• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Geral12/05/2022

Coreia do Norte confirma primeira morte por covid-19

Deutsche Welle
Texto por:Deutsche Welle12/05/22 - 20h29min

Cerca de 24 horas após anunciar primeiro surto da doença, regime norte-coreano informou que quase 190 mil pessoas estão em isolamento e que 350 mil apresentaram febre de "origem desconhecida".Um dia após confirmar o primeiro caso oficial de covid-19, a Coreia do Norte divulgou na noite desta quinta-feira (12/05), o primeiro óbito devido à doença no país. O anúncio, mais de dois anos após o início da pandemia, ocorre ao mesmo tempo em que vários países avançam o relaxamento das restrições impostas para conter o coronavírus.

Cerca de 187.800 pessoas estão atualmente em isolamento na Coreia do Norte, depois que casos de febre de origem desconhecida "se espalharam explosivamente por todo o país" desde o final de abril, informou a agência de notícias estatal KCNA.

Mais de 350 mil pessoas tiveram febre, das quais cerca de 162 mil foram tratadas até o momento. O regime norte-coreano, porém, não especificou quantos testaram positivo para covid-19.

Pelo menos seis pessoas que apresentaram febre morreram, mas, até agora, apenas um dos casos foi atribuído à variante ômicron do coronavírus, disse a KCNA.

O líder norte-coreano Kim Jong-Un visitou o centro de comando antivírus para verificar a situação e as respostas à epedimia, depois de declarar "grave emergência de estado" e ordenar um bloqueio nacional nesta quinta-feira.

Ele disse que a propagação da febre, sobretudo na área da capital, Pyongyang, "mostra que há um ponto vulnerável no sistema de prevenção de epidemias", informou a KCNA.

Kim destacou que a estratégia de seu regime é isolar e tratar as pessoas com febre, ao mesmo tempo em que pediu a criação de métodos e táticas de tratamento científico "em um ritmo relâmpago" e medidas de reforço para fornecer medicamentos.

A KCNA noticiou que as autoridades de saúde estão tentando organizar sistemas de teste e tratamento e visam reforçar o trabalho de desinfecção.

Recusa a vacinas

A rápida disseminação do coronavírus na Coreia do Norte evidencia o potencial de uma grande crise em um país que carece de recursos médicos, mas que recusou ajuda internacional para receber vacinas. Analistas temem que o surto possa aprofundar ainda mais a já difícil situação alimentar do país.

O regime norte-coreano afirmou diversas vezes ter conseguido empregar uma política à prova de falhas contra a doença, mantendo o coronavírus fora de seu território. Durante dois anos, o país fechou as fronteiras para visitantes e para quase todo o comércio internacional.

A medida gerou um peso ainda maior sobre uma economia que já sofria o impacto de décadas de má gestão e das sanções impostas pelo Ocidente em razão de seu programa nuclear.

Anteriormente, a Coreia do Norte rejeitou ofertas de vacinas vindas através do programa Covax da ONU, que promove a distribuição global dos imunizantes. Especula-se que o motivo da recusa seriam as exigências de monitoramento internacional do programa.

le (Reuters, AFP)

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua