Conjunção Júpiter-Saturno: a Estrela de Belém está voltando?

Fenômeno astronômico raro, a conjunção de Júpiter e Saturno, que terá seu auge em 21 de dezembro, foi associada por alguns autores à Estrela de Belém descrita na Bíblia

Estrela de Belém: fenômeno astronômico que desafia os pesquisadores. Crédito: Gerd Altmann/Pixabay

Em 21 de dezembro de 2020, Júpiter e Saturno se cruzarão no céu noturno e por um breve momento, parecerão brilhar juntos como um só corpo. Embora conjunções planetárias como essa não sejam eventos cotidianos, também não são particularmente raras.

A conjunção deste ano é diferente por pelo menos dois motivos. O primeiro é o grau em que os dois planetas ficarão alinhados. Os especialistas preveem que eles parecerão mais próximos durante essa conjunção do que em quase oito séculos e também mais brilhantes.

Mas o segundo fator, e aquele que colocou esse evento no centro das atenções, é que ele ocorrerá no solstício de inverno, pouco antes do feriado de Natal. O momento levou a uma especulação se esse poderia ser o mesmo evento astronômico que a Bíblia relata que levou os homens sábios a José, Maria e o recém-nascido Jesus – a Estrela de Belém.

Como um estudioso da literatura cristã primitiva escrevendo um livro sobre os três reis magos, argumento que a próxima conjunção planetária provavelmente não é a lendária Estrela de Belém. A história bíblica da estrela pretende transmitir verdades teológicas, em vez de históricas ou astronômicas.

Luz-guia

A história da estrela há muito fascina os leitores, antigos e modernos. No Novo Testamento, ele é encontrado apenas no Evangelho de Mateus, um relato da vida de Jesus no primeiro século que começa com a história de seu nascimento.

Nesse relato, homens sábios chegam a Jerusalém e dizem a Herodes, o rei da Judeia: “Onde está o menino que nasceu rei dos judeus? Pois nós observamos sua estrela em seu surgimento e viemos prestar-lhe homenagem”. A estrela então os leva a Belém e para na casa de Jesus e sua família.

Muitos leram essa história com a pressuposição de que Mateus deve estar se referindo a um evento astronômico real que ocorreu na época do nascimento de Jesus. O astrônomo Michael R. Molnar, por exemplo, argumentou que a Estrela de Belém era um eclipse de Júpiter dentro da constelação de Áries.

Há pelo menos duas questões envolvidas na associação de um evento específico com a estrela de Mateus. A primeira é que os estudiosos não têm certeza exatamente de quando Jesus nasceu. A data tradicional de seu nascimento pode ser diferente em até seis anos.

A segunda é que eventos astronômicos mensuráveis ​​e previsíveis ocorrem com relativa frequência. A busca para descobrir qual evento, se houve algum, Mateus poderia ter em mente é, portanto, complicada.

Crenças sobre a estrela

A teoria de que a conjunção de Júpiter e Saturno pode ser a Estrela de Belém não é nova. Foi proposto no início do século 17 por Johannes Kepler, um astrônomo e matemático alemão. Kepler argumentou que essa mesma conjunção planetária por volta de 6 a.C. poderia ter servido de inspiração para a história da estrela de Mateus.

Kepler não foi o primeiro a sugerir que a Estrela de Belém pode ter sido um evento astronômico reconhecível. Quatrocentos anos antes de Kepler, entre 1303 e 1305, o artista italiano Giotto pintou a estrela como um cometa nas paredes da Capela Scrovegni em Pádua, Itália.

“Adoração dos Magos” de Giotto: cometa na parte de cima da obra. Crédito: http://www.scienceblogs.de/astrodicticum-simplex/2008/12/der-stern-von-bethlehem.php/Wikimedia

Estudiosos sugeriram que Giotto fez isso como uma homenagem ao cometa de Halley, que os astrônomos determinaram que era visível em 1301, em um de seus voos regulares além da Terra. Os astrônomos também determinaram que o cometa de Halley passou pela Terra por volta de 12 a.C., entre cinco e dez anos antes de a maioria dos estudiosos argumentar que Jesus nasceu. É possível que Giotto acreditasse que Mateus estava se referindo ao cometa de Halley em sua história da estrela.

Curva para a esquerda

As tentativas de descobrir a identidade da estrela de Mateus costumam ser criativas e perspicazes, mas eu diria que também são equivocadas.

A estrela na história de Mateus pode não ser um fenômeno natural “normal”, e Mateus sugere isso na maneira como o descreve. Mateus diz que os sábios vêm a Jerusalém “do Oriente”. A estrela então os leva a Belém, ao sul de Jerusalém. A estrela, portanto, faz uma curva acentuada para a esquerda. E os astrônomos concordarão que as estrelas não fazem curvas fechadas.

Além disso, quando os magos chegam a Belém, a estrela está baixa o suficiente no céu para levá-los a uma casa específica. Como afirma o físico Aaron Adair: “Diz-se que a estrela para no lugar e paira sobre um alojamento específico, agindo como uma unidade GPS antiga”. A “descrição dos movimentos da estrela”, observou ele, estava “fora do que é fisicamente possível para qualquer objeto astronômico observável”.

Apoio teológico

Em suma, parece não haver nada de “normal” ou “natural” no fenômeno que Mateus descreve. Talvez o ponto que Mateus estivesse tentando enfatizar seja diferente.

A história da estrela de Mateus vem de um conjunto de tradições em que as estrelas estão conectadas a governantes. O surgimento de uma estrela significa que um governante chegou ao poder.

No livro bíblico de Números, por exemplo, que data do século 5 a.C., o profeta Balaão prediz a chegada de um governante que derrotará os inimigos de Israel. “Uma estrela sairá de Jacó, [significando Israel] … ela esmagará as fronteiras de Moabe.”

Um dos exemplos mais conhecidos dessa tradição da antiguidade é o chamado “Sidus Iulium” ou “Estrela de Juliano”, um cometa que apareceu alguns meses após o assassinato de Júlio César, em 44 a.C. Os autores romanos Suetônio e Plínio o Velho relatam que o cometa era tão brilhante que era visível no final da tarde, e que muitos romanos interpretaram o espetáculo como uma evidência de que Júlio César era agora um deus.

À luz dessas tradições, acredito que a história da estrela de Mateus não existe para informar os leitores sobre um evento astronômico específico, mas para apoiar as afirmações que ele está fazendo sobre o caráter de Jesus.

Colocado de outra forma, argumento que o objetivo de Mateus ao contar essa história é mais teológico do que histórico.

A próxima conjunção de Júpiter e Saturno, portanto, provavelmente não é um retorno da Estrela de Belém, mas Mateus provavelmente ficaria satisfeito com a admiração que ela inspira naqueles que a antecipam.

 

* Eric M. Vanden Eykel é professor associado de religião no Ferrum College (EUA).

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança