Conheça a história dos canibais que comeram mais de 100 pessoas na Patagônia

Conheça a história dos canibais que comeram mais de 100 pessoas na Patagônia
Conheça a história dos canibais que comeram mais de 100 pessoas na Patagônia (Foto: Caras Y Caretas)

Entre 1904 e 1909, a região da Patagônia foi o epicentro de uma história chocante que foi registrada como “O Massacre dos Turcos”, já que a maioria da pessoas assassinadas eram “mercadores” de origem árabe que caíram nas garras de uma gangue de ladrões canibais que comiam os corações e genitálias de suas vítimas.

Os acontecimentos foram registrados no Arquivo Histórico da Província de Río Negro e foram recontados em pedaços ao longo dos anos.

Os vendedores migrantes eram conhecidos como “mercadores” devido ao seu costume de anunciar nas cidades ou propriedades onde chegavam soprando uma espécie de apito ou apito.

“Eles eram libaneses assim que chegaram ao país, saindo de Neuquén e do General Roca, em grupos de dois e três, acompanhados de alguns peões, com cavalos ou mulas carregados de roupas, tecidos e outros itens”, descreve o escritor e historiador Elías Chucair, em relatório de 2009.

A primeira denúncia formal sobre o desaparecimento de cidadãos sírio-libaneses na Patagônia foi apresentado em abril de 1909 na região de El Cuy, de apenas cento e meio habitantes, pelo comerciante Salomón El Dahuk (ou Eldahuk) na ausência de notícias de José Elías, que acompanhava o também peão árabe Kesen Ezen, que entrou na Patagônia alguns meses antes.

Ele acrescentou que Elías havia deixado o General Roca em agosto de 1908, com sua mercadoria, e concordou que retornaria antes de novembro. Era comum que os sírio-libaneses assentados ajudassem seus “compatriotas” recém-chegados com mercadorias em consignação para que pudessem iniciar um negócio lucrativo. Eles entraram no planalto oferecendo produtos em vilas e propriedades remotas, retornando vários meses depois.

A pessoa que formalizou a queixa também relatou que Elías e seu trabalhador foram vistos pela última vez em outubro de 1908, no local conhecido como “Lanza Niyeo”. Acrescentando que algumas semanas depois, as duas mulas e o cavalo de Elías foram vistos vagando pelo planalto. Por isso ele tinha uma séria suspeita de que Elias e seu peão poderiam ter sido mortos. A esse ponto, cresciam os rumores sobre o desaparecimento dos “turcos” na Patagônia.

Era surpreendente que, desde 1905, nenhum dos “mercadores” que entraram no planalto tivesse voltado. De fato, a firma El Dahuk tinha registrado entre seus devedores cinquenta e cinco vendedores ambulantes de origem árabe que não haviam voltado para regularizar sua dívida, entre eles José Elías.

Portanto, quando o comerciante apresentou a denúncia formal, o governador do Território de Río Negro, Carlos Gallardo, ordenou imediatamente ao delegado que investigasse o que estava acontecendo. Nomearam o comissário José Torino, severo funcionário público que não hesitou em usar de “mão forte” para punir “vagabundos” e “bandidos”.

Torino formou um grupo de dez homens. Sabendo que os “turcos” saíam do General Roca para o sul e percorriam o território em dois ou três meses, passando depois pela zona “Lanza Niyeo” e depois por “Lagunitas”, fizeram o mesmo percurso. No início, ele foi recebido com o silêncio dos poucos aldeões. Todos os tinham visto eles passarem, mas não sabiam de mais nada.

Tudo mudou quando prenderam alguns indígenas Mapuches que, quando questionados, confessaram vários crimes, mas que não estavam relacionados com o desaparecimento de “turcos”. Foi então que o nariz investigativo do comissário Torino o levou diretamente a “Lagunitas”, onde procedeu à prisão de um menor chamado Juan Aburto.

O jovem confessou imediatamente que três sírios foram mortos há poucos dias na cabana de Ramón Sañico. Além disso, que em outras ocasiões, eles agrediram e mataram os “turcos” que ali chegaram. Torino alcançou a casa de Ramón Sañico, que já havia fugido, mas conseguiu recuperar vários objetos roubados.

O rápido deslocamento da polícia possibilitou a prisão de todos os integrantes da quadrilha e a coleta de provas. Não demorou muito para localizar as cabanas de Antonio Cuece, que aparentemente era uma mulher que se vestia de homem e uma machi (feiticeira ou curandeira), conhecida sob o pseudônimo de “Macagua”.

Ao lado dela estava o huinca (homem branco) Pablo Berbránez, chileno, alto, loiro, de olhos verdes e vestido de preto, segundo o historiador Elías Chucair, cuja curiosa personalidade o levou a ser também Juiz em Toltén, Chile. Ambos exerceram liderança sobre os capitães comandados por Pedro Villa, Bernardino Aburto, Francisco Muñoz e Julián Benigno Muñoz, todos com extensa ficha criminal.

Durante os quatro meses a investigação durou, o comissário Torino deteve e interrogou cerca de 80 pessoas. A região onde os acontecimentos ocorreram naquela época, as cidades mais numerosas da região eram “El Coy”, com 150 habitantes, e “Lagunitas”, apenas 100.

No entanto, a ausência de controle policial também favoreceu a presença de criminosos que se dedicaram a roubos, pilhagens e todo tipo de crimes. Eram tempos em que o usual era o roubo e tráfico de gado para o Chile. Foi naquele local deserto e perigoso que os mercadores se aventuraram com seus carroções carregados de produtos.

Violência sem motivo

Segundo os depoimentos, quando os capitães recebiam a notícia da chegada de um “mercador” à região, reuniam seus capangas e convidavam os mercadores viajantes com cordeiro assado, vinho e outras iguarias. Assim que se descuidavam, eles os matavam e roubavam seu dinheiro, roupas, joias e as mercadorias que transportavam.

Em seguida, extraíam seus corações, pênis ou testículos, que segundo os criminosos entendiam, eram atributos que, ao serem consumidos, lhes dariam virilidade e fortuna. Essas peças foram carbonizadas e posteriormente distribuídas entre todos os participantes.

Segundo alguns autores: “Antes de comer um pedaço do coração do turco José Elías, Julián Muñoz disse aos presentes: ‘Antes, quando eu era capitão e sabíamos lutar com as huincas, sabíamos comer o coração dos Cristãos; mas nunca experimentei turco e agora vou saber como é o gosto'”.

O resto dos cadáveres e pertences não roubados foram cremados. Uma vez reduzidos, os ossos eram triturados e armazenados, pois acreditavam que era um gualicho (feitiço) útil para não serem descobertos. Quanto à machi Macagua, outros detentos a apontaram como a encarregada de extrair as vísceras para realizar “remédios” com elas. Vários corações secos e partes humanas foram encontrados em seu rancho.

Nunca se soube quantos sírios-libaneses foram mortos porque sua escassa documentação pessoal foi queimada junto com seus corpos. De acordo com os dados coletados pelo comissário Torino, foram cerca de 130 homens.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago