Como reduzir a transmissão de vírus em prédios e deixá-los mais saudáveis

A covid-19 está exigindo de arquitetos e engenheiros muita reflexão no sentido de ajudar moradores e usuários de edifícios a minimizar sua exposição a patógenos prejudiciais à saúde

A ventilação é um fator importante para a saúde em ambientes internos. Crédito: Piqsels

Arquitetos e engenheiros se esforçam para criar locais seguros e produtivos onde os humanos possam viver e trabalhar. Desenvolvemos códigos, regulamentos e diretrizes complexos para atingir objetivos como segurança estrutural, segurança contra incêndio, ventilação adequada e eficiência energética e antecipar cenários extremos, como inundações de 100 anos. A questão para a nossa profissão agora é se e como a pandemia viral de 100 anos mudará o projeto arquitetônico e as operações de construção.

Como as sociedades podem proteger prédios ou casas de um patógeno viral durante uma epidemia? O que seria necessário para redesenhar edifícios públicos e institucionais para que eles pudessem ajudar a “achatar a curva”, em vez de simplesmente evacuar os ocupantes? E se as pessoas pudessem moldar e modificar as comunidades microbianas presentes no interior dos edifícios para minimizar a exposição a patógenos prejudiciais?

No Centro de Biologia e Ambiente Construído da Universidade do Oregon (BioBE), estudamos as interações entre seres humanos, edifícios e microrganismos. Acreditamos que a arquitetura precisa se adaptar e evoluir de maneira a ajudar as pessoas a gerenciar microbiomas internos para apoiar a saúde. Em um novo artigo, combinamos pesquisas sobre como os micróbios funcionam em ambientes fechados com o conhecimento sobre o novo coronavírus para delinear maneiras de minimizar a transmissão de covid-19 em edifícios.

LEIA TAMBÉM: O novo coronavírus e a hipótese de Gaia

Cultivando ou matando micróbios

Mesmo nos bons tempos, e certamente durante as pandemias, a principal coisa que as pessoas geralmente querem saber sobre micróbios é como matá-los. Mas, de fato, a grande maioria dos micróbios ajuda os seres humanos mais do que nos machuca. A ideia de que os micróbios ao nosso redor desempenham um papel importante em nossas vidas é conhecida como Hipótese dos Velhos Amigos ou Hipótese da Higiene.

Cada um de nós tem seu próprio microbioma – uma coleção de bactérias, fungos, vírus e protozoários que habitam nossa pele e corpo, e ele pode ser tão único quanto nossas impressões digitais. Alguns desses micróbios ajudam a manter-nos saudáveis, enquanto outros podem nos fazer adoecer.

Esses organismos ajudam a regular nossa digestão e impactam nosso humor e nosso peso. Os micróbios da pele podem ter efeitos imunoprotetores.

Também existem ecossistemas microbianos surpreendentemente complexos em espaços internos. Remover toda a vida microbiana dessas configurações pode criar problemas. Por exemplo, síndrome do intestino irritável, asma e alguns transtornos de humor têm sido associados a reduções gerais em nossa exposição microbiana. Pensa-se que a falta de exposição durante a infância acione a função imunológica super-reativa mais tarde na vida, potencialmente levando ao aumento da inflamação e contribuindo para essas aflições.

Concentrar-se apenas no assassinato de micróbios pode ter consequências não intencionais. Por exemplo, nosso laboratório descobriu recentemente uma correlação entre concentrações de compostos antimicrobianos e abundância de bactérias resistentes a antibióticos em ambientes fechados. Essa descoberta levou nossa equipe a reexaminar as práticas de limpeza interna de maneira mais ampla.

Projetando microbiomas internos

Os arquitetos podem usar muitos recursos de design para moldar e modificar comunidades microbianas em residências e edifícios de escritórios. Eles incluem configuração de espaço e densidade de ocupantes; seleção de material interior; localização da janela, tamanho e tipo de vidro; espectro e intensidade de iluminação elétrica; e estratégias de movimento e ventilação do ar.

Gerentes de construção também desempenham um papel. Eles podem ajustar a quantidade de ar externo que é admitido e a frequência com que ele é trocado com o ar interno. Outros itens incluem umidificação e desumidificação e, é claro, produtos e práticas de limpeza.

Nossa pesquisa recente sugere que muitos sistemas naturais, como luz do dia e ventilação natural, não apenas reduzem o consumo de energia e apoiam a saúde humana – eles também apoiam mais diversos ecossistemas microbianos internos e reduzem a abundância de possíveis patógenos. Da mesma forma, demonstrou-se que superfícies naturais de madeira inacabada reduzem a abundância de alguns vírus mais rapidamente do que outras superfícies internas comuns, como aço inoxidável ou plástico.

A umidificação é uma influência importante em ambientes internos. A maioria dos ambientes internos é muito seca na estação mais quente. A umidade pode produzir mofo, mas o ar muito seco também é um problema. Desidrata nossas membranas mucosas e pele e transporta partículas mais profundas para o trato respiratório, deixando-nos mais suscetíveis à infecção.

Como o SARS-CoV-2 pode se espalhar dentro de casa: (a) partículas virais se acumulam nos pulmões e no trato respiratório superior de uma pessoa infectada; (b) gotas e partículas virais em aerossol são expelidas do corpo através de atividades como tossir, espirrar e falar, e podem se espalhar para ambientes e indivíduos próximos; (c & d) partículas virais, excretadas da boca e nariz, são frequentemente encontradas nas mãos (c) e podem ser espalhadas para itens comumente tocados (d), como computadores, copos, torneiras e bancadas. Dietz et al., 2020, http://dx.doi.org/10.1128/mSystems.00245-20, CC BY-SA

O ar seco também diminui a deposição de partículas, permitindo que partículas ultrafinas permaneçam em aerossol por mais tempo. Isso aumenta o risco de transmissão de micróbios pelo ar.

Diretrizes básicas

O ar interno com uma umidade relativa de 40% a 60% evita esses impactos prejudiciais. Também foi demonstrado que diminui a infectividade viral, provavelmente interrompendo a membrana externa dos vírus.

Com base em nossas pesquisas anteriores, desenvolvemos algumas diretrizes básicas para melhorar as operações de construção durante a pandemia de covid-19. Eles visam reduzir o risco de transmissão viral interna em ambientes como residências, edifícios médicos e outras infraestruturas críticas.

Essas estratégias podem ser aplicadas em quase todos os edifícios. Os exemplos incluem a introdução de mais ar externo, o aumento da troca de ar, a manutenção da umidade relativa de 40% a 60%, a abertura de janelas para fornecer ventilação natural e a eliminação de impurezas de espaços internos, o aumento do acesso à luz do dia e a implementação de técnicas de desinfecção direcionadas, como a luz ultravioleta curta (UVC) em ambientes de saúde.

As pessoas podem usar estratégias semelhantes para reduzir os riscos em casa. Se alguém na casa foi infectado ou é sintomático, recomendamos que ele se autoisole em um espaço próximo a um banheiro com um exaustor que possa operar continuamente. Isso puxará o ar do resto da casa através do espaço infectado e sairá pelo exaustor do banheiro.

Viver melhor com a microbiologia

O próximo objetivo da nossa equipe é definir o que compõe uma comunidade de micróbios benéficos. Estamos em parceria com a indústria, instituições e organizações governamentais para desenvolver tecnologias de monitoramento microbiano interno em tempo real que possam apoiar melhores práticas operacionais e melhorar estratégias de rastreamento de contatos. Com esse conhecimento, podemos monitorar patógenos e usar a ciência de dados para melhorar nossa compreensão de microbiomas internos saudáveis.

Como as pessoas podem cultivar uma comunidade interna de micróbios benignos e favoráveis? Vários fabricantes de produtos de limpeza já estão explorando a ideia de adicionar micróbios específicos a ambientes internos para competir ou atacar micróbios nocivos e curar outros. Esses produtos evitam a abordagem de “terra arrasada” de muitos produtos de limpeza tradicionais, que se baseia em ingredientes cáusticos e voláteis.

Acreditamos que vale a pena explorar esse conceito, mas ele deve basear-se em pesquisas robustas com supervisão eficaz. O órgão-chave nessa área nos Estados Unidos é a Agência de Proteção Ambiental (EPA, na sigla em inglês), que regula produtos antimicrobianos projetados como pesticidas, incluindo produtos de limpeza.

Por várias décadas, o projeto de arquitetura e a indústria da construção têm desenvolvido padrões para orientar o desempenho da construção, incluindo aspectos relacionados à saúde humana. Em nossa opinião, é hora de focar na formação de microbiomas internos saudáveis ​​para que eles possam nos moldar.

 

* Kevin Van den Wymelenberg é professor associado de Arquitetura e diretor do Centro de Biologia e Ambiente Construído (BioBE) da Universidade do Oregon (EUA); Leslie Dietz é gerente do Wet Lab da Universidade do Oregon; Mark Fretz é professor assistente de pesquisa de Arquitetura da Universidade do Oregon

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança