Cientistas australianos testam com êxito fertilização in vitro para corais

Experiências cada vez maiores estão sendo feitas nas Filipinas e na Austrália para repovoar comunidades de corais degradadas

Harrison em seu "berçário de corais". Crédito: Juergen Freund

Pesquisadores de corais estão trabalhando dia e noite na Grande Barreira de Corais da Austrália para concluir uma abordagem radicalmente nova para a semeadura em massa de corais. Eles estão criando com sucesso milhões de corais bebês resistentes após um conhecido evento de desova em massa dos corais.

A equipe Coral IVF, liderada pelo professor Peter Harrison (Southern Cross University), juntamente com a pesquisadora Katie Chartrand (James Cook University) e o professor associado David Suggett (Universidade de Tecnologia de Sydney), capturou milhões de espermatozoides e óvulos de coral durante um evento de “sexo sincronizado” e criou com sucesso e grande velocidade larvas de corais com simbiontes de algas, prontas para reabastecer seções de recifes altamente degradadas.

Segundo Harrison, a Equipe de Restauração Larval trabalhou incansavelmente no pontão Marine World da Reef Magic, perto da cidade de Cairns, desde o início de uma desova em massa na noite de 17 de novembro, após a lua cheia de novembro. Ele diz que o projeto noturno da equipe está valendo a pena – agora há milhões de larvas de corais saudáveis ​​nadando em seis piscinas flutuantes, prontas para serem dispersas e se transformarem em novas comunidades de corais.

LEIA TAMBÉM: Grande Barreira de Corais está perdendo sua capacidade de recuperação

Pela primeira vez, a equipe está testando as piscinas recém-projetadas para “viveiros de corais”, aumentando a chance de sobrevivência dos filhotes por cocultura com algas e acompanhando seu progresso usando novos sensores ópticos ultrassensíveis em tempo real.

“Estamos usando meus coletores de redes recém-projetados e redes de viveiro que nos permitiram capturar mais da mancha de coral e criar milhões de larvas mais do que nunca – e os resultados parecem muito promissores”, disse Harrison. Ele e colegas foram os primeiros a descobrir o fenômeno de desova de coral em massa na Grande Barreira de Corais, há 38 anos.

Técnica inovadora

Desta vez, um dos avanços inovadores da equipe é o cocultivo das larvas de coral com seus parceiros de algas (zooxanthellae microscópica) para turbinar sua chance de sobrevivência, antes de elas serem transplantadas novamente para a Grande Barreira de Corais.

“Essa técnica inovadora é como dar aos bebês corais uma ‘bateria’, permitindo que as larvas de coral absorvam algas simbióticas, dando a elas o potencial de adquirir mais energia e, portanto, crescer mais rápido e sobreviver melhor. Se conseguirmos aumentar sua taxa de sobrevivência, isso pode fazer uma grande diferença poder escalar futuros processos de restauração”, disse Harrison.

Harrison vem testando com sucesso seu processo de restauração em escalas cada vez maiores nas Filipinas e na Grande Barreira de Corais nos últimos sete anos. Ele e sua equipe capturam ovas de corais que sobreviveram à devastação do branqueamento e as mantêm em “cercados de berçário” para que não flutuem antes que sejam capazes de se instalar no recife. A equipe continua a monitorar os recifes durante os meses subsequentes para rastrear quão bem os corais bebês sobrevivem e crescem em novas colônias que podem se tornar sexualmente maduras e começar a se reproduzir dentro de três anos.

Embora o processo de fertilização in vitro de corais de Harrison seja um projeto que possa ser dimensionado globalmente para ajudar a restaurar recifes moribundos e moribundos, a equipe alerta que a restauração por si só não pode salvar esses belos ecossistemas complexos, que exigem ação urgente sobre as mudanças climáticas para garantir sua sobrevivência.