Cientistas descobrem buracos negros maciços em galáxias anãs

Diferentemente de outros objetos do gênero, esses buracos negros não estão no centro de suas galáxias

Concepção artística de uma galáxia anã, com sua forma distorcida, provavelmente por uma interação passada com outra galáxia, e um enorme buraco negro em sua periferia. O buraco negro está atraindo material que forma um disco rotativo e gera jatos de material impulsionado para fora. Crédito: Sophia Dagnello, NRAO/AUI/NSF.

Astrônomos americanos descobriram 13 buracos negros maciços em galáxias anãs a menos de 1 bilhão de anos-luz da Terra, segundo um estudo publicado na revista “Astrophysical Journal”. Essas galáxias, mais de 100 vezes menos massivas que a Via Láctea, estão entre as menores do gênero conhecidas por abrigar enormes buracos negros. Os pesquisadores consideram que os buracos negros nessas galáxias anãs sejam em média cerca de 400 mil vezes mais pesados que o Sol.

“Todos os buracos negros que encontrei antes estavam no centro das galáxias”, disse Amy Reines, astrofísica da Universidade Estadual de Montana (EUA) e principal autora do artigo. “Esses estavam vagando pelos arredores. Fiquei impressionada quando vi isso.”

Reines acrescentou: “Esperamos que estudá-los e suas galáxias nos dê uma ideia de como buracos negros semelhantes se formaram no universo primitivo e depois cresceram, através de fusões galácticas ao longo de bilhões de anos, produzindo os buracos negros supermassivos que vemos hoje em galáxias maiores, com massas de milhões ou bilhões de vezes a do Sol”.

LEIA TAMBÉM: Estrelas estão nascendo das profundezas de buraco negro

A equipe usou o observatório de radioastronomia Very Large Array (VLA) Karl G. Jansky, da Fundação Nacional de Ciências dos EUA (NSF, na sigla em inglês), para fazer a descoberta. O VLA já havia sido usado para encontrar o primeiro enorme buraco negro em uma galáxia anã em 2011. Essa descoberta foi uma surpresa para os astrônomos e estimulou pesquisas adicionais.

Imagens mais sensíveis

Os cientistas começaram selecionando uma amostra de galáxias do Nasa-Sloan Atlas, um catálogo de galáxias feitas com telescópios de luz visível. Escolheram galáxias com estrelas totalizando menos de 3 bilhões de vezes a massa do Sol, aproximadamente igual à Grande Nuvem de Magalhães, uma pequena companheira da Via Láctea.

A partir dessa amostra, eles selecionaram candidatos que também apareceram na pesquisa Faint Images of the Radio Sky, realizada entre 1993 e 2011. Eles então usaram o VLA para criar imagens novas e mais sensíveis e de alta resolução de 111 das galáxias selecionadas.

“As novas observações do VLA revelaram que 13 dessas galáxias têm fortes evidências de um enorme buraco negro que está consumindo ativamente o material circundante. Ficamos muito surpresos ao descobrir que, em aproximadamente metade dessas 13 galáxias, o buraco negro não está no centro da galáxia, ao contrário do caso das galáxias maiores”, disse Reines.

Os cientistas disseram que isso indica que as galáxias provavelmente se fundiram com outras no início de sua história. Isso está de acordo com simulações de computador que preveem que aproximadamente metade dos buracos negros maciços das galáxias anãs será encontrada vagando nos arredores de suas galáxias.

“Precisamos expandir as pesquisas para atingir toda a galáxia, não apenas os núcleos onde esperávamos que os buracos negros estivessem”, disse Reines.