• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Astronomia21/01/2022

Chuvas de asteroides contínuas mudam conceito sobre crateras de Marte

Crédito: Universidade Curtin

21/01/22 - 13h08min

Uma nova pesquisa da Universidade Curtin (Austrália) confirmou que a frequência de colisões de asteroides que formaram crateras de impacto em Marte tem sido consistente nos últimos 600 milhões de anos. O estudo, publicado na revista Earth and Planetary Science Letters, analisou a formação de mais de 500 grandes crateras marcianas usando um algoritmo de detecção de crateras desenvolvido anteriormente na Universidade Curtin, que conta automaticamente as crateras de impacto visíveis a partir de uma imagem de alta resolução.

Apesar de estudos anteriores sugerirem picos na frequência de colisões de asteroides, o pesquisador principal dr. Anthony Lagain, da Escola de Ciências da Terra e Planetárias da Universidade Curtin, disse que sua pesquisa descobriu que as quedas não variaram muito por muitos milhões de anos.

Segundo Lagain, contar crateras de impacto em uma superfície planetária é a única maneira de datar eventos geológicos com precisão, como cânions, rios e vulcões, e prever quando e quão grandes serão as colisões futuras.

Algoritmo

“Na Terra, a erosão das placas tectônicas apaga a história do nosso planeta. Estudar os corpos planetários do nosso Sistema Solar que ainda conservam sua história geológica inicial, como Marte, nos ajuda a entender a evolução do nosso planeta”, disse Lagain. “O algoritmo de detecção de crateras nos fornece uma compreensão completa da formação de crateras de impacto, incluindo seu tamanho e quantidade, e o tempo e a frequência das colisões de asteroides que as fizeram.”

Estudos anteriores sugeriam que houve um aumento no tempo e na frequência das colisões de asteroides devido à produção de detritos, afirmou Lagain. “Quando grandes corpos colidem uns com os outros, eles se quebram em pedaços ou detritos, o que se acredita ter um efeito na criação de crateras de impacto”, disse ele. “Nosso estudo mostra que é improvável que os detritos tenham resultado em qualquer mudança na formação de crateras de impacto em superfícies planetárias.”

A coautora e líder da equipe que criou o algoritmo, a professora Gretchen Benedix, disse que o algoritmo também pode ser adaptado para trabalhar em outras superfícies planetárias, incluindo a Lua.

“A formação de milhares de crateras lunares agora pode ser datada automaticamente e sua frequência de formação analisada em uma resolução mais alta para investigar sua evolução”, disse Benedix. “Isso nos fornecerá informações valiosas que poderão ter aplicações práticas futuras na preservação da natureza e na agricultura, como a detecção de incêndios florestais e a classificação do uso da terra.”

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

algoritmo