Como pássaros, mamíferos e crianças aprendem sons

Estudos sobre as vocalizações dos animais podem ajudar a responder a questões fundamentais sobre o desenvolvimento da comunicação animal e da fala e linguagem humanas

Edição especial da revista “Philosophical Transactions of the Royal Society B” sobre aprendizagem vocal em animais e humanos cobre pesquisas no campo da aprendizagem vocal em uma variedade de espécies, incluindo humanos, golfinhos, focas, elefantes, morcegos e pássaros. Crédito: Sonja Vernes

Alguns pássaros canoros aprendem a cantar ouvindo outros pássaros. Alguns outros animais podem aprender a copiar sons. Mas o que isso nos diz sobre a fala humana?

Alex, o papagaio cinza que ficou famoso por perguntar “de que cor?” ao se olhar no espelho, tinha habilidades surpreendentes para imitar a fala humana. O interesse na capacidade dos animais de aprender sons remonta a milhares de anos. Pesquisas sobre essa habilidade, conhecida como aprendizagem vocal, podem lançar luz sobre a evolução da comunicação e da fala e linguagem humanas.

Sonja Vernes, do Instituto Max Planck de Psicolinguística em Nijmegen (Holanda), é a editora principal de uma edição especial da revista Philosophical Transactions of the Royal Society B sobre aprendizagem vocal em animais e humanos, reunindo pesquisas em animais que vão desde focas e morcegos a pássaros e humanos. De acordo com ela, “o trabalho comparativo investigando essa característica em diferentes tipos de animais é particularmente importante”.

Grupo de morcegos Phyllostomus discolor, caracteristicamente amontoados em grupos sociais. Crédito: I. Alvarez van Tussenbroek
Complexidade do aprendizado

Poucos animais podem aprender sons. Além dos pássaros, apenas golfinhos e baleias, focas, elefantes e morcegos eram considerados capazes de aprendizado vocal. Por exemplo, os golfinhos têm cantos específicos que podem ajudá-los a se reconhecerem. Observou-se que Hoover, uma famosa foca falante, “latia” em seu aquário com um forte sotaque da Nova Inglaterra (“venha até aqui”).

Entre os animais com essa característica, o tipo e o papel do aprendizado variam muito. Nos pássaros, vemos que os tentilhões-zebra aprendem a copiar com precisão o canto do pai, enquanto os papagaios podem aprender os sons de diferentes espécies, incluindo a fala humana. “A diversidade desses animais e a complexidade do aprendizado vocal apresentam desafios específicos para o campo, mas também oferecem oportunidades claras”, disse Vernes.

Em um artigo que conduz a edição especial, os pesquisadores sêniores Sonja Vernes e Vincent Janik, da Universidade de St Andrews (Reino Unido), discutem o papel do aprendizado e da experiência no repertório sonoro de animais. Os pesquisadores propõem um novo sistema de classificação, levando em consideração a precisão com que os sons são copiados e o tempo que leva para aprendê-los. O tempo é importante, pois os animais diferem em quando e com que rapidez aprendem. Por exemplo, os papagaios podem imitar rapidamente muitos sons diferentes ao longo da vida, enquanto os tentilhões-zebra só podem aprender uma gama restrita de sons enquanto são jovens – e com muita prática.

Morcegos Phyllostomus discolor gostam da escuridão e do contato social próximo. Crédito: I. Alvarez van Tussenbroek
Vocalizações atípicas

A autora principal do Instituto Max Planck de Psicolinguística, Ella Lattenkamp, ​​e seus colegas apresentam descobertas experimentais em morcegos Phyllostomus discolor, típicos das Américas do Sul e Central. Os pesquisadores estudaram os chamados de três animais jovens que não conseguiam ouvir os chamados de outros morcegos e os compararam aos chamados de morcegos com audição normal da mesma idade. Os morcegos que não podiam ouvir tinham vocalizações atípicas, o que mostra que esses animais precisam ouvir os sons dos outros para aprender seus chamados normais – algo que também é verdadeiro para os humanos quando aprendem a falar.

Juntas, as 21 contribuições para a edição especial ilustram que o antigo fascínio pelas vocalizações dos animais tornou-se uma tradição de pesquisa frutífera, lançando luz sobre questões fundamentais sobre o desenvolvimento da comunicação animal e da fala e linguagem humanas.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago