Choque de cometa pode ter mudado a civilização humana

Colisão ocorrida há cerca de 13 mil anos teria alterado o modo de vida de caçadores-coletores do sudoeste da Ásia

Cometa ruma para a Terra: um desses incidentes, há 13 mil anos, teria levado comunidades humanas a investir na agricultura e a agrupar-se em núcleos urbanos. Crédito: Nasa/Don Davis

Um aglomerado de fragmentos de cometa que se acredita ter atingido a Terra há quase 13 mil anos pode ter moldado as origens da civilização humana, sugere um estudo da Universidade de Edimburgo (Reino Unido). Possivelmente o impacto cósmico mais devastador desde a extinção dos dinossauros, ele parece coincidir com grandes mudanças na forma como as sociedades humanas se organizaram, afirmam os pesquisadores. Seu estudo foi publicado na revista Earth-Science Reviews.

A análise apoia as afirmações de que um impacto ocorreu antes do início do período Neolítico no chamado Crescente Fértil do sudoeste da Ásia. Durante esse tempo, os humanos na região –que abrange partes de países modernos como Egito, Iraque e Líbano – mudaram de estilos de vida de caçadores-coletores para outros centrados na agricultura e na criação de assentamentos permanentes.

Acredita-se que a colisão – conhecida como impacto Younger Dryas (Dryas Recente) – também exterminou muitas espécies de animais grandes e marcou o início de uma miniera do gelo que durou mais de mil anos.

Sítio arqueológico no Arizona (EUA), com uma camada preta distinta, indicando mudanças ambientais substanciais começando por volta de 10800 a.C., com detritos de impacto em sua base. Crédito: Comet Research Group
Evidências revisadas

Desde que foi proposta, em 2007, a teoria sobre o choque catastrófico tem sido objeto de acalorados debates e muitas pesquisas. Agora, cientistas da Universidade de Edimburgo revisaram as evidências que avaliam a probabilidade de um impacto ter ocorrido e como o evento pode ter se desenrolado.

A equipe diz que um grande corpo de evidências apoia a teoria de que um cometa atingiu a Terra cerca de 13 mil anos atrás. Os pesquisadores analisaram dados geológicos de quatro continentes, particularmente da América do Norte e da Groenlândia, onde os maiores fragmentos teriam caído.

Sua análise destaca níveis excessivos de platina, sinais de materiais derretidos em temperaturas extremamente altas e a detecção de nanodiamantes que existem dentro dos cometas e se formam durante explosões de alta energia. Todas essas evidências apoiam fortemente a teoria do impacto, dizem os pesquisadores.

A equipe diz que mais pesquisas são necessárias para lançar mais luz sobre como isso pode ter afetado o clima global e mudanças associadas nas populações humanas ou extinções de animais.

O dr. Martin Sweatman, da Escola de Engenharia da Universidade de Edimburgo, que liderou o estudo, disse: “Essa grande catástrofe cósmica parece ter sido homenageada nos gigantescos pilares de pedra de Göbekli Tepe, possivelmente o ‘primeiro templo do mundo’, que está ligado à origem da civilização no Crescente Fértil do sudoeste da Ásia. A civilização, portanto, começou com um estrondo?”

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago