Como pessoas sobrevivem ao coronavírus e o que acontece a seguir

Epidemiologista responde a quatro dúvidas essenciais sobre a Covid-19, quem se recupera dela e o que fazer depois de superar a doença

Representação do coronavírus SARS-CoV-2: número de pessoas que sobrevivem à doença que ele provoca sobe continuamente. Crédito: CDC

O coronavírus é certamente assustador, mas, apesar dos relatórios constantes sobre o total de casos e um número crescente de mortes, a realidade é que a grande maioria das pessoas que sofrem com a Covid-19 sobrevive a ele. Assim como o número de casos aumenta, o mesmo acontece com outro número: aqueles que se recuperaram.

Em meados de março, o número de pacientes nos EUA que haviam se recuperado oficialmente do vírus estava próximo de zero. Esse número está agora na casa das dezenas de milhares e sobe todos os dias. Mas recuperar-se da Covid-19 é mais complicado do que simplesmente se sentir melhor. A recuperação envolve biologia, epidemiologia e um pouco de burocracia também.

Como seu corpo luta contra a Covid-19?

Uma vez que uma pessoa é exposta ao coronavírus, o corpo começa a produzir proteínas chamadas anticorpos para combater a infecção. Como esses anticorpos começam a conter o vírus com sucesso e impedem sua replicação no organismo, os sintomas geralmente começam a diminuir e você começa a se sentir melhor. Posteriormente, se tudo correr bem, seu sistema imunológico destruirá completamente todo o vírus em seu sistema. Uma pessoa que foi infectada e sobreviveu a um vírus sem efeitos ou deficiências em longo prazo na saúde “se recuperou”.

LEIA TAMBÉM: Coronavírus: Itália prepara suspensão “gradual e controlada” de restrições

Em média, uma pessoa infectada com o vírus SARS-CoV-2 ficará doente por cerca de sete dias desde o início dos sintomas. Mesmo depois que os sintomas desaparecem, ainda pode haver pequenas quantidades do vírus no sistema do paciente, e este deve permanecer isolado por mais três dias para garantir que se recupere verdadeiramente e não seja mais infeccioso.

E a imunidade?

Em geral, depois de se recuperar de uma infecção viral, seu corpo mantém as células chamadas linfócitos em seu sistema. Essas células “lembram-se” dos vírus que viram anteriormente e podem reagir rapidamente para combatê-los novamente. Se você está exposto a um vírus que já teve, é provável que seus anticorpos parem o vírus antes que ele comece a causar sintomas. Você se torna imune. Esse é o princípio por trás de muitas vacinas.

Infelizmente, a imunidade não é perfeita. Para muitos vírus, como caxumba, a imunidade pode diminuir com o tempo, deixando você suscetível ao vírus no futuro. É por isso que você precisa ser revacinado – aquelas “doses de reforço” – ocasionalmente: para estimular o sistema imunológico a produzir mais anticorpos e células de memória.

Como esse coronavírus é novo, os cientistas ainda não sabem se as pessoas que se recuperam da Covid-19 estão imunes a futuras infecções do vírus. Os médicos estão encontrando anticorpos em pacientes doentes e recuperados, e isso indica o desenvolvimento de imunidade. Mas a questão que permanece é quanto tempo essa imunidade vai durar. Outros coronavírus, como SARS e MERS, produzem uma resposta imune que protegerá uma pessoa pelo menos por um curto período de tempo. Eu suspeitaria que o mesmo se aplica ao SARS-CoV-2, mas a pesquisa simplesmente ainda não foi feita para dizer isso definitivamente.

Por que tão poucas pessoas se recuperaram oficialmente nos EUA?

Como é um vírus perigoso, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) está sendo extremamente cuidadoso ao decidir o que significa recuperar-se da Covid-19. Os critérios médicos e de teste devem ser atendidos antes que uma pessoa seja declarada oficialmente recuperada.

Medicamente, uma pessoa deve estar livre de febre sem remédios para redução da febre por três dias consecutivos. Ela deve mostrar melhora em seus outros sintomas, incluindo tosse reduzida e falta de ar. E deve levar pelo menos sete dias completos desde que os sintomas começaram.

Além desses requisitos, as diretrizes do CDC afirmam que uma pessoa deve testar negativo para o coronavírus duas vezes, com os testes realizados com pelo menos 24 horas de intervalo.

Somente então, se as condições dos sintomas e dos testes forem atendidas, uma pessoa será considerada oficialmente recuperada pelo CDC.

Esse segundo requisito de teste é provavelmente o motivo pelo qual houve tão poucos casos oficiais de cura nos EUA até o final de março. Inicialmente, havia uma escassez maciça de testes nos EUA. Portanto, embora muitas pessoas estivessem se recuperando nas últimas semanas, isso não pôde ser confirmado oficialmente. À medida que o país entra no auge da pandemia, nas próximas semanas, o foco ainda está em testar aqueles que estão infectados, e não aqueles que provavelmente se recuperaram.

Muito mais pessoas estão sendo testadas agora que estados e empresas privadas começaram a produzir e distribuir testes. À medida que o número de testes disponíveis aumenta e a pandemia diminui no país, mais testes estarão disponíveis para aqueles que parecem se recuperar. À medida que as pessoas que já se recuperaram são testadas, o aparecimento de novas infecções ajudará os pesquisadores a saber quanto tempo se espera que a imunidade dure.

Depois que uma pessoa se recupera, o que ela pode fazer?

Saber se as pessoas são ou não imunes à Covid-19 após a recuperação determinará o que indivíduos, comunidades e a sociedade em geral poderão fazer no futuro. Se os cientistas puderem mostrar que os pacientes recuperados são imunes ao coronavírus, uma pessoa que se recuperou poderia, em teoria, ajudar a apoiar o sistema de saúde cuidando daqueles que estão infectados.

Quando as comunidades passarem o pico da epidemia, o número de novas infecções diminuirá, enquanto o número de pessoas recuperadas aumentará. À medida que essas tendências continuarem, o risco de transmissão cairá. Quando o risco de transmissão diminuir o suficiente, as ordens de isolamento e distanciamento social em nível comunitário começarão a ser relaxadas e as empresas começarão a reabrir. Com base no que outros países passaram, levará meses até que o risco de transmissão seja baixo nos EUA.

Mas antes que isso possa acontecer, os EUA e o mundo precisam passar pelo auge dessa pandemia. O distanciamento social trabalha para retardar a propagação de doenças infecciosas e está trabalhando para a Covid-19. Muitas pessoas precisarão de ajuda médica para se recuperar, e o distanciamento social reduzirá a velocidade do vírus e dará às pessoas a melhor chance de fazê-lo.

 

* Tom Duszynski é diretor de educação em epidemiologia da Universidade de Indiana – Universidade de Purdue Indianapolis (Iupui, EUA).

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança