Como o Gueto de Varsóvia chegou ao ‘milagre’ de vencer o tifo

O súbito e misterioso colapso da epidemia em meio à Segunda Grande Guerra tem como explicações mais prováveis programas de saúde da comunidade e práticas de distanciamento social, revela estudo

“Crianças Judias no Gueto de Varsóvia e nos Campos da Morte”, óleo sobre tela de Israel Bernbaum, 1981. Montclair State University Permanent Collection, MSU 2011.003.002.

Uma nova modelagem de infecções por tifo no Gueto de Varsóvia durante a Segunda Guerra Mundial revela como as intervenções de saúde pública erradicaram a doença. O estudo foi publicado na revista “Science Advances”.

Por meio de modelagem matemática avançada e documentos históricos, o estudo aponta os programas de saúde da comunidade e as práticas de distanciamento social como as explicações mais prováveis ​​para o súbito e misterioso colapso da epidemia, que foi aclamado pelos sobreviventes na época como um milagre.

A análise histórica ressalta a importância crítica da cooperação e do recrutamento ativo das comunidades nos esforços para derrotar epidemias e pandemias como a covid-19, em vez de depender muito da regulamentação governamental.

O professor Lewi Stone, matemático e modelador de doenças, do Instituto Real de Tecnologia de Melbourne (RMIT University, da Austrália) e da Universidade de Tel Aviv (Israel), liderou o estudo, conduzido com colaboradores de Hong Kong, Amsterdã e Berlim.

LEIA TAMBÉM: O que a arqueologia ensina sobre epidemias ao longo da história

Terreno ideal

Em 1941, as forças nazistas na Polônia amontoaram mais de 450 mil presos em uma área confinada de 3,4 km2, conhecida como Gueto de Varsóvia.

“Com más condições, fome desenfreada e uma densidade populacional cinco a dez vezes maior do que qualquer cidade do mundo hoje, o Gueto de Varsóvia apresentou às bactérias o terreno ideal para propagar o tifo e destruiu a população principalmente judia como um incêndio. É claro que os nazistas sabiam que isso aconteceria”, disse Stone.

Cerca de 120 mil prisioneiros do gueto foram infectados por tifo. Até 30 mil deles morreram diretamente pela doença, e muitos mais por inanição ou uma combinação de ambas.

Stone diz que foi um caso historicamente documentado de doença sendo usado como arma de guerra e como pretexto para genocídio.

Declínio inesperado

“Então, em outubro de 1941, quando um inverno rigoroso estava começando e exatamente quando se esperava que as taxas de tifo disparassem, a curva epidêmica repentina e inesperadamente despencou para a extinção”, disse ele. “Era inexplicável na época e muitos pensaram que era um milagre ou algo irracional.”

A modelagem matemática da equipe projetada com o ecologista teórico dr. Yael Artzy-Randrup (Universidade de Amsterdã, Holanda), juntamente com a modelagem e análise estatística realizada pelo dr. Daihai He (Universidade Politécnica de Hong Kong), mostrou que a epidemia estava de fato em vias de se tornar de duas a três vezes maior e com pico no meio do inverno, pouco antes de desaparecer.

Então, o que aconteceu?

As taxas de infecção subitamente caíram no inverno de 1941, quando se esperava que subissem.
As explicações

Para Stone, o declínio constante nas taxas de transmissão de doenças provavelmente reflete o sucesso de intervenções comportamentais.

“Felizmente, muitas das atividades e intervenções antiepidêmicas estão documentadas e o Gueto de Varsóvia tinha muitos médicos e especialistas experientes”, diz ele. “Para saber mais, passei muitas e muitas horas em bibliotecas de todo o mundo buscando documentos ou publicações raras para encontrar detalhes sobre as intervenções empregadas e o tamanho real da epidemia em si, que também foi mal registrada.”

Stone encontrou evidências de cursos de treinamento bem organizados que cobrem a higiene pública e doenças infecciosas, centenas de palestras públicas sobre a luta contra o tifo e uma universidade médica subterrânea para jovens estudantes.

A higiene geral e a limpeza dos apartamentos foram incentivadas e, às vezes, aplicadas. O distanciamento social foi considerado bom senso básico, e a quarentena das residências não era incomum. Muitas cozinhas voluntárias foram abertas no período anterior ao declínio da epidemia.

“No final, parece que os esforços prolongados e determinados dos médicos do gueto e os esforços antiepidêmicos dos agentes comunitários foram recompensados”, disse Stone. “Não existe outra maneira de explicar os dados.”

Status de pandemia

O historiador do Holocausto Stephan Lenstaedt, do Touro College, em Berlim (Alemanha), avaliou a modelagem da equipe em relação ao material de arquivo.

Ele registrou fontes primárias, incluindo o respeitado historiador Israel Gutman, que escreveu “enquanto quase 100 mil moradores do gueto morreram principalmente de fome e doenças no período até julho de 1942, um número semelhante ou maior foi salvo graças aos assistentes dedicados de defesa civil e às agências humanitárias em operação”.

“A tragédia, é claro”, disse Stone, “é que quase todas as vidas salvas por meio desses sacrifícios, disciplina e programas comunitários logo terminariam em extermínio nos campos de extermínio nazistas”.

O tifo – uma doença bacteriana disseminada por piolhos – tinha status de pandemia na Europa. Embora menos contagioso, ele é mais mortal que a covid-19. As duas doenças se espalham e se comportam de maneira diferente, mas a equipe considera que ainda existem paralelos e lições a serem aprendidas.

“Hoje, mais do que nunca, a sociedade precisa entender como os danos causados ​​por um pequeno vírus ou bactéria podem criar estragos absolutos, arrastando a humanidade para o ponto terminal do mal, como testemunhado pelo Holocausto”, disse Stone.

“No entanto, como demonstraram os do Gueto de Varsóvia”, explica Artzy-Randrup, “as ações dos indivíduos de prática de higiene, distanciamento social e autoisolamento quando estão doentes podem fazer uma enorme diferença na comunidade para reduzir a disseminação.”

Envolvimento essencial

“É a cooperação e o recrutamento ativo de comunidades que vencem epidemias e pandemias, não apenas as regulamentações governamentais.”

“Apenas recentemente testemunhamos de perto como o envolvimento essencial da comunidade foi importante em conter e derrotar a disseminação mortal e horripilante de surtos de ebola nos países africanos”.

“Este estudo é um exemplo único em que métodos quantitativos e qualitativos podem ser usados ​​para revelar processos históricos ocultos na interface de doenças infecciosas e da sociedade, diretamente relevantes para a atual crise da covid-19.”

“Inquestionavelmente, existem lições valiosas para aprendermos com o passado”, disse Lehnstaedt.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança