• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Comportamento22/01/2022

Ciência confirma: gentileza gera gentileza

As pessoas influenciam umas às outras quando interagem. Crédito: CC0 Public Domain

22/01/22 - 19h34min - Atualizado em 22/01/22 - 18h05min

Quando duas pessoas se encontram pela primeira vez, tendem a ver a outra como tendo uma personalidade semelhante à sua. Uma pessoa amigável e sociável tenderá a ver os outros como amigáveis ​​e sociáveis. Alguém que é tímido e reservado verá essas características nos outros.

No mundo da psicologia, isso é conhecido como “efeito de similaridade assumida”. Os psicólogos teorizaram que as pessoas usam suas próprias personalidades para preencher as lacunas com alguém que não conhecem bem.

Agora, psicólogos da Universidade do Oregon (EUA) propuseram, testaram e encontraram apoio para outro fator contribuinte: as pessoas tendem a retribuir o comportamento umas das outras. É mais provável que uma pessoa que age de maneira amigável e sociável receba o mesmo em troca.

Influência na interação

Em outras palavras, as pessoas trazem temporariamente à tona um comportamento que é semelhante à sua própria personalidade, veem esse comportamento e inferem que é assim que a outra pessoa é. O fenômeno foi denominado “efeito de similaridade eliciado pelo observador”.

O estudo também encontrou suporte para um efeito de dissimilaridade: pessoas assertivas e dominantes ressaltam o comportamento passivo em outras, e pessoas passivas ressaltam o comportamento assertivo.

O estudo foi publicado na revista Journal of Personality and Social Psychology. O doutorando Bradley Hughes é o autor principal. Os coautores são seu orientador, o professor Sanjay Srivastava, e John Flournoy, ex-aluno de Srivastava que obteve seu doutorado na Universidade do Oregon e que agora está na Universidade Harvard.

“A ideia é que as pessoas influenciam umas às outras quando interagem”, disse Srivastava. “Elas trazem à tona comportamentos na outra pessoa que são em alguns aspectos previsivelmente semelhantes e, em outros, previsivelmente diferentes.”

Classificação e codificação

Para testarem sua teoria, os psicólogos realizaram um experimento, adaptando um procedimento que Hughes havia usado quando estudava na Universidade da Califórnia em Berkeley. Eles recrutaram 322 alunos da Universidade do Oregon, dividiram-nos em pares e pediram-lhes que analisassem e julgassem em conjunto uma série de fotografias que retratam obras de arte.

“Queríamos que as pessoas interagissem e fizessem essas classificações e tivessem a chance de influenciar umas às outras”, disse Hughes.

Os participantes assumiram o papel de cogestores de uma galeria de arte e tiveram 20 minutos para revisar 20 pinturas e selecionar três para pendurar na galeria. Suas interações foram gravadas em vídeo.

Antes de completar a tarefa da galeria de arte, cada participante fez um autorrelato de sua personalidade. Posteriormente, os alunos voltaram para uma sala privada e forneceram julgamentos de percepção de seu parceiro. Uma equipe de assistentes de pesquisa então assistiu às interações gravadas em vídeo e classificou e codificou o comportamento dos participantes.

Acúmulo com o tempo

“A ideia é que a personalidade flui por meio de interações interpessoais, de quem uma pessoa é, como ela age e como os outros respondem a ela”, disse Hughes.

“Você passa pela vida tornando as pessoas um pouco mais parecidas com você”, disse Srivastava. “A implicação é que você tem uma interação, torna as pessoas mais parecidas consigo e você vê isso. Isso se acumula com o tempo. Sua visão de mundo de como as pessoas são baseia-se em sua própria personalidade por causa do que você realça nelas.”

O estudo levou cerca de quatro anos, desde a concepção até a publicação. A parte de codificação de comportamento era “muito trabalhosa”, exigindo que equipes de assistentes de pesquisa de graduação da Universidade do Oregon assistissem aos vídeos e fizessem avaliações estruturadas.

“Você pode influenciar suas impressões sobre os outros interagindo com eles”, disse Hughes. “As interações cotidianas mudam a forma como você vê as pessoas. As evidências desses efeitos abrem portas para estudos futuros que explorem as influências interpessoais em outros efeitos cognitivos sociais.”

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

Bradley Hughes