Cientistas revelam como supervulcão submarino nasceu na costa da África

Fenômeno está ligado ao esvaziamento de um dos maiores reservatórios de magma ativos descobertos no manto superior da Terra

Praia em Mayotte: abaixo da superfície, uma imensa turbulência geológica aconteceu na região em 2018. Crédito: Frédéric Ducarme/Wikimedia

Pesquisadores descobriram como um enorme vulcão submarino foi formado em 2018 nas ilhas Mayotte (arquipélago das Comores), no Oceano Índico, em 2018. Uma equipe internacional liderada pela cientista Simone Cesca, do Centro Alemão de Pesquisas em Geociências (GFZ, na sigla em alemão), está reconstruindo o esvaziamento parcial de um dos maiores e mais profundos reservatórios de magma ativos já descobertos no manto superior da Terra. O estudo foi publicado na revista “Nature Geoscience”.

Desde maio de 2018, uma sequência incomum de terremotos foi registrada na costa das ilhas Mayotte, entre a África e Madagascar. A atividade sísmica começou com milhares de terremotos “aparentemente tectônicos”, culminando em um sismo de magnitude 5,9 em maio de 2018.

A partir de junho de 2018, no entanto, uma forma completamente nova de sinal de terremoto surgiu tão forte que poderia ser registrada a até mil quilômetros de distância. Esses sinais de 20 a 30 minutos de comprimento são caracterizados por frequências particularmente harmônicas, baixas, quase monocromáticas, semelhantes a uma campainha grande ou um contrabaixo. Eles recebem o nome de sinais de período muito longo (VLP, na sigla em inglês).

LEIA TAMBÉM: Arquipélago submerso com praia e rio é achado no Rio Grande do Sul

Suspeita confirmada

Embora o centro da atividade sísmica estivesse localizado a quase 35 quilômetros da costa leste da ilha, um movimento contínuo de rebaixamento e deslizamento para leste da superfície da Terra em Mayotte havia começado enquanto se iniciavam os numerosos eventos de VLP, acumulando quase 20 cm até o momento.

Embora não houvesse evidência de atividade vulcânica anterior no epicentro da atividade sísmica, os cientistas do GFZ suspeitavam de processos magmáticos desde o início – múltiplos terremotos na crosta superior que frequentemente surgem como uma reação ao aumento do magma e dos VLPs nos anos anteriores foram associados ao colapso de grandes vulcões de caldeira.

O conteúdo especial de frequência dos sinais VLP é causado pela oscilação de ressonância da câmara de magma enterrada. Quanto mais profundas as vibrações, maior o reservatório de magma. No entanto, os enxames de terremotos sob o fundo do oceano eram muito mais profundos do que com outros vulcões e os tons de ressonância das VLPs eram extraordinariamente baixos e fortes.

A equipe de Simone Cesca analisou dados sismológicos e geodésicos da região para estudar essas observações e sua evolução ao longo do tempo. Foram identificadas diferentes fases da atividade na sequência de eventos de maio de 2018 a hoje.

Canal aberto

A fase inicial da série de terremotos indicou um rápido movimento ascendente do magma de um reservatório profundo do manto, a mais de 30 quilômetros abaixo da superfície da Terra. Depois que um canal se formou entre o manto e o fundo do mar, o magma começou a fluir sem obstáculos e a formar um novo vulcão subaquático. Oceanógrafos franceses confirmaram recentemente o nascimento do vulcão submarino, cuja localização coincide com o aumento do magma reconstruído.

Nessa fase, a atividade tectônica aparente do terremoto diminuiu novamente, enquanto o rebaixamento do solo na ilha de Mayotte começou. Da mesma forma, sinais VLP monofrequentes de longa duração foram iniciados. “Interpretamos isso como um sinal do colapso da câmara profunda de magma na costa de Mayotte”, explicou Eleonora Rivalta, coautora do estudo. “É o reservatório de magma mais profundo (cerca de 30 km) e maior do manto superior (mais de 3,4 quilômetros cúbicos) até o momento, que está começando a se esvaziar abruptamente.”

Torsten Dahm, chefe da seção de Física de Terremotos e Vulcões do GFZ, acrescentou: “Como o fundo do mar fica três quilômetros abaixo da superfície da água, quase ninguém notou a enorme erupção. No entanto, ainda existem possíveis riscos para a ilha de Mayotte hoje, já que a crosta terrestre acima do reservatório profundo pode continuar em colapso, provocando terremotos mais fortes”.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança