Cientistas criam “robô-cobra” para percorrer vasos sanguíneos cerebrais

O fio robótico é controlado magneticamente e poderá ser usado para tratar coágulos ou lesões, em resposta a problemas como derrames ou aneurismas

Cientistas do Massachusetts Institute of Technology (MIT) desenvolveram um filamento robótico para entrar em vasos sanguíneos cerebrais. A pesquisa que descreve a invenção foi publicada na revista “Science Robotics”.

O fio, da categoria apelidada de “robô-cobra”, é controlado magneticamente. Ele poderá ser usado para tratar coágulos ou lesões, em resposta a problemas como derrames ou aneurismas.

Veja como a tecnologia funciona:

Segundo Xuanhe Zhao, professor associado de engenharia mecânica do MIT, uma das motivações para a criação do dispositivo foi o alto grau de danos que os derrames causam na saúde da população. “O derrame é a quinta causa de morte e uma das maiores causas de incapacitação nos Estados Unidos”, diz.

LEIA TAMBÉM: Revolução agrícola: conheça Vegebot, o robô colhedor

De acordo com o pesquisador, se um derrame é tratado nos primeiros 90 minutos, a taxa de sobrevivência do paciente pode aumentar significativamente. “Se pudermos desenvolver um dispositivo capaz de reverter o bloqueio nos vasos sanguíneos nesse período crucial, poderíamos, potencialmente, evitar um dano cerebral permanente. Essa é nossa esperança”, disse Zhao em comunicado.

Para desobstruir coágulos no cérebro, normalmente os médicos realizam uma cirurgia minimamente invasiva na qual o cirurgião inserte um cateter fino através de uma artéria principal, geralmente pela perna ou virilha. Usando imagens de raio X como guia, o médico rotaciona manualmente o cateter até o vaso danificado. Medicamentos anticoagulantes também podem ser administrados na região afetada através do cateter.

O novo filamento desenvolvido pelo MIT poderia aprimorar esse tipo de procedimento.