Cientistas encontram sangue líquido em potro de 42 mil anos

Animal está em uma condição impressionante, sem qualquer dano visível e com órgãos e tecidos musculares excepcionalmente bem preservados

Potro de 42 mil anos de idade é encontrado no permafrost russo / Foto: Universidade Federal do Nordeste de Yakutsk
Potro de 42 mil anos de idade é encontrado no permafrost russo / Foto: Universidade Federal do Nordeste de Yakutsk

Pesquisadores encontraram o “sangue mais antigo do mundo”. O líquido foi extraído por cientistas da Universidade Federal do Nordeste de Yakutsk, na Rússia, de um potro encontrado no permafrost russo, e que é o animal da Idade do Gelo mais bem preservado já achado no mundo. O potro foi encontrado na depressão Batagai, na República de Sakha, uma divisão federal que faz parte da Rússia.

Segundo reportagem do jornal Siberian Times, o potro, que morreu com uma ou duas semanas de vida,

De acordo com Semyon Grigoryev, chefe do Museu Mamute em Yakutsk, a autópsia do potro mostrou que os órgãos internos estão incrivelmente preservados, com tecidos musculares exibindo sua cor natural avermelhada.

O cabelo e os pelos do potro também estão intactos em sua cabeça, pernas e parte de seu corpo. Para os cientistas, essa característica é impressionante, já que todos os cavalos antigos anteriores foram encontrados sem pelos.

Potro de 42 mil anos de idade é encontrado no permafrost russo / Foto: Universidade Federal do Nordeste de Yakutsk
Potro de 42 mil anos de idade é encontrado no permafrost russo / Foto: Universidade Federal do Nordeste de Yakutsk

As amostras de sangue foram retiradas de vasos cardíacos. O sangue se manteve preservado no estado líquido por tanto tempo graças às condições de enterro favoráveis ​​e ao permafrost, tipo de solo da região do Ártico que é constituído por terra, gelo e rochas permanentemente congelados.

Potro de 42 mil anos de idade é encontrado no permafrost russo / Foto: Universidade Federal do Nordeste de Yakutsk
Potro de 42 mil anos de idade é encontrado no permafrost russo / Foto: Universidade Federal do Nordeste de Yakutsk

Segundo Grigoryev, a descoberta é extremamente rara para descobertas paleontológicas, porque muitas delas são incompletas, fragmentadas, com deformações corporais graves ou fortemente mumificadas.

Os cientistas acreditam que o potro tenha morrido por afogamento em lama, já que esse material e sedimentos foram encontrados dentro de seu trato gastrointestinal. A lama se congelou e, posteriormente, se transformou em permafrost.

Potro de 42 mil anos de idade é encontrado no permafrost russo / Foto: Universidade Federal do Nordeste de Yakutsk
Potro de 42 mil anos de idade é encontrado no permafrost russo / Foto: Universidade Federal do Nordeste de Yakutsk

A descoberta também aumenta as esperanças dos cientistas de trazer espécies extintas de volta à vida. Os pesquisadores já indicaram que pretendem tentar extrair células do potro para clonar a sua espécie, a extinta raça Lenskaya.

O potro vai ser exibido na exposição “Mamute”, no Japão, a partir de junho deste ano. Também será mostrado no evento o único tronco de mamute congelado do mundo, uma carcaça de búfalo Yukagir, uma antiga perdiz e um cavalo Batagai.

A pesquisa que revelou o sangue do potro foi realizada em parceria com a Fundação de Pesquisa Biotecnológica Sooam da Coréia do Sul.

COMPARTILHAR