Consumo de leite bovino se espalhou na Europa a partir do norte

Análise de cerâmicas da costa atlântica europeia datadas entre 7000 a.C. e 6000 a.C. mostra que 80% do material originário da Grã-Bretanha e da Irlanda tinha evidência de laticínios

Criação de gado leiteiro no litoral inglês: agricultores pré-históricos em áreas com climas mais severos podem ter tido uma maior necessidade dos benefícios nutricionais do leite, incluindo vitamina D e gordura. Crédito: Piqsels

Um estudo acompanhou a mudança do estilo de vida de caçadores-coletores para o início da agricultura, que ocorreu na Europa pré-histórica durante um período de cerca de 1.500 anos. Uma equipe internacional de cientistas, liderada por pesquisadores da Universidade de York (Reino Unido), analisou restos moleculares de alimentos deixados em cerâmica usada ​​pelos primeiros agricultores que se estabeleceram na costa atlântica da Europa de 7 mil a 6 mil anos atrás. Seu estudo foi tema de artigo publicado na revista “Nature Communications”.

Os pesquisadores relatam evidências de laticínios em 80% dos fragmentos de cerâmica da costa atlântica do que hoje são a Grã-Bretanha e a Irlanda. Em comparação, a criação de gado leiteiro na costa sul do Atlântico europeu, onde hoje são Portugal e Espanha, parece ter sido muito menos intensiva e com maior uso de ovelhas e cabras do que de vacas.

O estudo confirma que os primeiros agricultores que chegaram à costa sul do Atlântico europeu exploraram os animais em busca de leite, mas sugere que a produção leiteira só decolou quando se espalhou para as latitudes mais ao norte, com um volume progressivamente maior de laticínios processados ​​em vasos de cerâmica.

LEIA TAMBÉM: Mamadeiras já eram usadas há cerca de 5 mil anos, diz estudo

Os agricultores pré-históricos que colonizaram áreas do norte, com climas mais severos, podem ter tido uma maior necessidade dos benefícios nutricionais do leite, incluindo vitamina D e gordura, sugerem os autores do estudo.

Mudança genética

O autor sênior do artigo, Oliver Craig, do Departamento de Arqueologia da Universidade de York, disse: “As diferenças latitudinais na escala de produção de laticínios também podem ser importantes para entender a evolução da persistência da (enzima) lactase adulta em toda a Europa. Hoje, a mudança genética que permite aos adultos digerir a lactose (açúcar presente) no leite é muito mais frequente nos europeus do noroeste do que nos do sul.”

Os pesquisadores examinaram resíduos orgânicos preservados na cerâmica neolítica inicial de 24 sítios arqueológicos situados entre Portugal e Normandia, bem como no Báltico Ocidental.

Eles descobriram surpreendentemente pouca evidência de alimentos marinhos em cerâmica, mesmo em locais localizados perto da costa do Atlântico, com muitas oportunidades para a pesca e a coleta de mariscos. Uma exceção foi no Báltico Ocidental, onde laticínios e alimentos de origem marinha eram preparados em cerâmica.

“Essa descoberta surpreendente pode significar que muitos agricultores pré-históricos evitavam os alimentos marinhos em favor dos laticínios, mas talvez peixes e moluscos fossem simplesmente processados ​​de outras maneiras”, observou a principal autora do artigo, Miriam Cubas.

“Nosso estudo é uma das maiores comparações regionais do uso precoce de cerâmica”, ela acrescentou. “Ele lançou uma nova luz sobre a disseminação da agricultura precoce na Europa Atlântica e mostrou que havia uma enorme variedade na maneira como os primeiros agricultores viviam. Esses resultados nos ajudam a ganhar mais de uma visão da existência das pessoas que vivenciaram durante esse processo de mudança importante na cultura e no estilo de vida – de caçadores-coletores a agricultores.”