• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Ciência10/12/2021

Cores brilhantes podem ter sido marca de bicos e patas de dinossauros

Os dinossauros podem ter tido cores brilhantes em sua pele, escamas e bicos de maneira semelhante aos pássaros modernos. Crédito: Sarah Davis

10/12/21 - 13h01min - Atualizado em 10/12/21 - 13h04min

A maioria dos pássaros não é tão colorida quanto papagaios ou pavões. Mas se você olhar além das penas, as cores brilhantes dos pássaros não são difíceis de encontrar: pense em pés de pombo rosa, cristas de galo vermelhas e bolsas de pelicano amarelas.

Há uma boa chance de que os dinossauros apresentavam cores em partes do corpo semelhantes. Eles poderiam inclusive ter cores brilhantes para atrair companheiros, assim como os pássaros fazem hoje. Essa é a conclusão de um estudo conduzido por pesquisadores da Universidade do Texas em Austin (EUA). O estudo a esse respeito foi publicado na revista Evolution.

“Os pássaros vivos usam uma variedade de pigmentos e podem ser muito coloridos em seus bicos, pernas e ao redor dos olhos”, disse Sarah Davis, candidata a doutorado na Escola de Geociências Jackson da Universidade do Texas em Austin, que liderou o estudo. “Poderíamos esperar que os dinossauros extintos expressassem as mesmas cores.”

Análise em parentes vivos

A conclusão sobre os esquemas de cores de dinossauros em potencial vem de descobertas mais amplas sobre a cor da pele e do tecido no ancestral comum de pássaros vivos e dinossauros extintos, um antigo arcossauro que viveu perto do início do período Triássico. Ao analisarem se a cor brilhante do corpo estava presente em parentes vivos de dinossauros – incluindo tartarugas, crocodilos e mais de 4 mil espécies de pássaros –, os pesquisadores determinaram que o ancestral comum tinha 50% de chance de ter cores brilhantes nos tecidos moles de seu corpo.

As cores brilhantes examinadas no estudo normalmente vêm de carotenoides – uma classe de pigmentos coloridos vermelhos, laranja e amarelos que os pássaros extraem de seus alimentos. Os carotenoides não fossilizam tão bem quanto os pigmentos marrons e pretos, o que significa que os cientistas devem estudar a cor em animais vivos para procurar pistas sobre a expressão da cor em seus ancestrais extintos.

Reconstituições

Os pesquisadores usaram os dados coletados de pássaros e outros animais para fazer reconstituições filogênicas, um método científico usado para investigar as histórias evolutivas das espécies. A estimativa de 50% para cores brilhantes se aplica igualmente à pele, bicos e escamas do antigo arcossauro. Em contraste, a pesquisa descobriu que havia 0% de chance de que as garras e penas tivessem cores vivas, o que é consistente com outras pesquisas, disse Davis.

O estudo também examinou a conexão entre a cor e uma dieta rica em carotenoides. Davis descobriu que as aves com dietas com mais carotenoides (ricas em vegetais e invertebrados) tinham maior propensão a ser coloridas do que as carnívoras. Além do mais, ela descobriu que pássaros herbívoros expressavam cores brilhantes em mais lugares de seus corpos do que comedores de carne ou onívoros.

“Os primeiros dinossauros eram do tamanho de um pônei e comiam presas vertebradas grandes”, disse a coautora do estudo, Julia Clarke, professora da Escola Jackson. “Diferentes grupos mudaram para dietas dominadas por plantas ou misturadas. Essa mudança provavelmente levou a alterações na coloração da pele e dos tecidos que não são de penas.”

História evolutiva

Além de colorir o passado, a pesquisa coloca as aves vivas em uma nova perspectiva. Davis disse que os grupos de pássaros examinados no estudo têm a reputação de serem monótonos – especialmente em comparação com pássaros canoros, que foram excluídos do estudo porque são os mais distantemente aparentados com seus ancestrais dinossauros não pássaros.

Mas, além das penas, os pássaros eram bastante coloridos. O estudo descobriu que cerca de 54% das 4.022 espécies de pássaros estudadas tinham cores brilhantes. Desse grupo, 86% das espécies expressaram cor brilhante apenas em tecidos não franjados.

Mary Caswell Stoddard, professora associada da Universidade de Princeton (EUA), disse que o estudo fornece informações importantes sobre a cor das aves que muitas vezes passam despercebidas.

“A cor dos pássaros é muito mais do que sua plumagem – basta pensar no bico amarelo-alaranjado vibrante de um tucano-toco –, mas as penas tendem a receber mais atenção”, disse ela. “Este estudo desvenda a história evolutiva da coloração à base de carotenoides não apenas na plumagem, mas também nos bicos e na pele das aves e seus parentes.”

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

arcossauro