Clima mudou tamanho do corpo humano – e, em certa medida, do cérebro

Estudo mostra que corpos maiores evoluíram em regiões mais frias, mas o mesmo não ocorreu exatamente em relação ao cérebro

Reconstituição de Homo sapiens antigo no Museu de História Natural de Viena: tamanho do corpo influenciado pelo clima. Crédito: Wolfgang Sauber/Wikimedia Commons

Uma equipe interdisciplinar de pesquisadores, liderada pelas universidades de Cambridge (Reino Unido) e Tübingen (Alemanha), reuniu medidas do tamanho do corpo e do cérebro para mais de 300 fósseis do gênero Homo encontrados em todo o mundo. Ao combinarem esses dados com uma reconstrução dos climas regionais do mundo nos últimos milhões de anos, eles identificaram o clima específico experimentado por cada fóssil quando era um ser humano vivo. Esses resultados foram publicados na revista Nature Communications.

O estudo revela que o tamanho médio do corpo dos humanos flutuou significativamente nos últimos milhões de anos, com corpos maiores evoluindo em regiões mais frias. Acredita-se que o tamanho maior atue como um amortecedor contra as temperaturas mais frias: menos calor é perdido de um corpo quando sua massa é grande em relação à sua área de superfície.

Nossa espécie, Homo sapiens, surgiu há cerca de 300 mil anos na África. O gênero Homo existe há muito mais tempo e inclui os neandertais e outras espécies relacionadas extintas, como o Homo habilis e o Homo erectus.

Um traço definidor da evolução de nosso gênero é uma tendência de aumento do tamanho do corpo e do cérebro. Em comparação com espécies anteriores, como o Homo habilis, somos 50% mais pesados ​​e nossos cérebros são três vezes maiores. Mas o que motivou essas mudanças permanece em intenso debate.

Principal impulsionador

“Nosso estudo indica que o clima – particularmente a temperatura – tem sido o principal impulsionador das mudanças no tamanho do corpo nos últimos milhões de anos”, disse a professora Andrea Manica, pesquisadora do Departamento de Zoologia da Universidade de Cambridge que liderou o estudo.

Ela acrescentou: “Podemos ver pelas pessoas que vivem hoje que aqueles em climas mais quentes tendem a ser menores, e aqueles que vivem em climas mais frios tendem a ser maiores. Agora sabemos que as mesmas influências climáticas estiveram em ação nos últimos milhões de anos.”

Os pesquisadores também analisaram o efeito de fatores ambientais no tamanho do cérebro do gênero Homo, mas as correlações eram geralmente fracas. O tamanho do cérebro tendia a ser maior quando o Homo vivia em habitats com menos vegetação, como estepes abertas e pastagens, mas também em áreas ecologicamente mais estáveis. Em combinação com dados arqueológicos, os resultados sugerem que as pessoas que viviam nesses habitats caçavam animais de grande porte como alimento – uma tarefa complexa que pode ter impulsionado a evolução de cérebros maiores.

Crânios e suas dimensões: esquerda – Amud 1, Neandertal, 55 mil anos atrás, cerca de 1.750 cm³; centro – Cro Magnon, Homo sapiens, 32 mil anos atrás, cerca de 1.570 cm³; direita – Atapuerca 5, Homo do Pleistoceno Médio, 430 mil anos atrás, cerca de 1.100 cm³. Fêmures: em cima – Homo do Pleistoceno Médio, Trinil, 540 mil anos atrás, cerca de 50 kg; embaixo – Neandertal, La Ferrassie 1, 44 mil anos atrás, cerca de 90 kg. Crédito: Manuel WillCrânios e suas dimensões: esquerda – Amud 1, Neandertal, 55 mil anos atrás, cerca de 1.750 cm³; centro – Cro Magnon, Homo sapiens, 32 mil anos atrás, cerca de 1.570 cm³; direita – Atapuerca 5, Homo do Pleistoceno Médio, 430 mil anos atrás, cerca de 1.100 cm³. Fêmures: em cima – Homo do Pleistoceno Médio, Trinil, 540 mil anos atrás, cerca de 50 kg; embaixo – Neandertal, La Ferrassie 1, 44 mil anos atrás, cerca de 90 kg. Crédito: Manuel Will
Pressões evolutivas diferentes

“Descobrimos que diferentes fatores determinam o tamanho do cérebro e do corpo – eles não estão sob as mesmas pressões evolutivas. O ambiente tem uma influência muito maior no tamanho do nosso corpo do que o tamanho do nosso cérebro”, disse o dr. Manuel Will, da Universidade de Tübingen, primeiro autor do estudo.

Ele acrescentou: “Há uma influência ambiental indireta no tamanho do cérebro em áreas mais estáveis ​​e abertas: a quantidade de nutrientes adquirida do meio ambiente tinha que ser suficiente para permitir a manutenção e o crescimento de nossos cérebros grandes e particularmente exigentes de energia.”

Esta pesquisa também sugere que os fatores não ambientais foram mais importantes para impulsionar cérebros maiores do que o clima. Os principais candidatos são os desafios cognitivos adicionais de vidas sociais cada vez mais complexas, dietas mais diversificadas e tecnologia mais sofisticada.

Os pesquisadores dizem que há boas evidências de que o tamanho do corpo humano e o do cérebro continuam a evoluir. O físico humano ainda está se adaptando a diferentes temperaturas, com pessoas de corpo maior em média vivendo em climas mais frios hoje. O tamanho do cérebro em nossa espécie parece ter diminuído desde o início do Holoceno (cerca de 11.650 anos atrás). A crescente dependência da tecnologia, como a terceirização de tarefas complexas para computadores, pode fazer com que o cérebro encolha ainda mais nos próximos milhares de anos.

“É divertido especular sobre o que acontecerá com o tamanho do corpo e do cérebro no futuro. Mas devemos ter cuidado para não extrapolar muito com base nos últimos milhões de anos porque muitos fatores podem mudar”, disse Manica.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago