Como as memórias se formam e desaparecem?

Elas duram mais se um grande número de neurônios trabalha em conjunto para codificá-las, mostra um estudo americano

Na velhice, as memórias tendem a ser codificadas por menos neurônios. Foto: Max Pixel

Por que certas memórias permanecem estáveis ​​ao longo de décadas na nossa mente, enquanto outras desaparecem em questão de minutos? Um estudo americano publicado recentemente na revista “Science” explica a razão disso. O trabalho ajuda a entender como a memória pode ser afetada após danos cerebrais, como acidente vascular cerebral (AVC) ou doença de Alzheimer.

Usando camundongos como modelo animal, pesquisadores do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech) descobriram que memórias fortes e estáveis são codificadas por “equipes” de neurônios, todos disparando em sincronia. O processo fornece uma redundância que permite que essas memórias persistam com o tempo.

LEIA TAMBÉM: Memória saudável está relacionada a aprender novas atividades

Trabalhando no laboratório do professor Carlos Lois sob a liderança do aluno de pós-doutorado Walter Gonzalez, a equipe desenvolveu um teste para examinar a atividade neural dos ratos à medida que eles aprendem e se lembram de um novo lugar.

No teste, um camundongo foi colocado em um recinto reto com paredes brancas e cerca de 1,5 metro de comprimento. Símbolos específicos marcavam locais diferentes ao longo das paredes.

Atividade no hipocampo

Os pesquisadores puseram água de açúcar (um tratamento para camundongos) em cada extremidade da pista. Enquanto o animal explorava o lugar, sua atividade de neurônios específicos no hipocampo (a região do cérebro onde novas memórias são formadas), conhecidos por codificar os lugares, era medida.

Ao ser colocado na pista, o camundongo não tinha certeza do que fazer e vagou para a esquerda e para a direita até encontrar a água açucarada. Nesses casos, os neurônios individuais foram ativados quando o animal notou um símbolo na parede. Ao longo de várias experiências com a pista, o roedor se familiarizou com ele e lembrou-se dos locais do açúcar.

À medida que o camundongo se tornava mais familiarizado com o ambiente, mais e mais neurônios eram ativados em sincronia vendo cada símbolo na parede. Essencialmente, o animal estava reconhecendo onde estava com relação a cada símbolo específico.

Para estudar como as memórias desaparecem com o tempo, os pesquisadores deixaram os camundongos longe da pista por até 20 dias. Ao voltarem à pista após esse intervalo, os ratos que formaram fortes memórias codificadas por um número maior de neurônios lembraram-se rapidamente da tarefa.

Embora alguns neurônios mostrassem atividade diferente, a memória do camundongo em relação à pista era claramente identificável ao analisar a atividade de grandes grupos de neurônios. Em outras palavras, o uso de grupos de neurônios permite que o cérebro tenha redundância e ainda evoque memórias, mesmo que alguns dos neurônios originais se calem ou sejam danificados.

Ajuda mútua

Gonzalez explica: “Imagine que você tenha uma longa e complicada história para contar. Para preservar a história, você poderia contá-la a cinco de seus amigos e, em seguida, reunir-se ocasionalmente com todos eles para relatar a história e ajudar uns aos outros a preencher todas as lacunas que um indivíduo tivesse esquecido. Além disso, cada vez que recontar a história, você poderia trazer novos amigos para aprender e, portanto, ajudar a preservar e fortalecer a memória. De forma análoga, seus próprios neurônios ajudam uns aos outros a codificar memórias que persistirão ao longo do tempo”.

A pesquisa sugere que as memórias podem desaparecer mais rapidamente à medida que envelhecemos porque são codificadas por menos neurônios. Se algum desses neurônios falhar, a memória será perdida. O trabalho propõe que projetar tratamentos capazes de impulsionar o recrutamento de um número maior de neurônios para codificar uma lembrança poderia ajudar a prevenir a perda de memória.

“Há anos as pessoas sabem que quanto mais você pratica uma ação, maior a chance de se lembrar dela mais tarde”, diz Lois. “Agora consideramos que isso é provável, porque quanto mais você pratica uma ação, maior o número de neurônios que a estão codificando. As teorias convencionais sobre armazenamento de memória postulam que tornar uma memória mais estável requer o fortalecimento das conexões de um neurônio específico. Nossos resultados sugerem que aumentar o número de neurônios que codificam a mesma memória permite que ela persista por mais tempo”.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança