Cientistas estudam enigma de ossada feminina em mosteiro masculino grego

Desde o século 10 mulheres são proibidas de entrar na península onde fica o Monte Atos, no norte da Grécia

Um dos mosteiros da península do Monte Atos: área vedada a mulheres. Crédito: Max Pixel

Especializada no estudo de ossadas humanas, a antropóloga americana Laura Wynn-Antikas defrontou-se recentemente com um mistério inesperado, segundo o jornal inglês “The Guardian”. Chamada para examinar um material encontrado sob o chão de pedra de uma capela bizantina na área de mosteiros exclusivamente masculinos do Monte Atos, no norte da Grécia, ela deparou com alguns ossos tão pequenos que tinham pouca semelhança com ossos de homens.

“Entre eles estavam um antebraço, uma canela e um sacro que eram bem diferentes em sua morfologia”, declarou ela. “Enquanto os outros [ossos] eram mais robustos e claramente pertenciam aos esqueletos de homens, esses tinham medições que visivelmente se encaixavam no âmbito de uma mulher. Eles eram marcadamente diferentes em tamanho.”

Os ossos em questão eram claramente de um enterro secundário, embora tivessem sido transferidos dos túmulos originais com o máximo cuidado. O mosteiro de Pantokrator, onde fica a capela de Santo Atanásio, local da descoberta, solicitou que as amostras sejam submetidas a datação por radiocarbono. “Se estamos falando de uma mulher, ou de mais de uma mulher, isso suscitará muitas perguntas”, disse Wynn-Antikas. “Começando com quem ela poderia ter sido.”

LEIA TAMBÉM: Fazendeiro russo encontra ossadas de 2.500 anos nas suas terras

O Monte Atos está situado numa península de 400 quilômetros quadrados considerada desde 1988 patrimônio mundial da Unesco. O território é também uma entidade política autônoma da Grécia, governada por um Conselho Teocrático da Igreja Ortodoxa Grega.

Veto ao feminino

Desde o século 10, quando a comunidade monástica do Monte Atos foi criada, as mulheres são proibidas de entrar e circular na península e no litoral circundante. Até as fêmeas (com exceção dos gatos) são proibidas. Na prática, a legislação da União Europeia que impede a proibição de mulheres não está em vigor ali. Os cerca de 2.500 monges locais, que vivem em cavernas, barracos e nos 20 mosteiros espalhados pela península só aceitam a Virgem Maria como presença feminina.

“Se uma mulher foi encontrada entre os ossos, será o primeiro incidente conhecido de uma mulher que encontra seu local de descanso final no Monte Atos”, disse o arquiteto restaurador Phaidon Hadjiantoniou, que descobriu os restos mortais enquanto conduzia a conservação na capela. “Há momentos, em ataques piratas e incursões hostis, em que os monges abriram suas portas para as mulheres, mas isso é muito raro. (…) Há uma história famosa de um rei sérvio que levou sua esposa a Atos, mas ela foi carregada e nunca foi autorizada a pisar em solo de Athonita. Tapetes foram colocados em todas as salas do mosteiro para garantir que, mesmo lá, ela não tocasse o chão.”

Hadjiantoniou já supervisiona obras de restauração na região há quase 40 anos, e durante esse tempo nunca havia encontrado ali algo assim. “É a primeira vez que vejo ossos colocados sob o chão da capela”, disse ele. “Fiquei imediatamente curioso e entrei em contato com especialistas, incluindo Laura. O certo é que [os ossos] não estariam lá se essas pessoas não fossem importantes para o mosteiro.”

Pessoas importantes

Pelo menos sete indivíduos foram enterrados no local, segundo Wynn-Antikas, que disse que, embora nenhum crânio tenha sido encontrado no poço, sete mandíbulas estavam presentes. “Enterros secundários, como este, não são fáceis porque os ossos foram removidos do enterro original, de modo que as informações foram perdidas”, observou ela. “Mas também nos dizem que essas pessoas eram importantes o suficiente para desenterrar um andar em uma igreja importante e colocá-las lá. Isso exige muito esforço dos vivos.”

Por que eles foram removidos de seu local de descanso original permanece um mistério. Também chamou a atenção dos pesquisadores o cuidado com o qual os restos esqueléticos foram transferidos. Ossos menores (incluindo três cartilagens ossificadas da tiroide), que poderiam facilmente ter sido esquecidos ou negligenciados, estavam entre os fragmentos.

“Assim que conseguirmos a datação, outra peça do quebra-cabeça será resolvida”, disse a antropóloga. “Será crucial para nos fornecer informações sobre quem eram essas pessoas”.

Os ossos foram embrulhados em papel alumínio, depositados em caixas de papelão duro e transportados para o centro de pesquisa Demokritos, em Atenas, onde permanecerão permanecerão enquanto Yannis Maniatis, principal arqueólogo grego, faz a datação para determinar quando a pessoa morreu.

“É provável que todo o processo leve três meses”, disse Maniatis. “Mas se pudermos datar os ossos para um momento relevante para eventos específicos e conhecidos, então o teste de DNA será necessário para confirmar se, como parece provável, uma mulher está entre os enterrados.”