• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Ciência25/02/2022

Cidade da Califórnia mostra como terremotos danificam crosta da Terra

Trecho de estrada danificado por terremoto em Ridgecrest: deformação inelástica. Crédito: Ken Hudnut/USGS

25/02/22 - 10h53min - Atualizado em 25/02/22 - 10h55min

Em julho de 2019, uma série de terremotos, incluindo dois grandes abalos de magnitude 6,4 e 7,1 em dias sucessivos, ocorreu perto de Ridgecrest, Califórnia, entre Los Angeles e Las Vegas. Para os moradores locais, foi uma interrupção violenta do feriado de 4 de julho. Para os sismólogos, foi uma rara oportunidade de estudar como os terremotos danificam a crosta terrestre.

A zona do terremoto – que pertence a uma rede de falhas chamada Zona de Cisalhamento do Leste da Califórnia – é escassamente povoada e árida, sem muita vegetação ou edifícios para obscurecer a superfície. Mas também é bem coberta por imagens de satélite e acessível a geólogos que poderiam estar no local bem antes que as evidências de danos na crosta desaparecessem.

Alba Rodríguez Padilla, doutoranda na Universidade da Califórnia em Davis, estava entre os cientistas que estudavam o local, juntamente com o professor Mike Oskin, do Departamento de Ciências da Terra e Planetárias da mesma universidade, Christopher Milliner, do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), e Andreas Plesch, da Universidade Harvard. Eles mapearam a ruptura da superfície a partir de dados de Lidar e imagens aéreas coletadas por estudos anteriores e compararam os mapas de ruptura com outros conjuntos de dados para explorar a distribuição dos danos nas rochas causados ​​pelos terremotos. Suas descobertas foram publicadas na revista Nature Geoscience.

“Não temos apenas aridez ajudando aqui – melhorias na técnica e resolução de imagens, juntamente com a coleta de uma grande pegada de dados espaciais, são o que tornam a cobertura de Ridgecrest de ponta”, disse Rodríguez Padilla.

Deformação inelástica

A rocha ao redor da falha sofreu uma “deformação inelástica”, o que significa que foi deformada e quebrada em vez de retornar à sua configuração original. A deformação foi maior a 100 metros da falha, com danos generalizados e de baixa intensidade até 20 quilômetros de distância.

Essa deformação deixa a rocha ao redor da falha menos rígida do que antes, amolecendo a crosta. Esse amolecimento dissipa a energia de futuros terremotos, aumenta a permeabilidade e concentra a deformação.

O estudo fornece uma melhor compreensão de como os danos dos terremotos se acumulam e podem afetar eventos futuros, disse Rodríguez Padilla.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

Alba Rodríguez Padilla