• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Curiosidades26/05/2022

Cipreste do Chile pode ser a árvore mais antiga do mundo, sugere estudo

Parte do tronco do cipreste Bisavô: idade da árvore ainda não é conhecida com precisão, mas com certeza ela passa de 5 mil anos. Crédito: Yiyo Zamorano/Wikimedia Commons

26/05/22 - 12h57min - Atualizado em 26/05/22 - 12h57min

Uma conífera da Patagônia chilena apelidada “Bisavô”, com um tronco de 4 metros de espessura, pode ser a árvore viva mais antiga do mundo, acreditam cientistas chilenos citados pelo jornal The Guardian. A nova recordista superaria a campeã anterior em mais de 600 anos.

A informação vem de um novo estudo realizado por Jonathan Barichivich, do Laboratório de Ciências Climáticas e Ambientais de Paris. O “Bisavô”, um cipreste patagônico (Fitzroya cupressoides, também conhecido em espanhol como alerce milenario), poderia ter até 5.484 anos de idade.

Essa conífera, nativa do sul do Chile e da Argentina, pertence à mesma família das sequoias. As árvores crescem bem vagarosamente e podem chegar a 45 metros de altura.

Cálculos por computador

Barichivich visitava o Bisavô ainda quando criança, e em 2020 perfurou a árvore para colher uma amostra, mas não conseguiu atingir o núcleo. Recorreu então a modelos de computador para considerar fatores ambientais e variação aleatória a fim de identificar sua idade.

A estimativa fornecida agora ainda poderá ser retificada: Barichivich não concluiu a contagem dos anéis de crescimento da árvore, e por isso ainda não publicou o resultado numa revista científica, o que espera fazer nos próximos meses. Se as previsões forem confirmadas, o Bisavô superará o recorde de “Methuselah”, um pinheiro bristlecone californiano de 4.853 anos.

A possível nova recordista está em um vale fresco e úmido no Parque Nacional Alerce Costero. Suas fendas retorcidas estão ocupadas por musgos, líquens e outras plantas. Os visitantes podem se aproximar dela, o que, segundo Barichivich, está causando prejuízos à árvore. A área também está ficando mais seca em virtude das mudanças climáticas.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

Alerce