Cientistas descobrem a floresta mais antiga do mundo

Datação de fósseis da mata, localizada no estado de Nova York, resultou numa idade aproximada de 386 milhões de anos

O sistema de enraizamento da antiga árvore Archaeopteris no local da floresta fóssil de Cairo. Crédito: Charles Ver Straeten

Cientistas americanos e britânicos descobriram vestígios da floresta fóssil mais antiga do mundo em uma pedreira de arenito na cidade de Cairo, no estado de Nova York (EUA). Acredita-se que a extensa rede de árvores, que se espalharia de Nova York ao vizinho estado da Pensilvânia e além, tenha cerca de 386 milhões de anos. O estudo foi publicado na revista “Current Biology”.

A datação feita torna a floresta de Cairo cerca de 2 ou 3 milhões de anos mais antiga do que a recordista anterior, localizada em Gilboa, também em Nova York, a cerca de 40 km de Cairo.

As novas descobertas lançaram uma nova luz sobre a evolução das árvores e o papel transformador que desempenharam na formação do mundo atual.

LEIA TAMBÉM: Rio Nilo é bem mais antigo do que se pensava, afirmam cientistas

Um grupo liderado por cientistas da Universidade de Binghamton (EUA), do Museu do Estado de Nova York e da Universidade de Cardiff (Reino Unido) mapeou mais de 3 mil metros quadrados de floresta na pedreira abandonada no sopé das montanhas Catskills, no vale do rio Hudson.

Reprodução por esporos

Suas investigações mostraram que a floresta abrigava pelo menos dois tipos de árvores: cladoxilopsídeos, plantas primitivas semelhantes a samambaias, que careciam de folhas verdes planas e que também cresciam em grande número em Gilboa; e Archaeopteris, que possuíam tronco lenhoso de coníferas e galhos frondosos, folhas verdes achatadas.

Um único exemplo de um terceiro tipo de árvore também foi descoberto. Ele permaneceu não identificado, mas poderia ter sido um tipo de licófita.

Todas essas árvores se reproduziam usando apenas esporos, em vez de sementes.

A equipe também relatou uma rede “espetacular” e extensa de raízes com mais de 11 metros de comprimento em alguns lugares, pertencentes às árvores Archaeopteris.

Essas raízes lenhosas de vida longa, com múltiplos níveis de ramificação e pequenas raízes alimentadoras perpendiculares de curta duração, transformaram as interações de plantas e solos e, portanto, foram essenciais para a coevolução das florestas e da atmosfera, afirmam os pesquisadores.

Floresta aberta

Até esse momento, árvores como os cladoxilopsídeos só tinham raízes semelhantes a fitas e em geral não ramificadas, que precisavam ser constantemente substituídas à medida que a planta crescia acima do solo.

Para os cientistas, a floresta acabou sendo destruída por uma enchente devido à presença de muitos fósseis de peixes que também eram visíveis na superfície da pedreira.

“É surpreendente ver plantas que antes se pensavam ter preferências de habitat mutuamente exclusivas crescendo juntas no antigo delta do Catskill”, disse o coautor do estudo, Chris Berry, da Universidade de Cardiff. “Isso teria parecido uma floresta bastante aberta, com árvores de aparência de conífera de tamanho pequeno a moderado, com plantas individuais e samambaias agrupadas, como plantas de tamanho possivelmente menor crescendo entre elas.”

Segundo a equipe, a floresta de Cairo é mais antiga que a de Gilboa porque os fósseis eram mais baixos na sequência de rochas que ocorrem nas montanhas Catskills.

“Para realmente entender como as árvores começaram a extrair dióxido de carbono da atmosfera, precisamos entender a ecologia e os habitats das florestas mais antigas e seus sistemas de enraizamento”, prosseguiu Berry. “Essas descobertas notáveis ​​nos permitiram nos afastar das generalidades da importância de grandes plantas que crescem nas florestas, para nos concentrar nas especificidades de quais plantas, em quais habitats, em que tipos de ecologia estavam impulsionando os processos de mudança global. (…) Estamos realmente lidando com a transição da Terra para um planeta florestal.”