• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Arqueologia11/02/2022

Como eram os penicos na Roma Antiga? Arqueólogos mostram

Vaso de câmara do século 5 d.C. de villa romana em Gerace, Sicília (Itália): uso diferente daquele que se imaginava antes. Escala: 10 cm. Crédito: Roger Wilson

11/02/22 - 08h09min

Uma nova pesquisa publicada na revista Journal of Archeaological Science Reports revela como os arqueólogos podem determinar quando um pote foi usado pelos romanos como banheiro portátil, também conhecido como penico.

“Os potes cônicos desse tipo foram amplamente reconhecidos no Império Romano e, na ausência de outras evidências, muitas vezes foram chamados de jarros de armazenamento. A descoberta de muitos dentro ou perto de latrinas públicas levou a uma sugestão de que eles poderiam ter sido usados como penicos, mas até agora faltavam provas”, disse Roger Wilson, professor do departamento de estudos clássicos, do Oriente Próximo e religiosos da Universidade da Colúmbia Britânica (Canadá) que dirige o projeto arqueológico Gerace, na Sicília (Itália), onde o pote foi encontrado.

Arqueólogos da Universidade de Cambridge (Reino Unido) analisaram material incrustado formado na superfície interna de um pote de cerâmica datado do século 5 de uma villa romana na Sicília. Usando microscopia para identificar parasitas intestinais, a equipe do Laboratório de Parasitas Antigos identificou ovos de tricurídeo, confirmando que o recipiente já conteve fezes humanas.

Ovos preservados

“Foi incrivelmente emocionante encontrar os ovos desses vermes parasitas 1.500 anos depois de terem sido depositados”, disse a coautora Tianyi Wang, da Universidade de Cambridge, que participou do trabalho de microscopia.

Tricurídeos são parasitas humanos que têm cerca de cinco centímetros de comprimento e vivem no revestimento de nossos intestinos. Os ovos que eles colocam se misturam com as fezes humanas e, portanto, seriam depositados em um penico durante o uso. Os minerais da urina e das fezes acumulavam-se em camadas na superfície interna do vaso à medida que ele era usado repetidamente, criando concreções.

“Descobrimos que os ovos do parasita ficaram presos nas camadas de minerais que se formaram na superfície do vaso, preservando-os por séculos”, disse a coautora Sophie Rabinow, também da equipe de Cambridge.

Esta é a primeira vez que os ovos do parasita foram identificados a partir de concreções dentro de um vaso de cerâmica romana e confirma que o pote de Gerace deve ter sido usado para conter fezes humanas.

Ferramenta crucial

Embora as medidas do penico de Gerace (31,8 cm de altura, com um diâmetro de 34 cm na borda) indiquem que poderia ter sido usado para sentar, era mais do que provável que fosse usado em conjunto com uma cadeira de vime ou madeira sob a qual o penico foi configurado.

A cerâmica é uma das formas mais comuns de artefatos arqueológicos recuperados de sítios romanos. Essa técnica fornece uma ferramenta crucial que permite aos pesquisadores identificar potes que tinham o propósito especial de serem penicos, distinguindo-os daqueles usados ​​como potes de armazenamento de alimentos ou outros materiais (embora tenham sido documentados usos alternativos ocasionais de tais recipientes).

“As descobertas mostram que a análise de parasitas pode fornecer pistas importantes para a pesquisa em cerâmica”, afirmou Rabinow.

A técnica só funcionará se pelo menos uma das pessoas que usaram o penico estivesse infectada por vermes intestinais. Onde tais parasitas são endêmicos no mundo em desenvolvimento hoje, mais da metade das pessoas estão infectadas por pelo menos um tipo de parasita intestinal. Se os romanos foram infectados tão comumente, há uma alta probabilidade de que essa abordagem identifique a maioria desses vasos como penicos se os depósitos incrustados forem preservados.

Importância da conveniência

Piers Mitchell, o especialista em parasitas da Universidade de Cambridge que liderou o estudo no laboratório, disse: “Este vaso veio do complexo de banhos de uma villa romana. Parece provável que quem ia aos banhos usaria esse vaso quando quisesse ir ao banheiro, pois os banhos não tinham uma latrina própria. Claramente, a conveniência era importante para eles”.

Mitchell acrescentou: “Onde os vasos romanos em museus apresentam essas concreções mineralizadas dentro da base, elas agora podem ser amostradas usando nossa técnica para ver se também foram usadas como penicos”.

A identificação de ovos de parasitas intestinais em penicos tem o potencial de fazer avançar nossa compreensão do saneamento, dieta e saúde intestinal das pessoas no passado.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

arqueólogos