Cientistas decifram origem dos pterossauros

Répteis voadores que comandavam os céus na época dos dinossauros teriam se originado de um grupo de pequenos animais comedores de insetos

Ovos e restos fossilizados de pterossauros escavados no noroeste da China: répteis alados se originaram de um grupo de pequenos animais chamados de lagerpetídeos. Crédito: © Fernando Frazão/Agência Brasil

Os cientistas podem ter resolvido um dos mistérios duradouros da paleontologia: as origens dos répteis voadores chamados pterossauros, que comandavam os céus na época em que os dinossauros dominavam a Terra.

Pesquisadores disseram, nessa quarta-feira (9), que um grupo de répteis pouco compreendido do período Triássico chamado lagerpetidae, conhecido por alguns esqueletos parciais encontrados nos Estados Unidos, na Argentina, no Brasil e em Madagascar, parece ter sido o precursor evolucionário dos pterossauros.

Os lagerpetídeos, que surgiram pela primeira vez há cerca de 237 milhões de anos, eram geralmente pequenos e podem ter sido comedores de insetos bípedes. Eles não podiam voar. Os pterossauros se tornaram os primeiros vertebrados voadores da Terra, com pássaros e morcegos aparecendo muito mais tarde.

“A origem dos pterossauros tem sido uma das questões mais enigmáticas da paleontologia desde a primeira descoberta dessa espécie no final do século 18”, disse o paleontólogo Martin Ezcurra, do Museu Argentino de Ciências Naturais, em Buenos Aires, principal autor do estudo publicado na revista “Nature”.

Ligação evolutiva

Os pterossauros mais antigos conhecidos aparecem nos registros fósseis há cerca de 220 milhões de anos, com anatomias totalmente desenvolvidas para o voo. Isso inclui asas formadas por uma membrana que se estende dos tornozelos até um quarto dedo excepcionalmente alongado.

Ao estudarem fósseis previamente descobertos e recém-desenterrados, usando sofisticada tecnologia de rastreamento e modelagem tridimensional, os pesquisadores identificaram pelo menos 33 características do esqueleto, sugerindo uma ligação evolutiva entre lagerpetídeos e pterossauros. Isso inclui o formato do ouvido interno, caixa craniana e dentes, assim como semelhanças nas patas, pernas, tornozelos e ossos pélvicos.

“Mostramos que os lagerpetídeos são os parentes mais próximos dos pterossauros e preenchem a lacuna anatômica entre os pterossauros e outros répteis”, acrescentou Ezcurra.

Os lagerpetídeos também parecem estar intimamente relacionados aos dinossauros, disseram os pesquisadores. O mais antigo dinossauro conhecido data de cerca de 233 milhões de anos atrás. Os pterossauros desapareceram há 66 milhões de anos na colisão de asteroide, que também dizimou os dinossauros.

Embora relativamente pequenos, os pterossauros posteriormente alcançaram grandes dimensões, com envergadura de asas chegando a 10,7 metros.

“Temos estudado como os pássaros transformaram seus corpos para o voo nos últimos 50 anos, e a maior parte disso foi impulsionada por fósseis notáveis de dinossauros e pássaros primitivos”, disse o paleontólogo da Virginia Tech (EUA) Sterling Nesbitt, coautor do estudo. “Os pterossauros ainda não participaram desse renascimento da compreensão porque não tínhamos os fósseis.”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança