Cientistas descobrem mamífero primitivo com ouvido bizarro

Forma incomum de mastigar teria levado o Jeholbaatar kielanae a desenvolver um sistema auditivo diferente daquele de outros mamíferos

Jeholbaatar kielanae: forma incomum de mastigar. Crédito: Yong Xu/IVPP

Paleontologistas chineses descobriram um esqueleto quase completo de uma espécie de mamífero anteriormente desconhecida do início do período Cretáceo, com ossos do ouvido médio bem preservados. Segundo os cientistas, do Instituto de Paleontologia de Vertebrados e Paleoantropologia (IVPP, na sigla em inglês) da Academia Chinesa de Ciências e do Museu Americano de História Natural (AMNH, na sigla em inglês), a criatura é um mamífero multituberculado (ordem Multituberculata), parente distante dos roedores de hoje. Os resultados foram publicados recentemente na revista “Nature” em 27 de novembro.

O mamífero, denominado Jeholbaatar kielanae, foi descoberto na Formação Jiufotang, na província de Liaoning, no nordeste da China. O animal, que viveu aproximadamente 120 milhões de anos atrás (início do período Cretáceo), tinha uma massa corporal de cerca de 50 gramas e um ouvido médio muito distinto do de seus parentes.

Yuanqing Wang e Haibing Wang, do IVPP, juntamente com Jin Meng, do AMNH, propuseram que a evolução de seu aparelho auditivo poderia ter sido impulsionada pela especialização em alimentação. A configuração da face inferior do animal sugere que ele tinha um estilo incomum de mastigar para trás e para a frente que lhe permitia moer e comer plantas. Isso pode ter contribuído para o seu sucesso como espécie, porque outros mamíferos vivos na época só podiam comer insetos e outros vertebrados.

LEIA TAMBÉM: Fóssil de ave de 120 milhões de anos é descoberto no Japão

Adaptação evolutiva

Evidências fósseis mostram que os ossos pós-dentários foram incorporados na cavidade pós-dentária no lado medial do dentário (osso que integra a mandíbula dos vertebrados) ou conectados ao dentário por meio de uma cartilagem ossificada de Meckel nos primeiros mamíferos, antes de sua migração para o crânio, como se observa nos mamíferos atuais.

O descolamento dos ossos do ouvido médio dos mamíferos em relação ao dentário ocorreu independentemente pelo menos três vezes. Mas como e por que esse processo ocorreu em diferentes grupos de mamíferos permanece incerto.

“Nossas descobertas sugerem que a coevolução das articulações da mandíbula primária e secundária em aloteristas (ramo extinto de mamíferos, que inclui os Multituberculata) foi uma adaptação evolutiva que permite alimentar com mastigação palinal única (longitudinal e para trás)”, afirmaram os autores do estudo. “Assim, a evolução do aparelho auditivo alotérico provavelmente foi desencadeada pelos requisitos funcionais do aparelho de alimentação.”