretamente no ferida aberta no pé de Sia. Discutindo essas observações e a possível função do comportamento com os membros da equipe, percebemos que nunca tínhamos visto tal comportamento e que também nunca havia sido documentado antes.”

Uma semana depois, a doutoranda Lara Southern observou um macho adulto, Freddy, demonstrando um comportamento semelhante. A equipe descobriu que os pequenos objetos provavelmente eram insetos voadores, dado onde e como foram capturados. Durante o ano seguinte, os pesquisadores começaram a observar e filmar todos os indivíduos com ferimentos. Eles gradualmente construíram um registro de 22 eventos, principalmente envolvendo indivíduos aplicando insetos em suas próprias feridas.

Quase um ano após a observação de Mascaro da primeira aplicação de inseto na ferida de outro indivíduo, Southern observou outro evento. “Um macho adulto, Littlegrey, tinha uma ferida aberta profunda em sua canela e Carol, uma fêmea adulta, que estava cuidando dele, de repente estendeu a mão para pegar um inseto”, disse Southern. “O que mais me impressionou foi que ela entregou o inseto a Littlegrey, ele o aplicou em sua ferida e, posteriormente, Carol e outros dois chimpanzés adultos também tocaram a ferida e moveram o inseto sobre ela. Os três chimpanzés não aparentados pareciam realizar esses comportamentos apenas para o benefício de seu membro do grupo.”

Comportamento pró-social

Os autores do estudo sugerem que os insetos aplicados podem ter propriedades anti-inflamatórias ou antissépticas. O uso de insetos para fins terapêuticos foi datado em humanos em 1400 a.C. e ainda é popular em populações humanas, envolvendo uma variedade de espécies de insetos com efeitos antibióticos e antivirais cientificamente comprovados. Alternativamente, outra explicação pode ser que tal comportamento não tenha consequências benéficas, mas faça parte da cultura dos chimpanzés locais, assim como um grande número de tratamentos médicos nas sociedades humanas.

“Para mim, interessada nas habilidades cognitivas dos chimpanzés, foi particularmente impressionante testemunhar que os indivíduos não apenas tratam suas próprias feridas, mas também as feridas de outros indivíduos não relacionados. Tais exemplos de comportamentos pró-sociais claros raramente são observados em espécies não humanas, mas essas observações agora também podem convencer os céticos”, disse Pika.

Como próximo passo, os pesquisadores pretendem recuperar partes remanescentes de insetos para identificar as espécies e, posteriormente, realizar bioensaios investigando as potenciais propriedades farmacêuticas. Além disso, a equipe também focará na dimensão social do comportamento, como quem são os principais atores e quem são os principais receptores do “tratamento”, bem como os processos de aprendizagem social que permitem sua transmissão.

“É fascinante ver que, após décadas de pesquisa em chimpanzés selvagens, eles ainda nos surpreendem com novos comportamentos inesperados”, disse Deschner. “Nosso estudo mostra que ainda existe muito a explorar e descobrir sobre nossos parentes vivos mais próximos e, portanto, precisamos nos esforçar muito mais para protegê-los em seu habitat natural.”

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

Alessandra Mascaro