Cientistas descobrem novo modo bizarro de cobras se moverem

Movimento em laço de cobras da ilha de Guam faz com que elas consigam escalar postes de energia e causar interrupções elétricas

Réptil noturno, a cobra-arbórea-marrom, introduzida acidentalmente em Guam no fim dos anos 1940 ou início dos anos 1950, faz a inusitada locomoção em laço. Crédito: Bjorn Lardner, United States Geological Survey

Pesquisadores da Universidade do Estado do Colorado e da Universidade de Cincinnati (EUA) descobriram um novo modo de locomoção de cobras que permite que a cobra-arbórea-marrom suba em cilindros lisos muito maiores do que qualquer comportamento conhecido anteriormente. Seu estudo foi publicado na revista “Current Biology”.

Essa locomoção em laço, batizada por causa de uma postura corporal semelhante a um laço, pode contribuir para o sucesso e o impacto dessa espécie altamente invasora. Ele permite que esses animais acessem presas em potencial que, de outra forma, poderiam ser impossíveis de capturar. Ele também pode explicar como essa espécie consegue escalar postes de energia, levando a interrupções elétricas.

Os pesquisadores esperam que as descobertas ajudem as pessoas a proteger as aves ameaçadas de extinção das cobras.

Descoberta inesperada em Guam

Por quase 100 anos, toda a locomoção de cobras foi tradicionalmente categorizada em quatro modos: retilínea, alças laterais, serpentina e concertina (sanfona). A descoberta de um quinto modo de locomoção foi o resultado inesperado de um projeto liderado pela professora emérita da Universidade do Estado do Colorado (CSU) Julie Savidge, que visava proteger os ninhos de estorninhos da Micronésia, uma das duas únicas espécies florestais nativas que ainda existem na ilha de Guam.

Savidge, que faz parte do Departamento de Peixes, Vida Selvagem e Biologia da Conservação da CSU, disse que a cobra-arbórea-marrom (Boiga irregularis) dizimou as populações de pássaros da floresta em Guam, onde a descoberta ocorreu. A cobra, que é noturna, foi introduzida acidentalmente em Guam no final dos anos 1940 ou início dos anos 1950. Pouco depois, as populações de pássaros começaram a diminuir.

A cientista conduziu sua pesquisa de tese de doutorado em Guam na década de 1980 e identificou a cobra como a culpada pela perda de pássaros. O animal causou grandes danos e é responsável por inúmeras falhas de energia na ilha a cada ano.

“A maioria das aves nativas da floresta sumiu em Guam”, disse Savidge. “Há uma população relativamente pequena de estorninhos da Micronésia e de outra ave que faz ninhos em cavernas, que sobreviveu em pequenos números. O estorninho desempenha uma função ecológica importante, dispersando frutas e sementes que podem ajudar a manter as florestas de Guam.”

Estorninho da Micronésia: uma das duas únicas espécies florestais nativas que ainda existem em Guam e alvo dos pesquisadores, que há vários anos buscam proteger seus ninhos. Crédito: Julie Savidge, Universidade do Estado do Colorado
Obstáculo pequeno

Tom Seibert, coautor do estudo e professor emérito da CSU, disse que a equipe estava tentando usar um defletor de metal de um metro de comprimento para evitar que as cobras subissem nas caixas de pássaros. Esses mesmos defletores têm sido usados ​​para manter outras cobras e guaxinins longe dos ninhos nos quintais dos observadores de pássaros. Mas o novo estudo sugere que isso pode representar um obstáculo pequeno para as cobras-arbóreas-marrons.

“Não esperávamos que a cobra-arbórea-marrom fosse capaz de encontrar uma maneira de contornar o defletor”, disse ele. “Inicialmente, o defletor funcionou, na maior parte. Tínhamos visto cerca de quatro horas de vídeo e então, de repente, vimos essa cobra formar o que parecia um laço em volta do cilindro e sacudir o corpo para cima.”

Segundo Seibert, ele e o biólogo da CSU Martin Kastner quase caíram da cadeira quando observaram essa nova forma de locomoção. “Assistimos a essa parte do vídeo cerca de 15 vezes”, disse Seibert. “Foi um choque. Nada do que eu já vi se compara a isso.”

Campeã de escalada

Para confirmar a descoberta, a equipe posteriormente procurou Bruce Jayne, da Universidade de Cincinnati, um especialista em diferentes aspectos da locomoção e função muscular, especialmente em cobras.

As cobras-arbóreas-marrons, em particular, são escaladoras campeãs, disse Jayne, coautor do estudo e professor de ciências biológicas.

“As cobras-arbóreas-marrons são especialmente boas para chegar a quase qualquer lugar”, disse Jayne. “É impressionante. Elas podem escalar verticalmente usando até mesmo as menores projeções em uma superfície e podem preencher enormes lacunas na copa das árvores. Elas podem se erguer verticalmente mais de dois terços do comprimento de seu corpo.”

Jayne disse que as cobras normalmente escalam galhos ou tubos lisos e íngremes usando um movimento chamado locomoção em concertina, no qual a cobra se curva para o lado para agarrar pelo menos duas regiões.

Mas com a locomoção em laço, a cobra usa o laço para formar uma única região de agarramento.

A locomoção em laço pode contribuir para o sucesso e impacto dessa espécie altamente invasora. Crédito: Tom Seibert, Universidade do Estado do Colorado
Esforço grande

Seibert voltou a Guam para gravar um vídeo em alta resolução desse novo método de escalada a fim de que Jayne pudesse interpretar melhor os movimentos das cobras.

“Não era óbvio como eles conseguiam escalar um cilindro”, disse Jayne. “A cobra tem essas pequenas curvas dentro do laço que permitem que ela avance para cima mudando a localização de cada curva.”

A locomoção por laço exige mais fisicamente do que outros métodos de escalada, disse Jayne. “Mesmo que elas possam escalar usando esse modo, ele as leva ao limite. As cobras param por períodos prolongados para descansar”, disse ele.

Savidge, que trabalhou com cobras-arbóreas-marrons por mais de 30 anos, disse que a descoberta de um novo modo de locomoção das cobras é “muito emocionante”. “Esperamos que o que descobrimos ajude a restaurar estorninhos e outras aves ameaçadas de extinção, já que agora podemos projetar defletores que as cobras não podem derrotar”, disse ela. “Ainda é um problema bastante complexo.”

Jayne disse que o que a equipe descobriu mostra o quão incríveis são as cobras-arbóreas-marrons. “Trabalho com a locomoção de cobras há 40 anos e aqui encontramos uma maneira completamente nova de se mover”, disse ele. “As probabilidades são de que há mais para descobrir.”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança