Como as mulheres podem criar seu espaço sagrado

Mulheres sikhs reunidas em espaço no Templo Dourado em Amritsar (Caxemira): é importante estabelecer um espaço sagrado próprio. Foto: Wikimedia

O estímulo para as mulheres religarem-se a seu lado espiritual dado pela revivescência do feminino, a partir da última década do século 20, esbarrava num obstáculo: como montar um grupo de oração? A psicóloga Sherry Ruth Anderson e a escritora Patricia Hopkins, autoras de “A Face Feminina de Deus”: Desenvolvendo o Sagrado na Mulher, traçam um roteiro com os passos essenciais para criar esse círculo, cuja meta pode ir além das preces e meditações e ambicionar um desbravamento corajoso do mundo espiritual

 

Equipe Planeta

 

Yeshivot é o nome que os judeus dão aos aposentos em que seus religiosos se reúnem para estudar. De forma similar, outros cultos também formalizam certos recintos como específicos para determinadas atividades ritualísticas – mas, em geral, esses lugares são de uso exclusivo dos homens. Mulheres não entram ali – e, em tempos de ressurgência do feminino, tal atitude não poderia ficar sem algum tipo de resposta.

Enquanto preparavam seu livro “The Feminine Face of God” (lançado em 1992 pela Bantam Books, e traduzido no Brasil sob o título “A Face Feminina de Deus: Desenvolvendo o Sagrado na Mulher”), a psicóloga Sherry Ruth Anderson e a escritora Patricia Hopkins ouviram frequentemente de mulheres entrevistadas seu anseio por um lugar sagrado de reunião – um reduto que lhes servisse para orar, meditar, trocar experiências e apoio mútuo. Esse desejo, porém, ainda vinha marcado por uma apreensão típica de quem dá seus primeiros passos em solo desconhecido. “Estamos apenas nos desenvolvendo, encontrando nosso caminho, e precisamos de lugares seguros, calmos, profundos para fazer isso”, confessou-lhes uma professora espiritual.

Em seu livro, Sherry e Patricia descreveram a experiência de um pequeno círculo que iniciaram, o “Grupo de Orações de Terça-Feira à Noite”. Na época, suas componentes eram sete mulheres em diferentes estágios de desenvolvimento espiritual, que se reuniam a cada duas semanas, sempre às terças-feiras, para passar algum tempo orando, conversando entre si ou em silêncio. “Aprendemos que as verdades interiores vêm a nós não apenas enquanto nos sentamos juntas em silêncio, mas também enquanto ouvimos com toda a sinceridade cada uma de nós falar”, afirmam as autoras no artigo “Creating Sacred Places” (Noetic Sciences Review 27, outono de 1993).

 

LEIA TAMBÉM: Ser mulher

 

Ao longo dos dois anos seguintes à publicação do livro, as autoras receberam diversos pedidos para descrever como fundar um grupo como o seu. Elas enfim concordaram com a ideia depois de uma solicitação do Institute of Noetic Sciences para traçar em linhas gerais a formação de um círculo de orações e/ou de meditação (operacionalmente, elas não fazem distinção entre os dois termos). Sherry e Patricia antecipam um aviso: não é porque o roteiro de origem desses grupos é o mesmo que sua essência e energia se assemelharão. “(…) Sua estrutura e processo se desenvolverão em resposta às intenções, necessidades e expectativas de seus membros”, explicam. Portanto, se alguma das sugestões a seguir parecer irrelevante ou inapropriada às interessadas, as autoras recomendam simplesmente que ela seja ignorada. “Em vez disso, descubram suas próprias verdades e confiem nelas para levá-las a sua própria autenticidade como grupo”, ressaltam.

 

Instruções prévias

Em primeiro lugar, Sherry e Patricia recomendam que o grupo seja um lugar seguro para uma profunda harmonização e compartilhamento. “Quanto mais essa necessidade for honrada, mais autêntica e significativa se tornará a experiência do grupo com o passar do tempo”, afirmam. Vários fatores ajudam as participantes do círculo a se sentir mais íntimas e mutuamente seguras, a começar pelo número de membros – não mais do que sete é o recomendável. As escritoras também sugerem que não se aceitem novas integrantes depois que o núcleo do grupo foi constituído; dessa forma, dizem, constrói-se mais facilmente a confiança mútua. Por fim, as diretrizes para se garantir a discrição sobre os temas partilhados internamente devem ser debatidas e aceitas previamente. A frequência das reuniões também deve ser discutida antes, a fim de que, uma vez definida, não seja desrespeitada pelas integrantes.

 

Início

Definida a logística de funcionamento do grupo, Sherry e Patricia recomendam que o começo da reunião não envolva orações ou meditação, mas ouvir atentamente o que as outras têm a dizer – uma atitude repleta de força criativa, afirmam. Dessa forma, “(…) você para de viver a partir do centro de si mesma e, em vez disso, vive a partir da periferia, do exterior”. Essa audição ocorre de duas formas: quando as integrantes ouvem umas às outras ou quando ficam silenciosas. No Grupo de Orações de Terça-Feira à Noite, adotou-se o seguinte roteiro por vários anos:

* Check-in, durante o qual as integrantes contam umas às outras o que acontece em sua vida naquele momento.

* Prece ou meditação em silêncio.

* Troca de ideias ou comentários na prece comunitária.

* Encerramento.

Sherry e Patricia alertam, porém, que o roteiro não era seguido rigidamente (com exceção do encerramento), nem suas divisões tinham tempos iguais. Elas se adaptavam de acordo com as necessidades pessoais e grupais.

A simples exposição de dúvidas que afligem uma das participantes (por exemplo, a respeito de uma questão ética no ambiente de trabalho), submetida à audição silenciosa das demais, pode levar a primeira a encarar o problema de forma mais intuitiva e sábia do que antes. Ela tem esse processo reforçado no período de prece e meditação, que atua como um receptáculo para seus questionamentos e favorece uma perspectiva mais ampla da situação, possibilitando o surgimento de insights, compaixão e orientação espiritual. Por fim, as demais integrantes do grupo podem dar-lhe uma ajuda adicional ao incluí-la em suas preces ou meditações diárias.

Alguma participante pode se sentir tentada a dar conselhos enquanto a colega descreve seus problemas, mas essa atitude é desaconselhada pelas escritoras. “Um grupo de prece não é um grupo de terapia”, advertem. O apoio vem muito mais em compaixão e meditação do que em palavras. Há grupos em que as opiniões e sugestões sobre o tema em questão não sofrem bloqueios, mas os debates são desencorajados.

Para quem sempre foi serviu como ouvinte ou receptora das histórias de outras pessoas, colocar-se na posição inversa pode servir como uma revelação, dizem Sherry e Patricia. E o momento de ficar em silêncio abre ainda mais sua percepção. Madre Teresa de Calcutá disse certa vez que ouvir o silêncio de nosso próprio coração já é uma prece.

 

Orientações para tempos de diferenças

Qualquer grupo que envolva relações interpessoais próximas está sujeito a momentos de diferenças e conflitos. Para Sherry e Patricia, esses períodos podem trazer crescimento interior e mudanças proveitosas se forem enfrentados com a mente aberta. O que pode atrapalhar essa possibilidade é a crença de que as diferenças individuais não são “espirituais” e que o simples fato de vivenciá-las inviabiliza a participação da pessoa no círculo.

As escritoras sublinham a necessidade de que as integrantes do grupo sejam amáveis entre si. “Uma atitude de julgamento ou crítica, mesmo se não é verbalmente expressa, ainda assim é sentida, e como resultado as integrantes do círculo vão relutar em falar livremente”, explicam. Sob a alegação de não serem vistas como “espiritualizadas”, as pessoas podem conter sua raiva, seus risos ou suas lágrimas. O efeito final disso é um nivelamento por baixo da experiência do grupo, tanto no período do check-in quanto no do silêncio.

Para Sherry e Patricia, é no diálogo honesto com as outras integrantes do círculo sobre as discordâncias relacionadas aos sentimentos pessoais de conforto e segurança que o grupo pode crescer e transformar-se. Elas lembram a quem inicia a conversa que é sempre recomendável mencionar o quanto sua interlocutora é apreciada, ao lado da questão que a inquieta. Na experiência das autoras, tentar aparar as diferenças em grupos de duas ou três fora do local de reunião mina a possibilidade de o grupo crescer coletivamente com essa situação.

O grande progresso que vem dessas ocasiões, segundo Sherry e Patrícia, reside em que, a cada vez que as pessoas são suficientemente corajosas e honestas para permanecer com sua própria verdade e não julgar a das outras, mais consciência e amor brindam sua vida e seu grupo.

Uma forma de suavizar eventuais mal-estares provocados por essas discussões é preparar uma espécie de “código de intenções” do círculo, que pode ser revisto depois de intervalos previamente determinados. Alguns desses códigos são mais seletivos; outros, bem liberais, admitem pessoas dos mais variados tipos de comportamento.

Por vezes, certas integrantes podem sentir, depois de algumas semanas de existência do grupo, que não se “encaixam” nele. Segundo Sherry e Patricia, esse é um sentimento relativamente comum, e pode até persistir por meses. Se o círculo é confiável, a pessoa pode expressar esse medo, que será recebido compassivamente pelas outras participantes e “guardado na gaveta”.

Seguindo basicamente esse modelo, muitos grupos de prece têm surgido no Ocidente, e suas componentes não se limitam apenas a orações e meditação: aproveitam esse espaço sagrado também para abrir-se a novas possibilidades e descobertas. Sherry e Patricia encorajam essa atitude, e a esse respeito citam a dramaturga Naomi Newman em sua peça “Snake Talk: Urgent Messages from God the Mother”: “Agora vamos percorrer uma nova trilha – para cima e para baixo, para dentro e para fora, para a direita e para a esquerda, não em linha reta. Nada natural ou interessante segue numa linha reta. Na realidade, é o meio mais rápido de chegar ao lugar errado. (…) Não finja que você sabe para onde está indo; isso significa que você esteve lá e vai acabar exatamente no lugar de onde veio.”

blog comments powered by Disqus