Como os nazistas cooptavam o Natal

Na Alemanha de Hitler, o feriado de Natal era uma ótima oportunidade para evocar o lugar da família no “estado racial”, livre de judeus e outras pessoas de fora

Presentes doados para distribuição pelos nazistas no Natal. Crédito: Deutsches Bundesarchiv/Wikimedia Commons

Em 1921, em uma cervejaria de Munique, o recém-nomeado líder do partido nazista Adolf Hitler fez um discurso de Natal para uma multidão animada.

De acordo com observadores da polícia disfarçados, 4 mil apoiadores aplaudiram quando Hitler condenou “os judeus covardes por destruir o libertador mundial na cruz” e jurou “não descansar até que os judeus … estivessem espatifados no chão.” Mais tarde, a multidão cantou canções natalinas e hinos nacionalistas ao redor de uma árvore de Natal. Os participantes da classe trabalhadora receberam presentes doados.

Para os alemães nas décadas de 1920 e 1930, essa combinação de observância de feriados familiares, propaganda nacionalista e antissemitismo não era incomum. À medida que o partido nazista crescia em tamanho e escopo – e finalmente assumiu o poder em 1933 –, propagandistas comprometidos trabalharam para “nazificar” ainda mais o Natal. Redefinindo tradições familiares e projetando novos símbolos e rituais, eles esperavam canalizar os principais princípios do nacional-socialismo por meio do feriado popular.

Sem judeus e pessoas de fora

Dado o controle estatal da vida pública, não é surpreendente que os oficiais nazistas tenham tido sucesso em promover e propagar sua versão do Natal por meio de repetidas transmissões de rádio e artigos de notícias.

Mas, sob qualquer regime totalitário, pode haver uma grande disparidade entre a vida pública e privada, entre os rituais da praça da cidade e os do lar. Em minha pesquisa, estava interessado em como os símbolos e rituais nazistas penetraram nas festividades familiares privadas – longe do olhar dos líderes do partido.

Enquanto alguns alemães resistiram à pesada e politizada apropriação de um feriado favorito da Alemanha, muitos realmente abraçaram um feriado nazificado que evocava o lugar da família no “estado racial”, livre de judeus e outras pessoas de fora.

Redefinindo o Natal

Uma das características mais marcantes da celebração privada no período nazista foi a redefinição do Natal como uma celebração neopagã e nórdica. Em vez de focar nas origens religiosas do feriado, a versão nazista celebrou a suposta herança da raça ariana, o rótulo que os nazistas deram aos membros “racialmente aceitáveis” do estado racial alemão.

De acordo com intelectuais nazistas, as tradições de feriados estimadas baseavam-se nos rituais do solstício de inverno praticados por tribos “germânicas” antes da chegada do cristianismo. Acender velas na árvore de Natal, por exemplo, lembrava os desejos pagãos de “retorno da luz” após o dia mais curto do ano.

Os estudiosos chamam a atenção para a função manipuladora dessas e de outras tradições inventadas. Mas não há razão para supor que elas eram impopulares. Desde a década de 1860, historiadores, teólogos e escritores populares alemães argumentavam que as observâncias dos feriados alemães eram remanescentes de rituais pagãos pré-cristãos e superstições folclóricas populares.

Portanto, como essas ideias e tradições tinham uma longa história, os propagandistas nazistas conseguiram facilmente lançar o Natal como uma celebração do nacionalismo alemão pagão. Um vasto aparato de estado (centrado no Ministério de Propaganda e Iluminismo nazista) garantiu que um feriado nazificado dominasse o espaço público e a celebração do Terceiro Reich.

Mas dois aspectos da versão nazista do Natal eram relativamente novos.

Selo com o tema natalino que enfatiza a luz. Crédito: imagem fornecida pelo autor
Religião como inimiga

Primeiramente, como os ideólogos nazistas viam a religião organizada como inimiga do estado totalitário, os propagandistas procuraram diminuir a ênfase – ou eliminar por completo – os aspectos cristãos do feriado. As celebrações oficiais podem mencionar um ser supremo, mas apresentam mais proeminentemente o solstício e os rituais “leves” que supostamente capturaram as origens pagãs do feriado.

Em segundo lugar, como sugere o discurso de Hitler em 1921, a celebração nazista evocava pureza racial e antissemitismo. Antes de os nazistas tomarem o poder em 1933, ataques feios e abertos contra judeus alemães tipificavam a propaganda do feriado.

O antissemitismo flagrante mais ou menos desapareceu depois de 1933, quando o regime buscou estabilizar seu controle sobre uma população cansada de lutas políticas, embora as celebrações nazistas ainda excluíssem aqueles considerados “inaptos” pelo regime. Inúmeras imagens da mídia de famílias alemãs invariavelmente loiras e de olhos azuis reunidas em torno da árvore de Natal ajudaram a normalizar as ideologias de pureza racial.

Mesmo assim, o antissemitismo aberto surgia na época do Natal. Muitos boicotariam lojas de departamentos de propriedade de judeus. E a capa de um catálogo de Natal de 1935 por correspondência, que retratava uma mãe de cabelos loiros embrulhando presentes de Natal, incluía um adesivo garantindo aos clientes que “a loja de departamentos havia sido tomada por um ariano!”

É um exemplo pequeno, quase banal. Mas fala muito. Na Alemanha nazista, até mesmo comprar um presente poderia naturalizar o antissemitismo e reforçar a “morte social” dos judeus no Terceiro Reich .

A mensagem era clara: apenas “arianos” poderiam participar da festa.

Bolas de árvores natalinas com a suástica eram apenas uma das maneiras de nazificar o Natal. Crédito: imagem fornecida pelo autor
Tirando o ‘Cristo’ do Natal

Segundo os teóricos nacional-socialistas, as mulheres – principalmente as mães – eram cruciais para fortalecer os laços entre a vida privada e o “novo espírito” do Estado racial alemão.

Os atos cotidianos de celebração – embrulhar presentes, decorar a casa, cozinhar comidas festivas “alemãs” e organizar celebrações familiares – estavam ligados a um culto ao nacionalismo “nórdico” sentimental.

Os propagandistas proclamavam que como “sacerdotisa” e “protetora da casa e do lar”, a mãe alemã poderia usar o Natal para “trazer de volta à vida o espírito do lar alemão”. As edições de férias de revistas femininas, livros de Natal nazificados e canções natalinas nazistas tingiam os costumes familiares convencionais com a ideologia do regime.

Esse tipo de manipulação ideológica assumiu formas cotidianas. Mães e filhos eram incentivados a fazer decorações caseiras em forma de “Roda do Sol de Odin” e assar biscoitos de Natal em forma de círculo (um símbolo de fertilidade). Dizia-se que o ritual de acender velas na árvore de Natal criava uma atmosfera de “magia demoníaca pagã” que submeteria a Estrela de Belém e o nascimento de Jesus a sentimentos de “germanidade”.

O canto familiar exemplificava as fronteiras porosas entre as formas privadas e oficiais de celebração.

Partitura da popular canção natalina “Hohe Nacht der klaren Sterne”. Crédito: imagem fornecida pelo autor
Em vez de temas cristãos, ideologias raciais

Os propagandistas promoviam incansavelmente várias canções de Natal nazificadas, que substituíam os temas cristãos pelas ideologias raciais do regime. Hohe Nacht der klaren Sterne (em tradução livre, Noite Glorificada das Estrelas Puras), a mais famosa canção natalina do nazismo, era reimpressa em cancioneiros nazistas, transmitida em programas de rádio, apresentada em inúmeras celebrações públicas – e cantada em casa.

Na verdade, essa música se tornou tão familiar que ainda podia ser cantada na década de 1950 como parte de um feriado familiar comum (e, aparentemente, como parte de algumas apresentações públicas hoje!).

Enquanto a melodia da música lembra um cântico tradicional, a letra nega as origens cristãs do feriado. Versos de estrelas, luz e uma mãe eterna sugerem um mundo redimido pela fé no nacional-socialismo – não Jesus.

Conflito ou consenso entre o público alemão?

Nunca saberemos exatamente quantas famílias alemãs cantaram Noite Glorificada ou assaram biscoitos de Natal em forma de roda solar germânica. Mas temos alguns registros da resposta popular ao feriado nazista, principalmente de fontes oficiais.

Por exemplo, os “relatórios de atividades” da Liga Nacional Socialista das Mulheres (NSF) mostram que a redefinição do Natal criou algumas divergências entre os membros. Os arquivos da NSF observam que as tensões aumentavam quando os propagandistas pressionavam muito para evitar a observância religiosa, levando a “muitas dúvidas e descontentamento”.

As tradições religiosas frequentemente colidiam com objetivos ideológicos: era aceitável que “nacional-socialistas convencidos” celebrassem o Natal com canções cristãs e peças de Natal? Como os crentes nazistas poderiam observar um feriado nazista quando as lojas vendiam principalmente produtos convencionais de férias e raramente estocavam livros de Natal nazistas?

Enquanto isso, os clérigos alemães resistiam abertamente às tentativas nazistas de tirar Cristo do Natal. Em Düsseldorf, os clérigos usavam o Natal para incentivar as mulheres a ingressar em seus respectivos clubes femininos. O clero católico ameaçava excomungar as mulheres que se juntavam à NSF. Em outros lugares, mulheres de fé boicotavam as festas de Natal da NSF e iniciativas de caridade.

Nazificação aceita

Ainda assim, tal dissidência nunca desafiou realmente os principais princípios do feriado nazista.

Relatórios sobre a opinião pública compilados pela polícia secreta nazista costumavam comentar sobre a popularidade das festividades de Natal nazista. Já na Segunda Guerra Mundial, quando a derrota iminente desacreditava cada vez mais o feriado nazista, a polícia secreta relatou que as reclamações sobre as políticas oficiais se dissolviam em um “clima de Natal” geral.

Apesar dos conflitos sobre o cristianismo, muitos alemães aceitaram a nazificação do Natal. O retorno às coloridas e agradáveis ​​tradições “germânicas” pagãs prometia revitalizar a celebração familiar. Não menos importante, observar um feriado nazificado simbolizava pureza racial e pertencimento nacional. “Arianos” podiam celebrar o Natal alemão. Os judeus não podiam.

A nazificação da celebração familiar revelou, assim, o terreno paradoxal e contestado da vida privada no Terceiro Reich. A decisão aparentemente banal e cotidiana de cantar uma canção natalina em particular ou assar um biscoito natalino tornava-se um ato de dissidência política ou uma expressão de apoio ao nacional-socialismo.

 

* Joe Perry é professor associado de História na Universidade do Estado da Geórgia (EUA).

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago