Cientistas querem ‘surfar’ iceberg gigante para estudar seu impacto

Objetivo é acompanhar as consequências do degelo do iceberg A-68A na cadeia alimentar baseada em fitoplânctons, como o krill

Iceberg A-68A no Mar de Weddell: mesmo depois de perdas consideráveis em área e volume, o bloco ainda é uma ameaça para a biodiversidade da área onde ele está. Crédito: Henry Páll Wulff/Wikimedia Commons

Pesquisadores britânicos estão montando uma expedição para acompanhar os últimos momentos do iceberg A-68A. Neste momento, o bloco gigante flutua nas proximidades das Ilhas Geórgia do Sul, a 2 mil quilômetros a leste da extremidade da Patagônia argentina.

O iceberg tinha quase 6.000 km2 quando se desprendeu da plataforma Larsen C, na Antártida. Mesmo tendo perdido metade da sua área e dois terços do seu volume, o A-68A ainda pode causar danos.

Os pesquisadores querem acompanhar o impacto do degelo na cadeia alimentar baseada em fitoplânctons, como o krill. Águas momentaneamente mais frias podem alterar significativamente a população de krill e, daí, a população de focas, pinguins e baleias que dele se alimenta. Robin McKie escreveu a respeito no “The Guardian”.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago