Cientista brasileiro lança 100 “minicérebros” ao espaço

Objetivo da pesquisa é analisar como o cérebro humano se desenvolve em um ambiente de microgravidade. Resultados podem ter implicações para colonização espacial e saúde humana

neurociência
Cientista brasileiro lança "minicérebros" ao espaço / Foto: Divulgação Universidade da Califórnia

Uma equipe de cientistas da Universidade da Califórnia (UC), nos Estados Unidos, liderada pelo cientista brasileiro Alysson Muotri, lançou uma caixa com “minicérebros” humanos para a a Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês) neste domingo (21).

O objetivo da pesquisa é estudar o cérebro humano em ambiente com pouca ou nenhuma gravidade, e tentar responder a algumas questões fundamentais da biologia: um embrião humano pode crescer naturalmente fora da Terra? O cérebro se formou normalmente? Como a falta de peso altera as regras básicas, definidas pela gravidade, do desenvolvimento humano?

Os “minicérebros”, também chamados de organoides, são versões reduzidas do órgão mais complexo do nosso corpo.

Esses minicérebros serão estudados na ISS, a 400 km de distância da Terra, onde pesquisadores vão documentar como essas massas de células se organizam para formar os primórdios de um cérebro funcional.

“Nós seremos capazes de observar continuamente a formação do tubo neural, incluindo migração celular, interação entre células, divisão celular e morte celular. Essa será a primeira de uma série de viagens espaciais para nos ajudar a entender os meandros do desenvolvimento celular, tanto em um ambiente sem gravidade quanto na Terra”, diz Muotri.

O cientista brasileiro ainda destaca que esse tipo de experimento nunca foi feito para nenhum tipo de organoides derivado de células-tronco, e que a engenharia de manter essas estruturas em 3D vivas, em um ambiente de microgravidade, é um grande desafio.

Segundo Erik Viirre, professor de neurociências e diretor do Centro para a Imaginação Humana Arthur C. Clarke, da UC, os resultados deste estudo terão enormes implicações para a colonização espacial e a saúde humana.

Os minicérebros permanecerão por quatro semanas na ISS, e então serão enviados de volta à Terra para análise e comparações com estruturas semelhantes que ficaram na Terra, que são o grupo controle. Serão avaliadas a epigenética, expressão genética e morfologia dos organoides.

Em viagens futuras, os pesquisadores pretendem incorporar análises mais sofisticadas, como gravações eletrofisiológicas, que medem atividade elétrica e sinais entre as células.

Além de avaliar os efeitos da microgravidade no desenvolvimento cerebral, esse tipo de pesquisa pode ter implicações para a saúde humana aqui na Terra. “Essa e outras viagens nos ajudaram a criar modelos organoides que acelerem o entendimento de uma gama de doenças neurológicas”, diz Muotri. “Em última instância, nossas descobertas podem ajudar a moldar tecnologias futuras e modelos cerebrais para ajudar cientistas e médicos a criar cérebros mais resilientes”, completa o cientista.