Como as pandemias acabam? Quase nunca as doenças realmente somem

A história mostra que, em geral, as doenças infecciosas vêm para ficar

Peste Negra em Barcelona em 1821, em litogravura de Nicolas-Eustache Maurin: houve pelo menos três pandemias da doença nos últimos 5 mil anos. Crédito: Wellcome Collection gallery/Wikimedia

Quando a pandemia terminará? Em todos esses meses, com mais de 37 milhões de casos de covid-19 e mais de 1 milhão de mortes globalmente, você pode estar se perguntando, com crescente exasperação, por quanto tempo isso vai durar.

Desde o início da pandemia, epidemiologistas e especialistas em saúde pública usam modelos matemáticos para prever o futuro, em um esforço para conter a disseminação do coronavírus. Mas a modelagem de doenças infecciosas é complicada. Epidemiologistas alertam que “[modelos] não são bolas de cristal”, e mesmo versões sofisticadas, como aquelas que combinam previsões ou usam aprendizado de máquina, não conseguem necessariamente revelar quando a pandemia vai acabar ou quantas pessoas vão morrer.

Como historiadora que estuda doenças e saúde pública, sugiro que, em vez de procurar pistas, você pode olhar para trás para ver o que levou os surtos passados ​​ao fim – ou não.

LEIA TAMBÉM: Gripe de 1918: dez equívocos sobre a ‘maior pandemia da história’

Onde estamos agora no curso da pandemia

Nos primeiros dias da pandemia, muitas pessoas esperavam que o coronavírus simplesmente desaparecesse. Alguns argumentaram que ele desapareceria por conta própria com o calor do verão. Outros alegaram que a imunidade coletiva aumentaria assim que um número suficiente de pessoas fosse infectado. Mas nada disso aconteceu.

Uma combinação de esforços de saúde pública para conter e mitigar a pandemia – de testes rigorosos e rastreamento de contato ao distanciamento social e uso de máscaras – provou ajudar. Dado que o vírus se espalhou por quase todo o mundo, no entanto, essas medidas por si só não podem acabar com a pandemia. Todos os olhos agora estão voltados para o desenvolvimento de vacinas, que está sendo perseguido a uma velocidade sem precedentes.

No entanto, os especialistas nos dizem que mesmo com uma vacina bem-sucedida e um tratamento eficaz, a covid-19 pode nunca desaparecer. Mesmo que a pandemia seja contida em uma parte do mundo, provavelmente continuará em outros lugares, causando infecções. E mesmo que não seja mais uma ameaça imediata de nível pandêmico, o coronavírus provavelmente se tornará endêmico – o que significa que a transmissão lenta e sustentada persistirá. O coronavírus continuará a causar surtos menores, como a gripe sazonal.

A história das pandemias está repleta de exemplos frustrantes.

Uma vez que surgem, as doenças raramente acabam

Sejam bacterianos, virais ou parasitários, virtualmente todos os patógenos de doenças que afetaram as pessoas nos últimos milhares de anos ainda estão conosco, porque é quase impossível erradicá-los totalmente.

A única doença erradicada por meio da vacinação é a varíola. As campanhas de vacinação em massa lideradas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) nas décadas de 1960 e 1970 foram bem-sucedidas e, em 1980, a varíola foi declarada a primeira – e ainda a única – doença humana a ser totalmente erradicada.

Portanto, histórias de sucesso como a varíola são excepcionais. É antes a regra que as doenças vêm para ficar.

Tomemos, por exemplo, patógenos como a malária. Transmitida via parasita, ela é quase tão antiga quanto a humanidade e ainda hoje apresenta um pesado fardo de doenças: houve cerca de 228 milhões de casos de malária e 405 mil mortes em todo o mundo em 2018. Desde 1955, programas globais para erradicar a malária, auxiliados pelo uso de DDT e cloroquina, trouxeram algum sucesso, mas a doença ainda é endêmica em muitos países do hemisfério sul.

Edward Jenner vacina pacientes contra a varíola, em caricatura do século 18: a moléstia é a única infecciosa a ser considerada totalmente erradicada. Crédito: Wellcome Collection gallery/Wikimedia
Exposição constante a doenças infecciosas emergentes

Da mesma forma, moléstias como tuberculose, hanseníase e sarampo estão entre nós há vários milênios. E apesar de todos os esforços, a erradicação imediata ainda não está à vista.

Adicione a essa mistura patógenos relativamente mais jovens, como o HIV e o vírus ebola, junto com a influenza e os coronavírus, incluindo SARS, MERS e SARS-CoV-2, que causa covid-19, e o quadro epidemiológico geral se torna claro. Pesquisas sobre a carga global de doenças revelam que a mortalidade anual causada por doenças infecciosas – a maioria das quais ocorre no mundo em desenvolvimento – é quase um terço de todas as mortes no mundo.

Hoje, em uma era de viagens aéreas globais, mudanças climáticas e distúrbios ecológicos, estamos constantemente expostos à ameaça de doenças infecciosas emergentes, enquanto continuamos a sofrer de doenças muito mais antigas que permanecem vivas e bem.

Uma vez adicionada ao repertório de patógenos que afetam as sociedades humanas, a maioria das doenças infecciosas veio para ficar.

A peste causou pandemias passadas – e ainda aparece

Mesmo as infecções que agora têm vacinas e tratamentos eficazes continuam a ceifar vidas. Talvez nenhuma doença possa ajudar a ilustrar esse ponto melhor do que a peste bubônica, a doença infecciosa mais mortal da história humana. Seu nome continua a ser sinônimo de horror até hoje.

A peste é causada pela bactéria Yersinia pestis. Ocorreram incontáveis ​​surtos locais e pelo menos três pandemias de peste documentadas nos últimos 5 mil anos, matando centenas de milhões de pessoas. A mais notória de todas as pandemias foi a Peste Negra de meados do século 14.

No entanto, a Peste Negra estava longe de ser uma explosão isolada. A peste voltou a cada década ou até com mais frequência, atingindo sociedades já enfraquecidas e cobrando seu preço durante pelo menos seis séculos. Mesmo antes da revolução sanitária do século 19, cada surto foi morrendo gradualmente ao longo de meses e às vezes anos como resultado de mudanças na temperatura, umidade e disponibilidade de hospedeiros, vetores e um número suficiente de indivíduos suscetíveis.

Algumas sociedades se recuperaram com relativa rapidez das perdas causadas pela Peste Negra. Outros nunca o fizeram. Por exemplo, o Egito medieval não conseguiu se recuperar totalmente dos efeitos persistentes da pandemia, que devastou particularmente seu setor agrícola. Os efeitos cumulativos do declínio das populações tornaram-se impossíveis de recuperar. Isso levou ao declínio gradual do sultanato mameluco e sua conquista pelos otomanos em menos de dois séculos.

Persistência e resiliência

Essa mesma bactéria da peste destruidora do estado permanece conosco até hoje, um lembrete da longa persistência e resiliência dos patógenos.

Esperançosamente, a covid-19 não persistirá por milênios. Mas até que haja uma vacina bem-sucedida, e provavelmente mesmo depois, ninguém está seguro. A política aqui é crucial: quando os programas de vacinação são enfraquecidos, as infecções podem voltar com força total. Basta olhar para o sarampo e a poliomielite, que reaparecem assim que os esforços de vacinação diminuem.

Dados esses precedentes históricos e contemporâneos, a humanidade só pode esperar que o coronavírus que causa a covid-19 se mostre um patógeno tratável e erradicável. Mas a história das pandemias nos ensina a esperar o contrário.

 

* Nükhet Varlik é professora associada de História na Universidade da Carolina do Sul (EUA).

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons.. Leia o artigo original aqui.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança