Como os nazistas usavam música para celebrar e facilitar assassinatos

A presença da música servia para as tropas nazistas como facilitadora na tarefa de matar nos guetos e campos de extermínio

Orquestra do campo de Auschwitz, em foto não datada. Crédito: Auschwitz-Birkenau State Museum

Em dezembro de 1943, uma jovem de 20 anos chamada Ruth Elias chegou em um vagão de gado ao campo de concentração de Auschwitz-Birkenau. Ela foi designada para o Bloco 6 no campo de família, um quartel que abrigava mulheres jovens e a orquestra masculina do campo, um conjunto de violinistas, clarinetistas, acordeonistas e percussionistas encarcerados que tocavam seus instrumentos não apenas quando os prisioneiros marchavam para seu trabalho diário, mas também durante açoites de prisioneiros.

As apresentações podiam ser improvisadas, ordenadas por capricho da SS, a guarda paramilitar do Partido Nazista. Em uma entrevista no pós-guerra, Elias contou como tropas da SS bêbadas frequentemente invadiam o quartel tarde da noite.

Primeiramente, eles diriam à orquestra para tocar enquanto bebiam e cantavam. Então, eles puxavam as meninas de seus beliches para estuprá-las. Pressionada contra a parte de trás de seu beliche de nível superior para evitar a detecção, Elias ouvia os gritos aterrorizados de suas companheiras prisioneiras.

Antes de seus algozes se envolverem nesses atos, ela lembrou: “A música tinha que tocar”.

Tortura e punição

A música é muitas vezes considerada inerentemente boa, uma visão exemplificada no aforismo frequentemente citado do dramaturgo Wilhelm Congreve: “A música tem encantos para acalmar o peito de um selvagem”. Frequentemente, também é vista como uma forma de arte que enobrece quem a toca e a escuta. Suas qualidades estéticas parecem transcender o mundano e o horrível.

No entanto, ela também tem sido usada para facilitar a tortura e a punição, um tópico que acho que vale a pena explorar.

Quando eu estava pesquisando para meu livro Drunk on Genocide: Alcohol and Mass Murder in Nazi Germany (“Bêbado de Genocídio: Álcool e Assassinato em Massa na Alemanha Nazista”, em tradução livre), fiquei impressionado com a maneira como a música acompanhava as mortes nos guetos e campos de extermínio.

A bela música que acompanha assassinatos e estupros é uma justaposição bizarra e perturbadora. Mas seu uso pelos perpetradores para torturar suas vítimas e celebrar seus atos revela não apenas o lado mais sombrio de seu uso, mas também oferece conhecimentos sobre a mentalidade festiva dos assassinos enquanto participavam do genocídio.

A “alegria” de matar

Histórias de integração de música e canção em atos de tortura e assassinato podem ser encontradas em entrevistas e memórias de sobreviventes. Como em Auschwitz, o destacamento SS no centro de extermínio de Belzec organizou uma orquestra de prisioneiros para seu entretenimento. Todos os domingos à noite, os membros da SS forçavam o conjunto a tocar para sua diversão enquanto davam uma festa com bebedeira.

Um dos soldados SS se divertia fazendo a orquestra tocar repetidamente uma melodia enquanto os outros prisioneiros eram forçados a cantar e dançar, sem trégua.

Outro sobrevivente judeu se lembra de ter ouvido a mesma orquestra enquanto ela acompanhava os gritos dos assassinados na câmara de gás do campo.

Na ausência de uma orquestra, as tropas podiam, no entanto, começar a cantar espontaneamente.

Genia Demianova, uma professora russa, foi interrogada, torturada e estuprada por uma gangue em agosto de 1941. Após o ataque inicial, ela escreveu sobre ter ouvido o tilintar de copos enquanto seu estuprador brindava: “O gato selvagem está domesticado!” Outros soldados alemães se revezaram com Genia, que perdeu a conta do número de agressores. Enquanto jazia espancada e sangrando no chão, ela ouviu as vozes de seus agressores cantarolando “ao som de uma canção sentimental de [Robert] Schumann”.

E o coronel da SS Walter Blume, comandante das Einsatzgruppen, o notório esquadrão da morte da SS, era conhecido por reunir seus homens após um dia de assassinato para cantar ao redor de uma fogueira à noite.

A orquestra do campo de concentração de Janowska, na Ucrânia, entre 1941 e 1943. Crédito: autor desconhecido/Wikimedia Commons
Operação Colheita

O maior massacre de prisioneiros em um campo de concentração ocorreu em 3 de novembro de 1943, em Majdanek (Polônia).

Foi planejado sob o nome de código comemorativo “Festival da Operação Colheita”. Os soldados alemães atiraram na ocasião em cerca de 18 mil homens, mulheres e crianças judeus. Durante as execuções, valsas vienenses, tangos e marchas militares retumbaram nos alto-falantes do campo.

Durante um interrogatório no pós-guerra, um policial se lembra de ter ouvido um colega exclamar na época: “É muito bom filmar com música de marcha militar”.

Depois, as tropas voltaram aos seus aposentos para uma “festa selvagem”, durante a qual engoliram vodca e festejaram com uniformes cobertos com o sangue das vítimas.

Carnavais de carnificina

Em setembro de 1941, um grupo de policiais alemães preparou-se para executar 400 homens, mulheres e crianças judeus perto da cidade ucraniana de Cutnow. Em depoimento no pós-guerra, um dos policiais descreveu a presença de uma banda enquanto os judeus marchavam para o local do túmulo.

“(O som) Era alto”, ele testemunhou, “exatamente como um carnaval”.

Eu me deparei com isso muitas vezes durante minha pesquisa – assassinatos em massa descritos como carnavais ou evocando uma “atmosfera de casamento”. As lembranças desses atos hediondos como parte de algum tipo de celebração macabra também apareceram durante outros genocídios.

Após o genocídio em Ruanda, um perpetrador hutu observou que “o genocídio foi como um festival” e ele se lembrou de celebrar um dia de assassinato com cerveja e um churrasco com seus companheiros assassinos. Uma sobrevivente tutsi descreveu perpetradores embriagados cantando enquanto caçavam suas vítimas e cometiam estupros em massa.

Vinho, assassinato e música

A fusão de álcool, música e canção com assassinato em massa mostra como a violência foi normalizada – até mesmo celebrada – pelos nazistas.

Sob o regime nazista, a música forjou comunidade, camaradagem e objetivos compartilhados. Nos bares das unidades, ao redor de fogueiras e nos locais de matança, o acréscimo de música era mais do que apenas uma forma de entretenimento. Era também um instrumento para promover um propósito comum e aproximar as pessoas. Por meio de rituais de música, bebida e dança, as ações dos nazistas podiam ser coletivizadas e normalizadas – e seu projeto maior de violência, muito mais fácil de realizar.

Em última análise, o genocídio é um esforço social; a música e a canção – como as filosofias políticas – fazem parte dos artefatos culturais de uma sociedade.

Portanto, quando o assassinato em massa se torna um princípio central de uma sociedade, talvez não deva ser uma surpresa que essas atrocidades sejam cometidas contra um pano de fundo de uma música emocionante, uma marcha militar empolgante ou uma melodia sentimental de Schumann.

 

* Edward B. Westermann é professor de história na Texas A&M University – San Antonio (EUA).

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança