Cientistas reconstroem nível do mar ao longo de 6,5 milhões de anos

Estudo revela variações no nível do mar ocorridas em períodos interglaciais anteriores, quando nosso planeta era mais quente do que hoje

Costa de Maiorca: cavernas da ilha guardam informações sobre a variação do nível do mar milhões de anos atrás. Crédito: Universidade do Sul da Flórida

A preocupação urgente representada pelo aumento do nível do mar criou uma necessidade crítica para os cientistas preverem com precisão a rapidez com que os oceanos irão subir nos próximos séculos. Para obter informações sobre a estabilidade futura do manto de gelo e o aumento do nível do mar, uma pesquisa de uma equipe internacional liderada por geocientistas da Universidade do Sul da Flórida (USF, nos EUA) está se baseando em evidências de períodos interglaciais anteriores, quando o clima da Terra era mais quente do que hoje.

Usando depósitos nas cavernas da ilha mediterrânea de Maiorca (Espanha), conhecidos como supercrescimentos freáticos em espeleotemas, para reconstruir as posições anteriores do nível do mar, a equipe conseguiu determinar que a extensão vertical desses depósitos únicos corresponde à amplitude do lençol freático flutuante, disse o professor de geociências da USF e autor do estudo Bogdan Onac. Essa determinação agora está fornecendo aos cientistas uma maneira de medir com precisão os níveis do mar anteriores.

Trabalhando com colegas das universidades do Novo México, Colúmbia (EUA) e das Ilhas Baleares (Espanha), os pesquisadores divulgaram suas descobertas na revista “Scientific Reports”. Em seu projeto, a equipe de geociências documentou a variação e o tempo do nível do mar durante os principais intervalos de tempo dos últimos 6,5 milhões de anos, para os quais as estimativas do nível do mar médio global têm sido altamente incertas.

Pesquisa ampliada

Seus resultados contribuem para a compreensão dos períodos quentes anteriores e para obter uma visão sobre a magnitude e a frequência do aumento do nível do mar, fundamental para a capacidade dos cientistas de prever e fazer recomendações sobre a adaptação ao aquecimento global futuro.

A equipe expandiu sua pesquisa publicada anteriormente na revista “Nature”, que investigou amostras entre 800 mil e 6,5 milhões de anos. Usando depósitos de várias cavernas de Maiorca e aplicando modelos numéricos e estatísticos para estimar as correções para ajuste isostático glacial e elevação de longo prazo, eles traduziram as estimativas do nível do mar local em nível médio do mar global (GMSL).

Os resultados mostram que durante os principais eventos de tempo, como a transição Plioceno-Pleistoceno, quando a Terra passou por uma grande transição dos climas quentes do Plioceno para as eras glaciais do Pleistoceno, o GMSL ficou em 6,4 metros. Durante o início e o final da transição do Pleistoceno Médio, o nível do mar estava em -1,1 metro e 5 metros, respectivamente.

Queda significativa

“No geral, nossos resultados apoiam que o nível do mar caiu significativamente após o Plioceno”, disse a doutoranda da USF Oana Dumitru, autora principal do estudo e atualmente pós-doutoranda no Observatório Terrestre Lamont-Doherty, da Universidade Columbia.

O pesquisador Angel Ginés, da Universidade das Ilhas Baleares em Maiorca, observa 3,3 milhões de anos de supercrescimento freático em espeleotemas. Crédito: Universidade do Sul da Flórida

Os autores também mostram que o nível do mar local antes e no início da crise de salinidade messiniana, um grande evento geológico durante o qual o Mar Mediterrâneo quase secou parcialmente, estava aproximadamente 33 metros acima do nível atual. Essas estimativas podem oferecer pontos de partida para avaliar se a redução do nível do mar no Mediterrâneo Ocidental aconteceu de forma gradual ou rápida, disseram os pesquisadores.

“Nossas estimativas são instantâneos importantes do nível do mar ainda de pé, mas pontos adicionais de índice do nível do mar serão úteis para fornecer mais contexto para nossos resultados”, escreveu a equipe em seu artigo. “Esses resultados, portanto, contribuem para os esforços de estudar os períodos quentes anteriores a fim de obter uma visão sobre a magnitude e a frequência do aumento do nível do mar.”

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago