Cientistas exploram os mecanismos do envelhecimento

Taxas de desregulação fisiológica são muito mais lentas em humanos do que em primatas, descobriram os pesquisadores

Envelhecimento físico humano: pesquisadores constataram um amplo padrão típico entre ambientes e culturas. Crédito: Piqsels

As taxas de mortalidade, como se sabe, aumentam com a idade. Quer a pessoa viva em Tóquio, na zona rural de Minas Gerais ou nas florestas de Papua, Nova Guiné, quanto mais velha ela for, maior será a probabilidade de sucumbir a uma série de doenças diferentes.

Mas como, exatamente, nossos corpos suportam a idade, e em que medida as pessoas ao redor da palavra experimentam o envelhecimento fisiológico de maneiras diferentes?

Em um artigo publicado em uma edição especial da revista “Philosophical Transactions of the Royal Society B”, uma equipe de antropólogos que incluiu Michael Gurven, professor de antropologia na Universidade da Califórnia em Santa Bárbara e presidente da Unidade de Ciências Antropológicas Integrativas do câmpus, e Thomas Kraft, pesquisador de pós-doutorado no mesmo departamento, construiu uma medida composta de “desregulação fisiológica” e a comparou entre as populações humanas e outras espécies. A edição temática explora a evolução do envelhecimento entre os primatas.

LEIA TAMBÉM: O que você quer ser quando envelhecer?

A desregulação fisiológica se refere ao desgaste da capacidade do corpo de se recuperar do estresse, danos ou outras adversidades. Os exemplos incluem como o corpo pode se tornar gradualmente menos capaz de regular adequadamente o açúcar no sangue ou pode gerar uma resposta imunológica inadequada que não se dissipa quando a ameaça passa (danificando, assim, as células do próprio corpo). Esse declínio na resiliência é frequentemente considerado fundamental para o envelhecimento.

Quarenta biomarcadores

“Só agora podemos começar a reunir dados sobre com o que o envelhecimento fisiológico se parece holisticamente em populações de subsistência de coletores e agricultores”, disse Kraft, autor principal do artigo. “Primeiramente construímos uma métrica abrangente de desregulação fisiológica em humanos, depois a comparamos com outros primatas. Não é apenas o caso de que as taxas de mortalidade adulta são mais baixas em humanos; as taxas de desregulação fisiológica são muito mais lentas em humanos também.”

Por quase duas décadas, o Projeto de História de Vida e Saúde Tsimane tem coletado um grande número de medidas de saúde e envelhecimento (chamadas de biomarcadores) entre os tsimanes, uma população indígena de horticultores-coletores da Amazônia boliviana. Estes variam desde as medidas típicas que podem ser tomadas durante um exame físico regular – pressão arterial, colesterol e nível de glicose no sangue – a indicadores como força de preensão, vários marcadores imunológicos para inflamação e densidade mineral óssea.

No geral, o estudo atual inclui 40 biomarcadores entre 5.658 adultos espalhados por 22.115 observações. “Isso o torna um dos únicos estudos longitudinais abrangentes de saúde em uma população que vive um estilo de vida muito diferente do que nos países urbanos industrializados, onde a maioria dos estudos ocorre”, disse Kraft.

“Embora qualquer biomarcador único dê um instantâneo de apenas uma pequena parte da saúde, o que fizemos foi combinar informações de muitos biomarcadores simultaneamente – tanto os níveis desses marcadores quanto a extensão em que eles estão ligados – em uma única métrica”, continuou Kraft. “Essa métrica resumida oferece um retrato holístico da ‘idade biológica’ de uma pessoa, medindo o quão ‘estranhos’ os biomarcadores combinados de uma pessoa são em relação a um subconjunto saudável da população.”

Padrão típico

Gurven, codiretor do Projeto de História de Vida e Saúde Tsimane, observou: “Nos Estados Unidos e em muitos outros países hoje, temos mais probabilidade de morrer de doenças cardíacas, câncer, diabetes e outras ‘doenças crônicas do envelhecimento’. Mas entre os tsimanes e outras populações que vivem estilos de vida semelhantes, essas doenças crônicas são raras. A desregulação fisiológica ocorre na mesma taxa neste contexto muito diferente?”

Para responder a essa pergunta, a equipe comparou os tsimanes com outras populações humanas. “Onde as taxas de mortalidade de adultos são altas, podemos esperar que o envelhecimento de nossos corpos ocorra mais rapidamente, acompanhando de perto o maior aumento na mortalidade com a idade”, explicou Gurven. “Outra possibilidade – e uma meta para muitos de nós – é manter corpos saudáveis ​​pelo tempo que pudermos, e então ter tudo desmoronando próximo ao momento final de nossa morte.”

Os pesquisadores descobriram que, apesar de um estilo de vida muito diferente daquele das populações urbanas pós-industrializadas, como as dos EUA e da Itália, e apesar das taxas de mortalidade mais altas durante a vida adulta, os adultos tsimanes mostram taxas apenas marginalmente mais altas de aumento na desregulação fisiológica entre os tsimanes.

“Nosso primeiro vislumbre sugere um amplo padrão típico de envelhecimento físico entre ambientes e culturas”, disse Gurven. “Isso é um pouco surpreendente porque os tsimanes têm níveis muito baixos de doenças crônicas na idade avançada. Mas os tsimanes estão expostos a condições mais adversas, incluindo o trabalho árduo de cuidar dos campos, doenças tropicais e acesso mínimo a cuidados de saúde.”

Poucas mudanças

Kraft acrescentou: “Também encontramos semelhanças na desregulação fisiológica entre mulheres e homens tsimanes, apesar das evidências em muitas populações mostrando que os homens geralmente envelhecem mais rapidamente e têm maior probabilidade de morrer do que as mulheres na maioria das idades”.

Como Gurven observou, é impossível entender a desregulação e o envelhecimento sem saber como as diferentes partes do corpo funcionam ao longo do tempo. “E, até o momento, temos pouco conhecimento de como isso parecia em uma população como a tsimane”, disse ele. “No entanto, as condições em que nos encontramos hoje, em que mais da metade da população global vive em cidades, são apenas um pequeno ponto na longa história de nossa espécie. Grupos como o tsimane oferecem alguns dos melhores vislumbres para nossa compreensão do envelhecimento anterior à industrialização e à urbanização.”

Dito isso, os pesquisadores reconhecem rapidamente que seu índice ainda é apenas um composto estatístico. “Não é um modelo de rede complexo que mostra como tudo está relacionado a todo o resto”, disse Gurven. O que é incrível, ele acrescentou, é que as estimativas globais de desregulação fisiológica não mudam muito depois que as informações de cerca de 15 biomarcadores são integradas.

“Biomarcadores adicionais dizem pouco a você, e pode até não importar quais biomarcadores você olha uma vez que atinge cerca de 20. Isso parece sugerir que estamos capturando algo sobre todo o sistema”, explicou ele. “E qualquer biomarcador único é fracamente correlacionado com nosso índice global. Mas aprenderemos muito mais sobre o que significa e como pode ser importante, uma vez que possamos vincular a desregulação a resultados úteis, como desempenho funcional, estados de doença e a probabilidade de morrer.”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança