Chimpanzés também sofrem se ficam órfãos antes da idade adulta

Primatas machos se mostram menos competitivos e procriam menos do que aqueles que se mantêm junto das mães

A presença e o apoio de uma mãe chimpanzé ao longo dos anos de infância permitem que seus filhotes aprendam as habilidades de que precisam para sobreviver na idade adulta. Crédito: Liran Samuni, Tai Chimpanzee Project

Os chimpanzés machos que perdem a mãe no início da vida são menos competitivos e têm menos filhotes do que aqueles que continuam a viver com suas mães. A descoberta foi feita por pesquisadores liderados pelo Instituto Max Planck de Antropologia Evolucionária (Alemanha). Seu estudo foi apresentado na revista “Science Advances”.

Os pesquisadores observaram três comunidades de chimpanzés do Parque Nacional de Tai, na Costa do Marfim (oeste da África). Eles mantiveram registros demográficos completos e coletaram amostras fecais para conduzir testes de paternidade em todos os novos membros da comunidade, por até 30 anos.

Catherine Crockford, a autora principal, disse: “Quando estudamos nossos parentes vivos mais próximos, como os chimpanzés, podemos aprender sobre os antigos fatores ambientais que nos tornaram humanos. Nosso estudo mostra que a presença e o apoio de uma mãe ao longo dos anos prolongados da infância também foram provavelmente um traço no último ancestral comum que os humanos compartilharam com os chimpanzés entre 6 milhões e 8 milhões de anos atrás. É provável que esse traço tenha sido fundamental na formação tanto do chimpanzé quanto da evolução humana”.

LEIA TAMBÉM: Fêmeas de chimpanzés contribuem para a proteção do território

As principais teorias da evolução humana argumentam que os pais, ao continuarem a fornecer comida para seus filhos até que eles cresçam, permitiram que nossa espécie tivesse o maior cérebro de todas as espécies do planeta em relação ao tamanho de nosso corpo. Os cérebros são tecidos caros e crescem lentamente, levando a uma infância prolongada. O cuidado parental contínuo ao longo da infância permite que as crianças aprendam as habilidades de que precisam para sobreviver na idade adulta. Infâncias tão longas são raras entre os animais, igualadas apenas por outros grandes macacos, como os chimpanzés.

Vantagem competitiva

Os chimpanzés podem ter uma infância longa, mas as mães raramente lhes fornecem alimentos diretamente depois dos 4 a 5 anos, quando são desmamados. Principalmente as mães deixam seus filhotes se alimentarem. Então, o que as mães chimpanzés fornecem aos filhotes que lhes dá uma vantagem competitiva sobre os filhotes órfãos? Ainda não se sabe a resposta, mas os cientistas têm algumas ideias.

“Uma ideia é que as mães saibam onde encontrar os melhores alimentos e como usar ferramentas para extrair alimentos escondidos e muito nutritivos, como insetos, mel e nozes”, ressaltou Crockford. “Os filhotes aprendem essas habilidades gradualmente ao longo de seus anos de infância e juventude. Podemos especular que uma razão pela qual os filhotes continuam a viajar e se alimentar perto de suas mães todos os dias até a adolescência é que observar suas mães os ajuda a aprender.” Adquirir habilidades que os capacitem a comer alimentos mais nutritivos pode ser o motivo pelo qual os grandes macacos podem ter cérebros muito maiores em relação ao tamanho de seu corpo do que outros primatas.

“Outra ideia é que as mães transmitam habilidades sociais”, acrescentou Roman Wittig, coautor do estudo e diretor do Tai Chimpanzee Project. “De novo um pouco como os humanos, os chimpanzés vivem em um mundo social complexo de alianças e competição. Pode ser que aprendam observando suas mães sobre quando construir alianças e quando lutar.”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança