Companhia aérea alerta usuários sobre assentos com crianças

Ferramenta de reserva da japonesa JAL avisa ao passageiro quais poltronas serão ocupadas por crianças

Criança em voo: se tiver até dois anos de idade, o aplicativo da JAL avisa aos outros passageiros em busca de reserva. Crédito: Max Pixel

Viajar em um voo de longa distância com um bebê chorando promete ser menos penoso para os passageiros da Japan Airlines (JAL), segundo uma iniciativa da empresa japonesa noticiada pelo jornal “The Guardian”. Agora, os passageiros da companhia dispõem de uma ferramenta de reserva online que indica os assentos já ocupados por crianças com idade entre oito dias e dois anos.

O aplicativo mostra automaticamente aos clientes à procura de reserva um ícone de criança na tela dos assentos reservados. Mas a JAL ressalva que a ferramenta não garante que os passageiros ficarão fora do alcance da criança barulhenta.

O ícone não aparece se o passageiro reservar seu voo por meio de terceiros, fizer parte de um grupo de turismo ou se houver uma mudança de última hora da aeronave, segundo o site da JAL.

LEIA TAMBÉM: Vacinas anti-intolerância

A iniciativa não é propriamente pioneira. Outra companhia japonesa, a All Nippon Airways (ANA), divulgou que seus mapas de assentos mostram “por um tempo” as reservas destinadas a crianças.

A novidade da JAL provocou reações variadas nas mídias sociais. O empresário Rahat Ahmed gostou: “Obrigado, @JAL_Official_jp por me avisar sobre onde os bebês planejam gritar e berrar durante uma viagem de 13 horas”, tuitou. “Isso realmente deve ser obrigatório sob todos os aspectos.”

Já outro usuário deplorou a medida: “Eles são bebês, como todos nós fomos. Precisamos aprender a tolerar ou em breve começaremos a precisar de um mapa dos locais dos assentos para respiradores bucais, babadores, peidorreiros, bêbados e talvez muito mais na vida”.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança