• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Ciência22/06/2022

Conheça a vida secreta dos ácaros na pele de nossos rostos

Imagem que mostra o ácaro Demodex folliculorum na pele sob microscópio Hirox. Crédito: Universidade de Reading

22/06/22 - 11h15min

Ácaros microscópicos que vivem nos poros humanos e acasalam em nossos rostos à noite estão se tornando organismos tão simplificados, devido ao seu estilo de vida incomum, que em breve podem se unificar aos humanos, descobriu uma nova pesquisa. O trabalho foi liderado pela Universidade de Bangor e pela Universidade de Reading (ambas do Reino Unido), em colaboração com a Universidade de Valência (Espanha), a Universidade de Viena (Áustria) e a Universidade Nacional de San Juan (Argentina). O artigo a respeito dessa pesquisa foi publicado na revista Molecular Biology and Evolution.

Os ácaros são transmitidos durante o nascimento e são transportados por quase todos os humanos, com números atingindo o pico em adultos à medida que os poros crescem. Eles medem cerca de 0,3 mm de comprimento, são encontrados nos folículos pilosos do rosto e mamilos, incluindo os cílios, e comem o sebo liberado naturalmente pelas células dos poros. Eles se tornam ativos à noite e se movem entre os folículos procurando acasalar.

O primeiro estudo de sequenciamento do genoma do ácaro D. folliculorum descobriu que sua existência isolada e a endogamia resultante estão fazendo com que eles eliminem genes e células desnecessários e se movam para uma transição de parasitas externos para simbiontes internos.

A drª Alejandra Perotti, professora associada de Biologia de Invertebrados da Universidade de Reading, que coliderou a pesquisa, disse: “Descobrimos que esses ácaros têm um arranjo diferente de genes de partes do corpo para outras espécies semelhantes devido à adaptação a uma vida protegida dentro dos poros. Essas mudanças em seu DNA resultaram em algumas características e comportamentos corporais incomuns”.

Ácaro Demodex folliculorum sob um microscópio andando. Crédito: Universidade de Reading

Simplificação do organismo

O estudo aprofundado do DNA do Demodex folliculorum revelou que:

1) Devido à sua existência isolada, sem exposição a ameaças externas, sem competição para infestar hospedeiros e sem encontros com outros ácaros com genes diferentes, a redução genética fez com que eles se tornassem organismos extremamente simples com pernas minúsculas alimentadas por apenas 3 músculos unicelulares. Eles sobrevivem com o repertório mínimo de proteínas – o menor número já visto nesta e em espécies relacionadas.

2) Essa redução de genes também é a razão de seu comportamento noturno. Os ácaros não têm proteção contra radiação ultravioleta (UV) e perderam o gene que faz com que os animais sejam acordados pela luz do dia. Eles também foram incapazes de produzir melatonina – um composto que torna pequenos invertebrados ativos à noite; no entanto, eles são capazes de alimentar suas sessões de acasalamento durante toda a noite usando a melatonina secretada pela pele humana ao entardecer.

3) Seu arranjo genético único também resulta em hábitos de acasalamento incomuns dos ácaros. Seus órgãos reprodutivos se moviam anteriormente, e os machos têm um pênis que se projeta para cima da frente do corpo, o que significa que eles precisam se posicionar embaixo da fêmea ao acasalar e copular enquanto ambos se agarram ao cabelo humano.

4) Um de seus genes se inverteu, dando-lhes um arranjo particular de apêndices bucais que são especialmente salientes para coletar alimentos. Isso ajuda a sua sobrevivência em idade jovem.

Passo inicial

5) Os ácaros possuem muito mais células em uma idade jovem em comparação com o estágio adulto. Isso contraria a suposição anterior de que os animais parasitas reduzem seu número de células no início do desenvolvimento. Os pesquisadores argumentam que este é o primeiro passo para que os ácaros se tornem simbiontes.

6) A falta de exposição a parceiros em potencial que poderiam adicionar novos genes à sua prole pode ter colocado os ácaros no caminho para um beco sem saída evolutivo e potencial extinção. Isso já foi observado em bactérias que vivem dentro de células antes, mas nunca em um animal.

7) Alguns pesquisadores assumiram que os ácaros não têm ânus e, portanto, devem acumular todas as suas fezes ao longo de suas vidas antes de liberá-las quando morrem, causando inflamação da pele. O novo estudo, no entanto, confirmou que eles têm ânus e, portanto, foram injustamente culpados por muitas doenças da pele.

O coautor principal do estudo dr. Henk Braig, da Universidade de Bangor e da Universidade Nacional de San Juan, disse: “Os ácaros têm sido responsabilizados por muitas coisas. A longa associação com humanos pode sugerir que eles também podem ter papéis benéficos simples, mas importantes, por exemplo, em manter os poros do nosso rosto desobstruídos”.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

ácaro